Segunda-feira, 2 de Julho de 2012

 Vivemos numa sociedade a que Mumford chamou de "megamáquina". Neste tipo de sociedade, regida por princípios contrários a uma visão humanística, as funções do governo são delegadas em aglomerados imensos, uma máquina centralmente dirigida, onde, a longo curso, as pessoas passam a existir sem capacidade crítica, tornam-se fracas, passivas e anseiam por um dirigente que "saiba" o que fazer. Neste momento, em Portugal, o modelo burocrático ganha raízes nas escolas. 


Esta máquina, tal como um automóvel, funciona praticamente por si só. A pessoa que se encontra por detrás só tem que meter as mudanças, conduzir e travar, prestando atenção a alguns pequenos detalhes: aquilo que no carro ou noutra máquina representam as várias rodas, na "megamáquina" são os muitos níveis de administração burocrática. Até um indivíduo de inteligência medíocre pode facilmente dirigir um Estado, a partir do momento em que se encontre no lugar do poder. 


(Adaptado de Ter ou Ser, Erich Fromm)

 



publicado por omeuinstante às 20:15 | link do post

1 comentário:
De Francisco a 2 de Julho de 2012 às 22:21
Pois, nenhuma escola escapará...
Mumford, Lewis, História das Utopias. Aconselho.


Comentar post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Horizontes

Resquícios/ Amesterdão

Uma Pastelaria em Tóquio

ViK Muniz - Lixo Extraord...

VIK MUNIZ

Dominique Wolton

Da Memória: 1974 - Uma Pi...

25 de Abril - 2017

noctua - Willie Dixon, I ...

Longe dos Homens

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO