Quinta-feira, 22 de Setembro de 2011

Montaigne, fidalgo pensador do século XVI, oferece-nos no seu jeito irónico a seguinte passagem: 

Quando os Godos saquearam a Grécia, o que salvou as bibliotecas de serem incendiadas foi ter um deles espalhado a ideia de que era preciso deixar intacto aos inimigos o motivo que os afastava dos exercícios militares e os distraía com ocupações sedentárias e ociosas. 

 Montaigne, Três Ensaios, Passagens, p.29



publicado por omeuinstante às 17:54 | link do post

2 comentários:
De A. Carlos a 22 de Setembro de 2011 às 18:22
Obrigado pelo sorriso!


De Vasco Tomás a 23 de Setembro de 2011 às 23:53
Os gregos tinham uma palavra, também nome de deusa, que traduzia como uma luva esta "inteligência manhosa" que deve estar presente sobretudo na guerra, mas também em muitas situações onde ocorre "fogo simulado": Metis.
É uma forma de sabedoria prática, sensatez de senso comum, mas do ponto de vista filosófico exige-nos uma aclaração, que enuncio sob a forma problemática.
Pode mentir-se sempre que com isso se alcance um resultado considerado desejável?
Em que situações é legítimo mentir?
Quem define o que é um resultado desejável ?
Quem traça a linha de fronteira entre a piedosa mentira e a satânica?
Problemas que percorreram o debate filosófico ao longo dos séculos, e que continuamos a rememorar.
Já assim, em que capítulo dos Ensaios de Montaigne está esta passagem?


Comentar post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Horizontes

Resquícios/ Amesterdão

Uma Pastelaria em Tóquio

ViK Muniz - Lixo Extraord...

VIK MUNIZ

Dominique Wolton

Da Memória: 1974 - Uma Pi...

25 de Abril - 2017

noctua - Willie Dixon, I ...

Longe dos Homens

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO