Segunda-feira, 28 de Dezembro de 2015

A Água


No café trazem-me um copo com água
como se ele resolvesse todos os meus problemas.
É ridículo — penso — não há saída.
No entanto, depois de beber a água
fico sem sede.
E a sensação exclusiva do organismo
acalma-me por momentos.
Como eles sabem de filosofia — penso —
e regresso, logo a seguir, à angústia.

Gonçalo M. Tavares



publicado por omeuinstante às 19:00 | link do post

2 comentários:
De Cláudia da Silva Tomazi a 12 de Outubro de 2011 às 20:46
Para água límpida sim, há saída!
Está tudo conectado.


De omeuinstante a 12 de Outubro de 2011 às 22:12
Já com saudades, Claúdia! Um beijinho


Comentar post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

noctua - Willie Dixon, I ...

Longe dos Homens

Herberto Helder/ Os Passo...

Relâmpago de Nada

Fracções

Como se desenha uma casa

Elegia pelo Ártico

noctua

Para lá da Palavra / Jos...

Da Igualdade de oportunid...

Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO