Sexta-feira, 26.04.13

 


Em O Amigo, Agamben apresenta-nos o heteros autos como alteridade imanente na mesmidade e define a amizade nos limites da con-partilha. Não há na amizade nenhuma relação entre sujeitos: é o próprio ser que é dividido, que não é idêntico a si, e o eu e o amigo são as duas faces - ou antes os dois pólos - desta con-partilha. Tendo como pré-texto um trecho da Ética Nicomaqueia de Aristóteles e depois de termos sido convidados a fazer a leitura em conjunto, Agamben discursa sobre a relação humana da amizade e sobre as bases ontológicas e políticas em que se auto-sustenta.


A amizade é a instância desse con-sentimento da existência do amigo no sentimento da sua própria existência.





publicado por omeuinstante às 20:09 | link do post

Sexta-feira, 29.03.13

Entrevista com Giorgio Agamben

 

 

 Aqui



publicado por omeuinstante às 12:19 | link do post

Sexta-feira, 30.07.10

Agamben é um pensador instigante.

Obriga o pensamento a curvar-se até às raízes para encontrar os sentidos da palavra guardados em segredo.

Estica as palavras, por inclusão ou exclusão, mas sempre por excesso.

Nudez é um conjunto de ensaios sobre a contemporaneidade - nua - onde os conceitos de belo, festa, ócio, lúdico, vão sendo cerzidos por uma escrita que viaja entre a metafísica (pós-metafísica) e os costumes.

Aqui o homem é reduzido à sua autenticidade, à sua vida nua;  e o instante é soberano.

 

Por detrás da veste de graça pressuposta, nada há e a nudez é precisamente este nada ter por detrás de si, este ser pura visibilidade e presença.

Giorgio Agamben, Nudez, Relógio D´Água

 

 

 



publicado por omeuinstante às 20:00 | link do post

Quarta-feira, 28.07.10

Em toda a lamentação, o que se lamenta é a linguagem, assim como todo o louvor é, antes de mais, louvor do nome. Estes são os extremos que definem o âmbito e a vigência da língua humana, e o seu modo de se referir às coisas. Aí, onde a natureza se sente atraiçoada pela significação, começa a lamentação; onde o nome diz perfeitamente a coisa, a linguagem culmina no canto de louvor, na santificação do nome.

Giorgio Agamben, A Comunidade que Vem, Presença, 1993, tradução de António Guerreiro, pp 48.


Agamben convida-nos a fazer parte de uma comunidade sem pressupostos, sem reivindicações identitárias e formada por singularidades - um ser qualquer -  onde se escape à alienação da linguagem.

Aqui, as palavras não são levadas a um estado de esgotamento através da sua "declinação"; não morrem de fadiga.

Na comunidade que vem, resiste-se ao fascínio de proferir o que quer que seja de maneira absoluta; o ser é o ser-assim; perfeitamente comum.





publicado por omeuinstante às 18:40 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

O Amigo - Agamben

Deus não morreu. Ele torn...

Nudez

Pseudonímia

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO