Segunda-feira, 12 de Novembro de 2012

Em Portugal há um clima de nervosismo exponencial. Não é para menos, a União Europeia não é uma família de países democráticos. 

Os Estados- Nações conservam ainda alguma relevância política?



publicado por omeuinstante às 19:22 | link do post

3 comentários:
De Isabel X a 12 de Novembro de 2012 às 22:37
Simbolicamente são extremamente importantes. Num mundo globalizado economicamente, aos Estados- Nação cabe um papel político muito relevante: Quem mais representa as populações? Para além das empresas, das grupos económicos, das bolsas?
- Isabel X -


De omeuinstante a 12 de Novembro de 2012 às 23:00
Cabe, mas para isso os Estados-Nações têm de existir politicamente. A hiperglobalização económica esvazia-os desta particularidade essencial, infelizmente. Estamos perante uma nova ordem, que transcende o Estado-Nação. Acho eu, Isabel...


De Isabel X a 13 de Novembro de 2012 às 18:00
Claro, eu também. Mas é bom que tenhamos consciência de que há uma perda enorme nisso. E que, por mais inoperantes e anacrónicos que sejam, os Estados Nação continuam a significar um capital simbólico que não é facilmente substituivel. E com capacidade de conduzir à ação. Veja-se como a par da globalização aconteceu Timor ou o Kosovo.

- Isabel X -

-


Comentar post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Uma Pastelaria em Tóquio

ViK Muniz - Lixo Extraord...

VIK MUNIZ

Dominique Wolton

Da Memória: 1974 - Uma Pi...

25 de Abril - 2017

noctua - Willie Dixon, I ...

Longe dos Homens

Herberto Helder/ Os Passo...

Relâmpago de Nada

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO