Quinta-feira, 05.07.12



publicado por omeuinstante às 14:00 | link do post

Quinta-feira, 28.06.12

É incomensurável a infelicidade profunda que se esconde por detrás da aparência confortante do homem moderno. Hoje o mundo é povoado por seres impotentes, paralisados na necessidade constante de iniciativa e de empreendedorismo. Quando estalar o verniz, o perigo soltar-se-á: " O desespero do autómato humano é terreno fértil para os objectivos políticos do fascismo."



publicado por omeuinstante às 23:10 | link do post

Quinta-feira, 07.06.12

Todas as coisas humanas têm dois aspectos... para dizer a verdade todo este mundo não é senão uma sombra e uma aparência; mas esta grande e interminável comédia não pode representar-se de um outro modo. Tudo na vida é tão obscuro, tão diverso, tão oposto, que não podemos nos assegurar de nenhuma verdade.


Erasmo,  Elogio da Loucura




publicado por omeuinstante às 23:25 | link do post

Sexta-feira, 25.05.12

Quadro de Jacques - Louis David (1787).

Museu Metropolitan de Nova York.



publicado por omeuinstante às 18:08 | link do post

Domingo, 06.05.12

Nos nossos dias, tudo parece estar prenhe do seu contrário. Sendo nós uma maquinaria dotada do maravilhoso poder de reduzir e fazer frutificar o trabalho humano, contemplamos a fome e a morte por excesso de trabalho. As fontes de riqueza da moda são convertidas, por uma estranha magia, em fontes de penúria. As vitórias da arte parecem ser compradas com a perda do carácter. Na mesma medida em que a humanidade domina a natureza, parece ter sido o homem escravizado por outros homens e pela sua própria infâmia.
(...) este antagonismo  entre as forças produtivas e as relações sociais, na nossa época, é um facto palpável, esmagador, que não pode ser desmentido.

Karl Marx, The People`s Paper 
19 de Abril de 1856 



publicado por omeuinstante às 17:39 | link do post

Sexta-feira, 20.04.12

Sem a memória, o coração ficaria vazio.


Em qualquer paisagem, em qualquer recinto onde abarcam os olhos, o número de coisas visíveis é praticamente infinito, mas nós só podemos ver, em cada instante, um número muito reduzido delas.
Todo o ver é, pois, olhar; todo o ouvir, um escutar e, em geral, toda a nossa capacidade de conhecer é um foco luminoso, uma lanterna que alguém, posto atrás dela, dirige a um ou outro quadrante do Universo, repondo sobre a imensa e passiva face do cosmos aqui a luz, ali a sombra.

  Adaptado de Ortega y Gasset, Coração e cabeça.



 A Persistência da Memória, Salvador Dali (1931) 



publicado por omeuinstante às 22:10 | link do post

Quinta-feira, 29.03.12

O que humanamente designamos por mal é universal e absoluto; o bem existe de um modo provisório e temporário. O mal é ontologicamente primário, o bem secundário, ôntico. Sobre estas questões nos fala Miguel Real em Nova Teoria do Mal. Ainda a ler.



publicado por omeuinstante às 15:53 | link do post

Quinta-feira, 15.03.12

Não é suficiente ter o espírito bom, o principal é aplicá-lo bem, escreve Descartes no seu famoso Discurso do Método. E aplicá-lo com simplicidade, sinal de verdadeiro.



publicado por omeuinstante às 19:33 | link do post

Quinta-feira, 01.03.12

Nos nossos dias, arte
radical significa arte sombria,
negra como a cor fundamental
Theodor W. Adorno

 

 

 



publicado por omeuinstante às 12:12 | link do post

Quarta-feira, 15.02.12

A palavra é a superfície do mar agitado que conflitua nas profundezas.

Nietzsche



publicado por omeuinstante às 16:38 | link do post

Terça-feira, 14.02.12

Na Grécia Antiga, o conceito de música designava não só a música propriamente dita mas igualmente as belas-artes. Para os gregos, a extensão do conceito aplicava-se à cultura do espírito em geral. Platão esclarece, no Prólogo do Fédon, esta questão:

No curso da minha vida, tinha sido, com frequência, visitado por um sonho, hoje sob uma forma, amanhã sob outra, o qual me aconselhava constantemente a mesma coisa: Ó Sócrates, dizia ele, trata de cultivar a música e dedica-te a isso. Ora eu julgava que àquilo, que na vida passada tinha feito, me exortava e incitava o sonho. Semelhante aos que animam os corredores, assim ele, na minha opinião, me animava também a prosseguir o que tinha principiado - a dedicar-me à música, pois não existe música, pensava eu, mais excelente que a filosofia, à qual eu me dedico.


tags:

publicado por omeuinstante às 19:03 | link do post

O filósofo espanhol Ortega y Gasset (1883-1955) escreveu, sem fingimento, que o Homem é um equilíbrio instável.

Sou uma parte de tudo aquilo que encontrei.




publicado por omeuinstante às 16:25 | link do post

Segunda-feira, 13.02.12

Para filosofar é necessário descer ao velho caos e sentirmo-nos aí como se estivéssemos em casa.
Wittgenstein 



publicado por omeuinstante às 16:00 | link do post

Domingo, 12.02.12

Ser governado é ser vigiado, inspeccionado, espiado, dirigido, legislado, regulamentado, classificado, doutrinado, admoestado, fiscalizado, avaliado, censurado, comandado por seres que não possuem para isso nem título, nem ciência, nem virtude.

Proudhon



publicado por omeuinstante às 20:23 | link do post

 A sociedade humana necessita de paz, mas necessita igualmente de conflitos sérios e de ideais: de valores, de ideias pelos quais possamos lutar. Na sociedade ocidental aprendemos- e aprendemos com os gregos- que é possível fazê-lo não tanto com a espada, mas muito melhor e mais persistentemente com palavras. E, sobretudo, com argumentos razoáveis.

Uma sociedade perfeita é, por conseguinte, impossível. Existem, porém, ordens sociais melhores e piores. A nossa civilização ocidental decidiu-se a favor da democracia, como uma forma de sociedade que pode ser alterada pela palavra e, aqui e ali- se bem que raramente- por argumentos racionais, por uma crítica racional, isto é, realista- através de reflexões críticas não-pessoais, características também da ciência, designadamente da ciência da natureza, desde os gregos. Sou, pois, um defensor da civilização ocidental, da ciência e da democracia. Elas dão-nos a oportunidade de prevenir o infortúnio evitável e de experimentar, de apreciar criticamente e, se necessário, aperfeiçoar as reformas (...). E confesso-me igualmente partidário da ciência, hoje tantas vezes caluniada, que busca a verdade através da auto-crítica e que, a cada nova descoberta, descobre de novo quão pouco nós sabemos- quão infinitamente grande é a nossa ignorância e falibilidade. Foram intelectualmente humildes. (...).


Karl Popper, Em Busca de Um Mundo Melhor



publicado por omeuinstante às 19:15 | link do post

Sexta-feira, 10.02.12

Na frente do espelho: estamos falidos e indignados. A que se deve o estado actual de tamanha superficialidade actuante?
Lembro-me de ter lido que Bergson (1859-1951), a propósito da delimitação do conceito de consciência- força viva e energia contínua-, assegurou que habita em cada um de nós um eu profundo e vivo e um eu superficial e morto. Duas realidades, uma só pessoa. Muitos portugueses. 



publicado por omeuinstante às 09:00 | link do post

Quinta-feira, 09.02.12

A temporalidade refere-se a tudo o que se constitui no tempo e está sujeito às consequências da sua passagem. O carácter precário da existência humana conduz algumas pessoas a pensar que tudo é vão e que a vida não tem sentido. Ora, dar sentido à vida ultrapassa a questão de dar sentido à nossa vida. Dar sentido à vida implica acrescentar valor ao mundo, para além da felicidade subjectiva, como forma de ir resolvendo a questão da finitude; e compreender que a questão do sentido, neste campo, resvala para a esfera da exigência pessoal. 

No poema Tabacaria, Álvaro de Campos filosofa sobre temas da mesma natureza. 

(...)

Ele morrerá e eu morrerei

Ele deixará a tabuleta, eu deixarei os versos.

A certa altura morrerá a rua onde esteve a tabuleta,

E a língua em que foram escritos os versos.

Morrerá depois o planeta girante em que tudo isto se deu.

Em outros satélites de outros sistemas qualquer coisa como gente
Continuará fazendo coisas como versos e vivendo por baixo de coisas como tabuletas,

(...)



publicado por omeuinstante às 09:00 | link do post

Quarta-feira, 08.02.12

A Paz não corrompe menos do que a guerra devasta. Quem o diz é o tenso poeta inglês John Milton (1608-1672), autor da grandiosa epopeia O Paraíso Perdido.



publicado por omeuinstante às 17:00 | link do post

Urge, com toda a evidência, revitalizar a intervenção actuante dos homens e das mulheres na esfera pública, espaço de liberdade política e de igualdade. Para não sufocar, a democracia depende de práticas argumentativas e de discursos racionais sobre questões de interesse comum com vista à formação de uma opinião pública esclarecida e crítica. Oferecermos o debate da coisa pública às elites políticas e económicas, tem um preço. Sem ilusões, o estado totalitário está disposto a pagá-lo.



publicado por omeuinstante às 13:36 | link do post

Mas que sou eu então? Uma coisa pensante. O que quer isto dizer?
Quer dizer: uma coisa que duvida, que compreende, que afirma, que nega, que quer, que não quer, que imagina e que sente.

 

 Descartes, Meditações Sobre a Filosofia Primeira. 


tags:

publicado por omeuinstante às 09:00 | link do post

Terça-feira, 07.02.12

Vygotsky ensinou que uma palavra que não representa uma ideia é uma coisa morta, da mesma forma que uma ideia não incorporada em palavras não passa de uma sombra.

Os estudos científicos desenvolvidos pela Universidade de Berkeley, publicados na revista científica PLoS Biology, continuam a destapar a roupagem interna da palavra . Mais um passo para a compreensão de que o sentido das palavras é simultaneamente pensamento e linguagem. 

 

Aqui.




publicado por omeuinstante às 12:00 | link do post

Todos os homens têm medo. Quem não tem medo não é normal; isso nada tem a ver com a coragem.
Sartre



publicado por omeuinstante às 10:20 | link do post

Terça-feira, 31.01.12

Tolerância deriva do latim tolerare e significa suportar. Tolerar é, assim, permitir comportamentos com os quais não estamos de acordo. Logo, a discordância é um requisito da tolerância.Tolerar é reconhecer ao Outro o direito de pensar e agir de modo diferente. Contudo, não significa que aceitemos o relativismo moral em toda a sua extensão. A universalidade da Carta dos Direitos Humanos continua a ser a referência balizadora duma sociedade justa. Há valores inegociáveis.



publicado por omeuinstante às 16:06 | link do post

Segunda-feira, 30.01.12

Para Gaston Bachelard ( 1884-1962), a ciência e o senso comum diferem uma vez que fazem parte de esferas cognitivas diferentes. Estamos perante aquilo a que ele chama "corte epistemológico", momento que afasta a ciência dos ruídos exteriores, "os obstáculos epistemológicos".



publicado por omeuinstante às 12:42 | link do post

Sexta-feira, 27.01.12

O filósofo francês Blaise Pascal (1623-1662), salienta que a consciência é o melhor livro de moral e o que menos se consulta.



publicado por omeuinstante às 21:49 | link do post

A Revista Portuguesa de Filosofia, tomo 66-Fasc4, 2010, inclui um artigo Sobre a Mente Consciente na Natureza de Samuel Butler, apresentado por Manuel Curado. No resumo pode ler-se que Butler foi um dos primeiros autores a compreender que o evolucionismo de Darwin precisa de ser completado com uma reflexão sobre a evolução das máquinas. O estudo paralelo salienta a dificuldade da abordagem do campo de estudo da evolução da mente senciente. O artigo conjectura a favor de uma noção de mente alargada: se existe uma evolução paralela de autómatos e de seres orgânicos desde o inicío da vida na Terra e se os organismos biológicos evoluem lado a lado com próteses mecânicas e é previsível que existam no futuro formas de simbiose entre humanos e máquinas, segue-se que a mente humana deverá ser entendida num sentido mais alargado do que o habitual.
Darei conta por aqui da leitura deste artigo fascinante.



publicado por omeuinstante às 09:00 | link do post

Segunda-feira, 23.01.12

Se a linguagem é a morada do Ser, compete usá-la de modo a não nos desfigurarmos. Depois de dita, perduram resíduos.

 Por isso (…) foi dado ao homem a língua, o mais perigoso dos bens (…) para que ele dê testemunho do que ele é (…).

 Hölderlin 



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Domingo, 22.01.12

A propósito das declarações inscientes de Cavaco Silva:

 

Cabe a cada um assumir por sua conta e risco a sua linguagem, pela procura da palavra adequada. À ontologia objectiva ou sociológica da fala deve substituir-se uma ontologia pessoal. O discurso não é mais do que um testemunho do ser, pelo que cabe a cada um fazer com que esse testemunho seja autêntico.

(...) O sentido último da palavra é de ordem moral.
 
Georges Gusdorf, A Palavra, Ed 70, p. 43



publicado por omeuinstante às 22:59 | link do post

Sexta-feira, 20.01.12

Porque o Homem faz-se Tempo, na memória dos dias:

Os dias talvez sejam iguais para um relógio mas não para um homem.

 Marcel Proust





publicado por omeuinstante às 13:00 | link do post

Quinta-feira, 19.01.12

Kant considera que o homem tem a oportunidade de ser feliz quando aproxima o seu querer do dever. Assim nasce, para o filósofo de Königsberg, o homem como criador, uma vez que no mundo da liberdade o homem é o criador das próprias leis. Enquanto releio Oscar Wilde, De Profundis, sinto que o arco do pensamento os une através desta passagem: ser inteiramente livre e ao mesmo tempo inteiramente dominado pela lei, é o eterno paradoxo da vida humana de que nos apercebemos a todo o momento.



publicado por omeuinstante às 22:47 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

ViK Muniz - Lixo Extraord...

VIK MUNIZ

Dominique Wolton

Da Memória: 1974 - Uma Pi...

Longe dos Homens

Umberto Eco (1932-2016)

Nova Terra

Paradoxos

Da Natureza da Arte

Capa Semanal

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO