Sexta-feira, 13 de Julho de 2012

No espaço vazio do tempo presente, preciso de um fio de silêncio e da melodia da chuva ausente. De um passeio a pé pela Foz. E de um verso bom lido em voz baixa.



publicado por omeuinstante às 01:43 | link do post

3 comentários:
De Lucas a 13 de Julho de 2012 às 19:09
Presente...chove...!!!


De Isabel X a 16 de Julho de 2012 às 15:05
O tempo não tem espaço. Daí o ser vazio?
Muito poético (lindo!) o pensamento assim dito: "preciso de um fio de silêncio e da melodia da chuva ausente."
Gosto desse tema da ausência que está presente...
- Isabel X -


De omeuinstante a 17 de Julho de 2012 às 16:44
Nada sei sobre a não-existência, e outro tanto sobre a negação do ser...
Dando voltas, pela releitura, ao conceito de consciência em Sartre, deixo-te esta curta frase onde o autor nos diz que o espaço é negação, " perpétua evanescência da totalidade em colecção, do contínuo em descontínuo". :)
Obrigada, Isabel!


Comentar post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Horizontes

Resquícios/ Amesterdão

Uma Pastelaria em Tóquio

ViK Muniz - Lixo Extraord...

VIK MUNIZ

Dominique Wolton

Da Memória: 1974 - Uma Pi...

25 de Abril - 2017

noctua - Willie Dixon, I ...

Longe dos Homens

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO