Quarta-feira, 28.11.12

A liberdade abstracta é uma servidão real.



publicado por omeuinstante às 19:43 | link do post

Quarta-feira, 07.11.12

Nas horas baças que pedem um novo renascer, volto-me na direcção do "sítio geográfico vital gravado nos cromossomas". Gesto que me faz sentir, repito-o, que as fragas são firmes, as árvores nascem, a lua é bela, os homens são promessas. "E sinto Paz".


Não sei se vês, como eu vejo.

Pacificado,

Cair a tarde

Serena

Sobre o vale,

Sobre o rio,

Sobre os montes

E sobre a quietação

Espraiada da cidade.

Nos teus olhos não há serenidade

Que o deixe entender.

Vibram na lassidão da claridade.

E o lírico poema que me acontecer

Virá toldado de melancolia,

Porque daqui a pouco toda a poesia

Vai anoitecer.

 

Miguel Torga

Chaves, 6 de Setembro de 1986



publicado por omeuinstante às 15:41 | link do post

Terça-feira, 02.10.12

Existir. É tudo o que me pode acontecer. Contingência absoluta. Sem razão, o Nada. Porque hoje é um dia qualquer. Mas, e não por fraqueza, bom, para visitar  Bouville.



publicado por omeuinstante às 14:33 | link do post

Terça-feira, 25.09.12

Quero estar aqui. E respirar o azul claro dos dias.



 Manet ( 1832-1883) - Blue Venice



publicado por omeuinstante às 14:20 | link do post

Domingo, 24.06.12

Reverberações de um Domingo quase verão: é urgente proteger o exercício da profissão docente. 



publicado por omeuinstante às 18:10 | link do post

Sexta-feira, 22.06.12

O homem parte sempre da sua circunstancialidade para configurar a realidade. Mergulhando nela, constrói significações que traduzem uma visão do mundo e da vida. A arte é espelho desta condição, mas acrescenta-lhe realidade, o que é fascinante. Pela arte, nasce uma nova consciência e a realidade ganha um sentido profundamente humano. Pela arte, conciliamo-nos com o mundo.



publicado por omeuinstante às 11:39 | link do post

Terça-feira, 15.02.11

Concordo. Esta Avaliação, Não.

Leia aqui.



publicado por omeuinstante às 22:04 | link do post

Quinta-feira, 13.01.11

 

Um círculo é, no limite, um polígono com infinitos lados.

 

Obrigada, Teresa Pereira, pelas  saborosas discussões matemáticas.



publicado por omeuinstante às 19:05 | link do post

Sábado, 08.01.11

Cai o dia na Foz.

O mar anterior  a tudo permanece coevo nos seus mistérios.

Mas a linha do horizonte continua infinita.

Há tanto acontecer naquilo que não se vê,

Mas se perscruta.

Inexoravelmente. Preito!



publicado por omeuinstante às 17:26 | link do post

Sábado, 11.12.10

É tão difícil ser escravo!



publicado por omeuinstante às 12:59 | link do post

Quarta-feira, 24.11.10

O Direito à greve pertence a todos os que de outra forma não são ouvidos. É a sua linguagem, disse Martin Luther King.




publicado por omeuinstante às 00:00 | link do post

Sábado, 09.10.10

O Homem é herdeiro de experiências: vivemos o presente sempre com o passado às costas.



publicado por omeuinstante às 21:18 | link do post

Terça-feira, 28.09.10

Hoje, numa aula de Filosofia A, para explicar o porquê do trabalho a realizar, li um pequeno poema.

Gostaram. E perceberam.

 

Uma centopeia vivia feliz

Até que um dia um sapo lhe disse, a brincar:

Com tantos pés, nunca te enganas, meu petiz?

Cheia de dúvidas de tanto pensar

Caiu distraída numa vala

sem saber como marchar.

(retirado do livro, Uma tarde com o Sr Feynman)



publicado por omeuinstante às 21:34 | link do post

Terça-feira, 21.09.10

Preparo e preparo as matérias que lecciono. Mas depois, na sala de aula, nunca vou a direito.

O caminho não se faz em ziguezague. São círculos abertos, coloridos de falas, que remetem para mais mundo.



publicado por omeuinstante às 21:00 | link do post

Domingo, 19.09.10

A música é a roupagem do Sonho.



publicado por omeuinstante às 00:48 | link do post

Terça-feira, 22.06.10

Como nos ensina Platão, a amizade é o cultivo do belo, da sabedoria e até do divino. É um dinamismo que nos aproxima e fixa em algumas pessoas. Em outras não. É um itinerário iniciático e dialéctico, conduzido pela mão de Diotima.

Os encontros com a minha amiga Olga Rocha desafiam-me e inquietam-me, mesmo que tenham a duração de um instante.

Esse lado breve mas imutável das relações representa, para mim, um tempo certo e uma escala de valoração, provando que nem tudo se dissolve no ar.

 

Foi então que apareceu a raposa.

- Olá, bom dia! - disse a raposa

- Olá bom dia! - respondeu delicadamente o principezinho que se voltou mas não viu ninguém.

- Estou aqui - disse a voz - debaixo da macieira.

- Quem és tu? - perguntou o principezinho. - És bem bonita...

- Sou uma raposa - disse a raposa.

- Anda brincar comigo - pediu - lhe o principezinho. - Estou tão triste...

- Não posso ir brincar contigo - disse a raposa. - Não estou presa...

- Ah! Então desculpa! - Disse o principezinho.

Mas pôs-se a pensar, a pensar, e acabou por perguntar:

- O que é que "estar preso" quer dizer?

- Vê-se logo que não és de cá - disse a raposa. - De que é que tu andas à procura?

- Ando à procura dos homens - disse o principezinho. - O que é que "estar preso" quer dizer?

- Os homens têm espingardas e passam o tempo a caçar - disse a raposa. - É uma grande maçada! E também fazem criação de galinhas! Aliás, na minha opinião, é a única coisa interessante que eles têm. Andas à procura de galinhas?

- Não - disse o principezinho. -  Ando à procura de amigos. O que é que "estar preso" quer dizer?

- É uma coisa que toda a gente se esqueceu - disse a raposa. - Quer dizer que se está ligado a alguém, que se criaram laços com alguém.

- Laços?

- Sim, laços - disse a raposa. - Ora vê: por enquanto, para mim, tu não és senão um rapazinho perfeitamente igual a outros cem mil rapazinhos. E eu não preciso de ti. E tu também não precisas de mim. Por enquanto, para ti, eu não sou senão uma raposa igual a outras cem mil raposas. Mas, se tu me prenderes a ti, passamos a precisar um do outro. Passas a ser único no mundo para mim. E, para ti, também passo a ser única no mundo...

- Parece que estou a começar a perceber - disse o principezinho.  - Sabes, há uma certa flor...tenho impressão que estou preso a ela...

(...).

 

Antoine de Saint - Exupéry, O Principezinho


Há laços que perduram.



publicado por omeuinstante às 13:57 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Cristalizações

Miradoiro

Improvisos

Improvisos

Cintilâncias

Configurações

É Hora

No Limite

Perscrutáre

Da consciência

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO