Domingo, 14.11.10

Dos Homens e dos Deuses é um filme premiado, do realizador Xavier Beauvais, sobre a Argélia dos anos 90.

Conta a história de oito monges cistercienses franceses que vivem em harmonia com a população muçulmana, até que a violência e o terror se instalam progressivamente.

Fala sobre a paciência dos dias - e das interferências permanentes, religiosas e políticas -  necessária para construir a Tolerância que leva ao Amor.

Um Filme sobre a radicalidade das perguntas que emergem das grandes  dúvidas... um questionamento das origens do Ser, do Homem.

Se a Fotografia é sumptuosa, a encenação é grandiosa. O resultado é um filme que tem tanto de Verdade como de Belo. Sublime.

As palmas que ecoaram, na sala, no final, são prenúncio da alegria que cada um guardará deste puro instante.

Depois há um Grande Silêncio; o re-conforto instala-se com as palavras de António Gedeão.


Eu, quando choro,
não choro eu.
Chora aquilo que nos homens
em todo o tempo sofreu.
as lágrimas são minhas
mas o choro não é meu.


A fita corre no King.





publicado por omeuinstante às 17:30 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Dos Homens e dos Deuses

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO