Segunda-feira, 28.05.12

Bergman e Bach. Juntos, um instante.



publicado por omeuinstante às 19:31 | link do post

Sexta-feira, 23.07.10

Se julgais que vou fazer a defesa do que para mim é a realidade, muito vos enganais. Sou um actor sem teatro, um fantoche sem cordelinhos, um poeta sem poemas, um amante sem amor. Os próprios piolhos de mim nada pretendem. Pois bem, senhor, eu lanço por terra a minha espada de madeira. Não tenciono defender-me.

Bergman, O Retábulo da Peste in Três Peças em um Acto ( pág 56), Paisagem

 

Há sempre peças várias em um só acto; com cenário único, facilitando a montagem.

A encenação tem dificuldades menores e subordina-se a um tema circular: a realidade, a própria vida.

Nota finalizante: assistamos, no zimbório, com um ar de circunstância, como convém.



publicado por omeuinstante às 16:00 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Saraband

Theátrum

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO