Sábado, 16 de Novembro de 2013

 

Canto I

 

49

Não é por acaso que não consegues, por mais que tentes,

atingir em cheio o dia - qualquer que ele seja - 

como se faz às baleias com um arpão.

Os dias têm um invólucro espesso,

uma armadura do material mais resistente que existe:

tudo aquilo de que não se sabe onde está o centro

está seguro.

Assim são os nossos dias que bem queríamos aniquilar

com um arpão. Baleia absurda, sem corpo,

o tempo.

 

Uma Viagem à Índia, Gonçalo M. Tavares, Caminho, pág. 46


 



publicado por omeuinstante às 17:19 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Uma Pastelaria em Tóquio

ViK Muniz - Lixo Extraord...

VIK MUNIZ

Dominique Wolton

Da Memória: 1974 - Uma Pi...

25 de Abril - 2017

noctua - Willie Dixon, I ...

Longe dos Homens

Herberto Helder/ Os Passo...

Relâmpago de Nada

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO