Domingo, 31 de Outubro de 2010

Um canto - tal como um conto -, pode ser sempre re-contado. O canto camoniano permite leituras marginais face à matéria épica narrada. O Texto de Gonçalo M. Tavares envolve o pensamento no mesmo exercício.

 

A questão é que um país já nem

se preocupa se fabrica ou não poetas.

E até a própria fábrica não tolera restos:

toda a matéria deverá ser aproveitada,

como uma prostituta hábil aproveita todos os recantos

do seu corpo. Os países perderam estilo,

ganharam accionistas.

 

Gonçalo M. Tavares, Uma Viagem à Índia, Prefácio de E. Lourenço, Caminho, 1ª edição, canto IV, p 175



publicado por omeuinstante às 18:23 | link do post

5 comentários:
De Francisco a 31 de Outubro de 2010 às 19:00
Também estou a ler. A sua explicação é muito interessante.


De Cláudia Tomazi - Brasil a 31 de Outubro de 2010 às 20:08
A idéia do texto do Sr. Gonçalo Tavares estava tão lúcida, até cometer cair na cilada de uma analogia com o elemento de prostituição da figura feminina.
Grosserias a parte, a seriedade do caso não comporta desvarios, por mais que sinta-se tentado a vulgaridade não compete a tal comparação.


De omeuinstante a 1 de Novembro de 2010 às 18:02
Literatura, literatura. E Vida!


De vasco t. a 1 de Novembro de 2010 às 18:14
Gostei do modo como fazes referência à obra que apresentas, pela concisão das palavras que usas, pela modulação do discurso com que operas ("re-canto" rimando com "re-conto", por ex.), pelo rigor do que afirmas e pelo motivador excerto da obra que escolheste.
A expressão "leituras marginais" é sugestiva e fecunda, podendo talvez ajudar-nos a aceitar que uma obra literária tem de comportar uma forma de violência aos códigos morais, estéticos ou políticos que configuram uma determinada mundanidade. Aquilo a que W. Benjamin chamou "varrer a história a contrapelo".
Que bela defesa da "inutilidade" da poesia contra o reino idolátrico da "utilidade" do momento a todo o vapor nos faz a autor no excerto apresentado! Assim, vou sentindo que tenho - muitos? - irmãos, ainda que não os conheça.
Obrigado, M. do Céu, continua sempre!


De omeuinstante a 1 de Novembro de 2010 às 18:48
Eu é que agradeço, Vasco. Partilhar leituras contigo é sempre um exercício desafiante.


Comentar post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Horizontes

Resquícios/ Amesterdão

Uma Pastelaria em Tóquio

ViK Muniz - Lixo Extraord...

VIK MUNIZ

Dominique Wolton

Da Memória: 1974 - Uma Pi...

25 de Abril - 2017

noctua - Willie Dixon, I ...

Longe dos Homens

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO