Sábado, 11.10.14

 

"eu disse que os professores mantêm-se; eu não disse manter-se-ão"!

 

"O ataque à escola pública, esse elevador social que Abril lançou, começou cedo. Em tempos de vender o que é de todos, de interesse estratégico, mesmo se dando lucro (caso dos CTT), a escola pública vai sendo esmagada a favor do colégio privado."



Ler mais: http://expresso.sapo.pt/crato-essa-revolucao-cultural=f893243#ixzz3FqHVtJcx




publicado por omeuinstante às 14:18 | link do post

Sexta-feira, 14.03.14

 

De acuerdo con Chomsky, la educación, de cualquier nivel, debe hacer todo lo posible para que los estudiantes adquieran la capacidad de inquirir, crear, innovar y desafiar. “Queremos profesores y estudiantes comprometidos en actividades que resulten satisfactorias, disfrutables, desafiantes, apasionantes. Yo no creo que sea tan difícil”.

“En un seminario universitario razonable, no esperas que los estudiantes tomen apuntes literales y repitan todo lo que tú digas; lo que esperas es que te digan si te equivocas, o que vengan con nuevas ideas, que abran caminos que no habían sido pensados antes. Eso es lo que es la educación en todos los niveles”, concluyó.

 

 

 

 

Aqui



publicado por omeuinstante às 12:39 | link do post

Quinta-feira, 27.06.13

 

Os balanços desta histórica jornada dos professores são diversos.

 

É evidente que a devastação a que têm estado sujeitos o sistema escolar e o estatuto profissional dos professores já tem uns anos e ficou intocável (não os vou enumerar pela centésima primeira vez e desculpem-me).

 

Como sempre se disse, o denominador comum entre os professores é forte (se calhar até diminuíram os motivos de desunião e estamos numa fase elevada de coesão) e isso é um importante aviso às navegações do presente e do futuro. Há os que entendem que as greves deviam continuar até se atingir o cume, embora achem que o prolongamento desta semana seja escusado e que apenas serve a estratégia da CGTP na luta contra o Governo e estas políticas. Regista-se a contradição. Na minha opinião, teriam terminado no momento do entendimento para vincar bem a vitória dos professores e a greve geral de 27 é já outro assunto onde milhares de professores não terão sequer serviço distribuído (e que me desculpem os sobrecarregados correctores de exames).

 

Perguntam-me: mas terminar sem as questões fundamentais resolvidas? Tendo em conta as circunstâncias, é mais do que razoável. Bem sei que se eliminou a memória, mas nunca pensei que já nem um mesito ou dois se conseguisse recuar.

 

Senão vejamos: alguém duvida que os professores do quadro teriam uma mobilidade de 200 kms com escolha da escola por parte da administração central? Alguém duvida que a componente lectiva ia ser aumentada em 2 ou 3 horas com a passagem para 40 horas e que existiria uma exclusão lectiva das direcções de turma? Alguém duvida que os professores com mais idade ficariam sem a justa redução da componente lectiva (a legalidade com este Governo já se sabe o que é)? Alguém duvida que as eufemísticas requalificacões se aplicariam já em Setembro como ante-câmara do despedimento de milhares de professores (e de mais fugas para a reforma com brutais penalizações) que se somariam à tragédia de mais uma vaga de desemprego para milhares de professores contratados?

 

O que se conseguiu foi pouco? Se se renovou a esperança de milhares de contratados e se se atenuou a dor de milhares de professores do quadro, não foi pouco não. Sim, é pena como disse Wittgenstein, que a linguagem não transmita literalmente a dor. Às tantas, e como alguém disse, a esmagadora adesão dos professores deveu-se ao facto de ninguém se sentir a salvo. Que seja. É também, e por incrível que pareça, um excelente sinal para o futuro da resistência do grupo profissional a que me orgulho de pertencer (e se pertencesse a outro teria decerto o mesmo sentimento).


Correntes



publicado por omeuinstante às 14:39 | link do post

Quarta-feira, 19.06.13


O que está em causa é demasiado importante para deixarmos o campo livre para aqueles que apenas pretendem mascarar os factos com argumentos não fundamentados mas apresentados com tamanha certeza discursiva que até quase nos fazem esquecer que estamos perante simples pre(con)ceitos ideológicos. Seja repetir até à exaustão a “Defesa da Escola Pública” como se explicasse tudo, seja usar até à náusea as fórmulas do “Vivemos acima das nossas possibilidades” e “Não há dinheiro” para justificar os cortes em sectores básicos das funções sociais do Estado enquanto permanecem os sorvedouros financeiros de contratos com interesses privados.


Artigo de Paulo Guinote



publicado por omeuinstante às 23:07 | link do post

Sábado, 27.04.13

 

Ainda esta semana, na secretaria da escola, fui prontamente corrigida ao designar o grupo disciplinar em que lecciono: - Não professora, 410.

O fim das escolas

 

Um texto, oportuno, onde, através de um jogo de linguagem, se pensa a Escola e os seus desafios actuais.



publicado por omeuinstante às 18:01 | link do post

Sábado, 02.02.13

Caldas da Rainha: em defesa da escola pública

Aqui

 



publicado por omeuinstante às 18:01 | link do post

Quinta-feira, 13.12.12

 

Los Derechos Sociales- FB



publicado por omeuinstante às 12:52 | link do post

Quarta-feira, 05.12.12

Ninguém compreende mas alguns entendem o apagão (previsto) do dia seguinte. E como a sombra cresce sob as asas do poder...

 

 

Aqui

 



publicado por omeuinstante às 12:11 | link do post

O despacho normativo n.º 24/2012 prevê-se explicitamente o direito de formulação do pedido de escusa da função de avaliador externo. É o n.º 4, do Art.º 5, que consagra esse direito:


«4 — Ao docente que, por qualquer razão, não esteja interessado em desempenhar as funções de avaliador externo da dimensão científica e pedagógica no âmbito da avaliação do desempenho docente, assiste o direito de apresentar pedido de escusa da função através de pedido fundamentado ao diretor-geral da Administração Escolar» 


Aqui


publicado por omeuinstante às 11:23 | link do post

Quinta-feira, 22.11.12

Depois do dia em verso, o inverso:

A criação dos chamados mega-agrupamentos. Mais uma etapa da gestão caótica que invade o sistema escolar.

Diz o Conselho Nacional de Educação: O reforço da centralização burocrática dentro dos agrupamentos, o aumento do fosso entre quem decide e os problemas concretos a reclamar decisão, a sobrevalorização da gestão administrativa face à gestão autónoma das vertentes pedagógicas, tem vindo a criar problemas novos onde eles não existiam.


Pois, sabíamos, sabemos: um modelo organizacional falho e pernicioso.
 



publicado por omeuinstante às 14:49 | link do post

Segunda-feira, 01.10.12

Chegámos a um ponto perigoso: damos como relativamente normal que o extravagante, o bizarro, o esdrúxulo e o grotesco entrem no nosso quotidiano e se tornem dominantes. No âmbito do excêntrico, o ministério da Educação é um arquétipo.


Aqui, artigo completo.

 



publicado por omeuinstante às 19:40 | link do post

Segunda-feira, 23.07.12

Atacar os professores é não mais do que atacar a escola no seu todo, a instrução, o ensino, a possibilidade de transmitir conhecimentos e de acordar ou alimentar espíritos críticos, atentos, capazes de ver para além do imediatamente visto.

E isto interessa a quem não quer ser atacado, a quem, podendo desmedidamente mandar, faz acontecer o seu poder de forma cega, cegando quem interessa mandar.
Podem propagandear toda a pseudopedagogia domingueira que quiserem: se atacar os professores, os alunos e, no fundo, a Escola toda, não é exercer a ditadura, então o que é exercer a ditadura?

 

João Coelho (Comentário ao post Guardiões do Presente)



publicado por omeuinstante às 19:31 | link do post

Domingo, 22.07.12

Artigo de José Luís Peixoto, publicado na revista Visão de 13 de Outubro de 2011:

Um ataque contra os professores é sempre um ataque contra nós próprios, contra o nosso futuro. Resistindo, os professores, pela sua prática, são os guardiões da esperança.


Em sintonia. Guardiões do presente, sem ele não há futuro.


Aqui 



publicado por omeuinstante às 16:06 | link do post

Terça-feira, 03.07.12

Alunos dos tempos modernos: um termina a licenciatura ao Domingo; outro faz o curso num ano. Cada vez se percebe melhor a coerência desta gente: Escola para quê? Encerrem-nas! Encerram-as. Todos os dias. O Ministro Crato que se cuide, um dia destes acorda com o estatuto de professor com horário zero.

Deprimente. Apetece-me o sossego, pois "Quietos fazemos as grandes viagens".



publicado por omeuinstante às 23:56 | link do post

Segunda-feira, 02.07.12

 Vivemos numa sociedade a que Mumford chamou de "megamáquina". Neste tipo de sociedade, regida por princípios contrários a uma visão humanística, as funções do governo são delegadas em aglomerados imensos, uma máquina centralmente dirigida, onde, a longo curso, as pessoas passam a existir sem capacidade crítica, tornam-se fracas, passivas e anseiam por um dirigente que "saiba" o que fazer. Neste momento, em Portugal, o modelo burocrático ganha raízes nas escolas. 


Esta máquina, tal como um automóvel, funciona praticamente por si só. A pessoa que se encontra por detrás só tem que meter as mudanças, conduzir e travar, prestando atenção a alguns pequenos detalhes: aquilo que no carro ou noutra máquina representam as várias rodas, na "megamáquina" são os muitos níveis de administração burocrática. Até um indivíduo de inteligência medíocre pode facilmente dirigir um Estado, a partir do momento em que se encontre no lugar do poder. 


(Adaptado de Ter ou Ser, Erich Fromm)

 



publicado por omeuinstante às 20:15 | link do post

Domingo, 24.06.12

Reverberações de um Domingo quase verão: é urgente proteger o exercício da profissão docente. 



publicado por omeuinstante às 18:10 | link do post

Sexta-feira, 23.03.12

Na Antiguidade clássica, os primeiros mestres, itinerantes, foram vistos de forma misteriosa e escutados em silêncio sabedor. Hoje, os silêncios são de outra natureza.
Encimei o post com um título respigado no blogue De Rerum Natura.
 

Aqui  e Aqui



publicado por omeuinstante às 18:19 | link do post

Quarta-feira, 26.10.11

Aquém de tudo o que resta: desclientelizar Portugal.



publicado por omeuinstante às 15:42 | link do post

Quinta-feira, 22.09.11

Montaigne, fidalgo pensador do século XVI, oferece-nos no seu jeito irónico a seguinte passagem: 

Quando os Godos saquearam a Grécia, o que salvou as bibliotecas de serem incendiadas foi ter um deles espalhado a ideia de que era preciso deixar intacto aos inimigos o motivo que os afastava dos exercícios militares e os distraía com ocupações sedentárias e ociosas. 

 Montaigne, Três Ensaios, Passagens, p.29



publicado por omeuinstante às 17:54 | link do post

 Proposta de um modelo educativo. Sintomas de vida.


Curva-te apenas para amar.

 

 René Char



publicado por omeuinstante às 10:11 | link do post

Domingo, 26.06.11

Aquele que genuinamente ensina é um indicador de caminhos;
se àquele que aprende apraz, de facto, a verdade,
Basta-lhe apenas um aceno,
Para levá-lo a encontrar o que procura.

Novalis, Fragmentos Logológicos 



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Segunda-feira, 18.04.11

Segundo o modelo, todo o professor excelente deveria ser um rigoroso planificador. Um rigoroso planificador das actividades que pretende desenvolver, dos meios e recursos que pretende utilizar e dos tipos de avaliação que pretende realizar. A ênfase que é atribuída, no modelo revogado, ao rigor «planificador» do docente, quase faz supor que é mais importante a planificação do que o próprio acto de ensinar e do que o próprio processo de ensino-aprendizagem. Ora, uma coisa é um plano de aula em que o professor tem de saber o que vai fazer (ou o que pretende que se faça) e como vai fazer (ou como pretende que se faça), outra coisa é pretender-se transformar esse plano de aula numa detalhada planificação que condiciona o acto de ensinar e o acto de aprender a uma sucessão de comportamentos previamente delineados.
O acto de ensinar deve ser planeado, mas não deve ser burocratizado. E deve ser planeado segundo o modo que a experiência do professor o ditar e segundo o modo que a necessidade da turma o aconselhar.

 

Publicado por Mário Carneiro

 

 

 



publicado por omeuinstante às 15:18 | link do post

Terça-feira, 15.02.11

Concordo. Esta Avaliação, Não.

Leia aqui.



publicado por omeuinstante às 22:04 | link do post

Sábado, 05.02.11

Haverá alturas em que nada podemos fazer para impedir a injustiça,
mas nunca poderá haver uma altura em que desistimos de protestar.

 

Elie Wiesel



publicado por omeuinstante às 10:15 | link do post

O mundo está nervoso e já não me sinto lá muito bem neste caminho estreito.



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Quinta-feira, 02.12.10

O momento histórico que vivemos salienta a educação para a cidadania como tarefa fundamental para regenerar a cultura política das sociedades democráticas.



publicado por omeuinstante às 19:08 | link do post

Sexta-feira, 19.11.10

 

 

 

Exame de Filosofia vai ser reposto no ensino secundário



publicado por omeuinstante às 11:56 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Grau Zero

Hace falta enseñar a pens...

Do Entendimento - 2013

Da mobilidade especial às...

Unidades Orgânicas

Movimentos

Razões de Um Mundo Menor

Apagão

Avaliação Docente - Prova...

O Inverso

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO