Quinta-feira, 26 de Julho de 2012

É incontornável. A questão da temporalidade da leitura de um texto obriga a atenção a dirigir-se para a distinção barthesiana entre textos de prazer e textos de gozo. Os textos de prazer, os clássicos, abrem-se ao entendimento do leitor sem sobressaltos; os textos de gozo, modernos, forçam a captação da sua inteligibilidade sob pena de fazer cair o leitor numa lentidão irreversível. 

O que é que confere, então, rapidez à leitura? O que é que sistematiza a legibilidade? Roland Barthes diz que não há critérios objectivos para definir as práticas textuais, uma vez que só o próprio texto baliza o gozo do tempo de mergulho e a sua fenda. E depois, há sempre os livros que oferecem resistência.

Ser legível é um modelo clássico vindo da escola: ser legível é ser lido na escola.

 


 




publicado por omeuinstante às 19:00 | link do post

4 comentários:
De anamar a 28 de Setembro de 2011 às 15:57
Barthes! sempre a erotização do texto.
Um prazer este instante.


De Carlos T. a 28 de Setembro de 2011 às 16:10
transgressões que fazem nascer textos. Gostei


De João Coelho a 27 de Julho de 2012 às 12:32
Uma possibilidade: a sistematização da legibilidade do texto e a rapidez com que é entendido poderá advir da sua profundidade histórica - da rede de ligações com outros textos e outras visões do mundo que o leitor assuma, por assim dizer, em si.

O texto poderá ser mais facilmente entendido e gozado pelo leitor (para usar a terminologia barthesiana) se ligado pelo próprio à veia da memória que tem em si de outros textos, de outros autores e da experiência do mundo que comporta em si próprio.

Aqui, poderá ser igualmente importante discutir o entendimento mais ou menos rápido do texto não como o reflexo da temporalidade da obra mas, outrossim, da temporalidade do próprio leitor, das experiências que o ligam e religam ao texto. É nessa relação mais ou menos interior com a própria obra que o leitor faz parte do texto, que o integra, que o dissolve em si próprio, que o assimila e o faz mais rápido em si.

Dizer de um texto que é moderno ou clássico pode, neste contexto, ser perigoso, se o ligarmos à forma mais ou menos rápida da sua inteligibilidade. É certo que ler (se é que assim pode ser dito...) a Margarida Rebelo Pinto na praia é aparentemente mais fácil que ler Camus na praia, mas é, em último caso, o leitor que define a inteligibilidade do texto. E, aqui como em qualquer outra coisa, as aparências iludem.


De omeuinstante a 27 de Julho de 2012 às 22:06
João, obrigada pelas questões (desafiantes) que coloca.
Um abraço


Comentar post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Uma Pastelaria em Tóquio

ViK Muniz - Lixo Extraord...

VIK MUNIZ

Dominique Wolton

Da Memória: 1974 - Uma Pi...

25 de Abril - 2017

noctua - Willie Dixon, I ...

Longe dos Homens

Herberto Helder/ Os Passo...

Relâmpago de Nada

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO