Quinta-feira, 10.05.12

 


(Cargador de Flores, Diego Rivera)

 

(...)

Homens de carga! Assim as bestas vão curvadas!

Que vida tão custisa! Que diabo!

E os cavadores descansam as enxadas,

E cospem nas calosas mãos gretadas,

Para que não lhes escorregue o cabo.

 

Povo! No pano cru rasgado das camisas

Uma bandeira penso que transluz!

Com ela sofres, bebes, agonizas;

Listrões de vinho lançam-lhe divisas,

E os suspensórios traçam-lhe uma cruz!

(...)

Cesário Verde





publicado por omeuinstante às 21:44 | link do post

Domingo, 04.09.11

 

 

 Vendedora de Flores, 1942

 Diego Rivera ( 1886-1957)



publicado por omeuinstante às 17:02 | link do post

Quinta-feira, 15.07.10

A criação artística, na sua essência, procura ir além da realidade imediata, do quotidiano em que escavamos o nosso viver abstruso.

Nunca são apenas as respostas que me satisfazem; mas o seu processo de decifração.

Que razões profundas movem o artista?


Para quê tentar compreender a arte?

Acaso se tenta compreender o canto de uma ave?

Picasso




publicado por omeuinstante às 18:46 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Cristalizações

Vendedora de Flores

Aisthesis

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO