Sábado, 27 de Outubro de 2012

Não te ofenderei com poemas

 

Param os meus olhos quando penso em ti

Não farei do meu remorso um canto

 

Com árvores e céus mas sem poemas
Demasiado humano para poder ser dito
O teu mundo era simples e difícil
Quotidiano e límpido.

Sophia de Mello Breyner Andresen, Mar Novo, Caminho, pág 35 



publicado por omeuinstante às 15:08 | link do post

3 comentários:
De Anónimo a 29 de Outubro de 2012 às 00:54
Bela escolha, o poema. Obrigado.


De Anónimo a 29 de Outubro de 2012 às 01:23
Não quero ser anónimo. Chamo-me António José. Adeus e obrigado


De numadeletra a 7 de Dezembro de 2012 às 10:27
Poema muito bonito.

Também dediquei um, por estes dias:

http://numadeletra.com/19108.html



Comentar post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Horizontes

Resquícios/ Amesterdão

Uma Pastelaria em Tóquio

ViK Muniz - Lixo Extraord...

VIK MUNIZ

Dominique Wolton

Da Memória: 1974 - Uma Pi...

25 de Abril - 2017

noctua - Willie Dixon, I ...

Longe dos Homens

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO