Quinta-feira, 15 de Julho de 2010

A criação artística, na sua essência, procura ir além da realidade imediata, do quotidiano em que escavamos o nosso viver abstruso.

Nunca são apenas as respostas que me satisfazem; mas o seu processo de decifração.

Que razões profundas movem o artista?


Para quê tentar compreender a arte?

Acaso se tenta compreender o canto de uma ave?

Picasso




publicado por omeuinstante às 18:46 | link do post

5 comentários:
De francisco a 15 de Julho de 2010 às 20:05

Belo.Belo mesmo. Obrigada pelos instantes que nos oferece.


De omeuinstante a 17 de Julho de 2010 às 11:37
Obrigada. Mesmo.


De paulo prudêncio a 16 de Julho de 2010 às 00:10
A história da vida de Frida Khalo é fascinante. Bom vídeo e muito bom o enquadramento.


De Olga a 16 de Julho de 2010 às 20:57
Vergílio Ferreira responderia, certamente, à tua pergunta dizendo que "uma obra de arte é a forma autêntica da presença à verdade original da vida" ("Espaço do Invisível",vol.1).
Faz-se arte para se estar vivo e Frida Kahlo é um exemplo disso mesmo.


De omeuinstante a 16 de Julho de 2010 às 21:59
Claro. A arte corresponde a uma necessidade humana fundamental. Pela transfiguração da realidade a vida torna-se suportável. Para além da questão da transcendência, há a superação da finitude.
E, sim, Frida Kahlo é mesmo um exemplo. Mas não estamos já no campo da interpretação? Não lhe podemos fugir.


Comentar post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Uma Pastelaria em Tóquio

ViK Muniz - Lixo Extraord...

VIK MUNIZ

Dominique Wolton

Da Memória: 1974 - Uma Pi...

25 de Abril - 2017

noctua - Willie Dixon, I ...

Longe dos Homens

Herberto Helder/ Os Passo...

Relâmpago de Nada

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO