Quarta-feira, 9 de Janeiro de 2013



É no 4.º episódio de As Bacantes que surge o tema da loucura. Ao longo desta cena de enlouquecimento de Penteu, há um jogo dialéctico persistente entre ser e parecer, ver e não ver. Eurípedes apresenta Penteu vestido de ménade e sob os efeitos do delírio dionisíaco que, disfarçado de sacerdote, o irá ridicularizar.

Penteu, tomado de estranha perturbação dos sentidos e com uma sensação patológica de força, julga poder transpor às costas o Citéron. No final do episódio, e neste estado de delírio, Diónisos conduz o rei para as montanhas, onde será morto e dilacerado pelas Bacantes que tão ardentemente deseja observar.
Um diálogo de forte ironia trágica e onde as palavras estão carregadas de duplo sentido.
O episódio tem dado motivo a diversas análises e interpretações psicanalíticas, uma vez que Penteu se disfarça de ménade/bacante/mulher com o propósito de as espiar. Espiar as Bacantes constituía profanação dos mistérios e delito que a pólis grega punia com a morte.

A força da tragédia: a mudança de Penteu de caçador em caçado. 


(a partir da leitura do artigo de José Ribeiro Ferreira em "As Bacantes e o Nascimento da Tragédia")

Dioniso

Tu, que de ver o que não deves tão desejoso estás,

e o que é vedado te é solicitas, a ti falo, ó Penteu,

sai do palácio e oferece-te a meus olhos,

envergando uma veste de mulher, de Ménade, de Bacante,

tu, o espia de tua mãe e suas sectárias...

 

(Entra Penteu, vestido de Bacante e com o tirso na mão.)

 

Uma das filhas de Cadmo nas feições me pareces

 

Penteu

Eu estou em crer que vejo dois sóis...

E vejo Tebas, a cidade das sete portas, a dobrar...

A ti, que me conduzes, um touro eu te creio,

e na tua cabeça despontaram chifres...

Já eras dantes uma fera! Em touro te tornastes!

 (...)



publicado por omeuinstante às 00:10 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Uma Pastelaria em Tóquio

ViK Muniz - Lixo Extraord...

VIK MUNIZ

Dominique Wolton

Da Memória: 1974 - Uma Pi...

25 de Abril - 2017

noctua - Willie Dixon, I ...

Longe dos Homens

Herberto Helder/ Os Passo...

Relâmpago de Nada

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO