Sábado, 12.03.16

 

Mas de onde vem esta manhã que, apesar de tudo,
não nos abandona? Somos privilegiados.

 

Gonçalo M. Tavares, Uma Viagem à Índia



publicado por omeuinstante às 18:31 | link do post

Segunda-feira, 28.12.15

A Água


No café trazem-me um copo com água
como se ele resolvesse todos os meus problemas.
É ridículo — penso — não há saída.
No entanto, depois de beber a água
fico sem sede.
E a sensação exclusiva do organismo
acalma-me por momentos.
Como eles sabem de filosofia — penso —
e regresso, logo a seguir, à angústia.

Gonçalo M. Tavares



publicado por omeuinstante às 19:00 | link do post

Sábado, 16.11.13

 

Canto I

 

49

Não é por acaso que não consegues, por mais que tentes,

atingir em cheio o dia - qualquer que ele seja - 

como se faz às baleias com um arpão.

Os dias têm um invólucro espesso,

uma armadura do material mais resistente que existe:

tudo aquilo de que não se sabe onde está o centro

está seguro.

Assim são os nossos dias que bem queríamos aniquilar

com um arpão. Baleia absurda, sem corpo,

o tempo.

 

Uma Viagem à Índia, Gonçalo M. Tavares, Caminho, pág. 46


 



publicado por omeuinstante às 17:19 | link do post

Quarta-feira, 13.03.13


                        Canto V - 60

Mas não sejamos pessimistas. Até os pintores

dizem estar a surgir, por estes tempos,

um cesto cheio de novas cores.

Certos tratamentos químicos contemporâneos têm sido

experimentados à luz do sol,

e esta parece finalmente perceber o progresso.

Em pleno século XXI já não fazem sentido astros teimosos

e autónomos.


Gonçalo M. Tavares, Uma Viagem À Índia, Caminho, pág 229.



publicado por omeuinstante às 00:05 | link do post

Domingo, 06.01.13

Artigo de Gonçalo M. Tavares

A bondade salva cada vez menos, e isso assusta. No mundo de paisagem técnica em que os elementos naturais estão escondidos - quase já não há montanha, nem terra - cada vez mais, salva quem sabe onde ligar ou desligar a electricidade; aquele que sabe mexer nos comandos da casa das máquinas. 

 



Aqui



publicado por omeuinstante às 17:00 | link do post

Sábado, 28.07.12

Se na água um açúcar fraco se dissolve,

já num corpo de homem as histórias mantêm-se

num sítio do organismo que guarda as narrativas
(vamos supor que existe).

Nada se perde, nada se ganha; tudo é empate

como nos maus jogos. Porém, a memória não é assim

- quem relembra inventa: tudo começa de novo.

 

Gonçalo M. Tavares, Uma Viagem à Índia, Caminho, pág. 120 



publicado por omeuinstante às 19:17 | link do post

Segunda-feira, 14.05.12

Não procures uma multidão sincera

porque tal não existe.
Quando numerosos, os homens, os animais,

as plantas, as pedras e até as máquinas

perdem a higiene do raciocínio individual;

e, se abrem a janela que dá para o jardim,

é para cuspir, nunca para te dizer adeus.

Gonçalo M. Tavares, Uma Viagem à Índia, Caminho, pp 84-85 



publicado por omeuinstante às 09:00 | link do post

Quarta-feira, 14.12.11

Porque o bosque é tranquilo,

(como se tivesse sido organizado por 

um poeta chinês antigo.) Ramos castanhos

recebem o vento incolor com a alegria

da tela que recebe as mais intensas tintas.

Vento tão lento que parece um provérbio natural. Os instantes existem, 

mas parecem recuperáveis. Nem o tempo se perde, ali,

onde nenhum ruído da cidade entra.

 

Gonçalo M. Tavares, Uma Viagem à Índia, Caminho, p.386



publicado por omeuinstante às 18:01 | link do post

Segunda-feira, 24.10.11

O medo, neste século, já não é um produto artesanal.

Os aviões bombardeiros

- ou, em tempo de paz, as falências imprevistas-

impressionam pela tecnologia posta em acção.
Hoje, passa-se fome de modo bem mais moderno

do que no século XVIII, por exemplo.

 

Gonçalo M. Tavares, Uma Viagem à Índia, Caminho, p. 155



publicado por omeuinstante às 09:00 | link do post

Domingo, 05.12.10

De que é feito um país cobarde?

Bloom responde: é feito de muitos homens corajosos.

 

Gonçalo M. Tavares, Uma Viagem à Índia, Caminho, p177



publicado por omeuinstante às 18:43 | link do post

Domingo, 31.10.10

Um canto - tal como um conto -, pode ser sempre re-contado. O canto camoniano permite leituras marginais face à matéria épica narrada. O Texto de Gonçalo M. Tavares envolve o pensamento no mesmo exercício.

 

A questão é que um país já nem

se preocupa se fabrica ou não poetas.

E até a própria fábrica não tolera restos:

toda a matéria deverá ser aproveitada,

como uma prostituta hábil aproveita todos os recantos

do seu corpo. Os países perderam estilo,

ganharam accionistas.

 

Gonçalo M. Tavares, Uma Viagem à Índia, Prefácio de E. Lourenço, Caminho, 1ª edição, canto IV, p 175



publicado por omeuinstante às 18:23 | link do post

Terça-feira, 26.10.10

A propósito do livro de Gonçalo M. Tavares, Uma Viagem à Índia, Eduardo Lourenço, no Prefácio, diz:

 

“Uma Viagem à Índia, com consciência aguda da sua ficcionalidade, navega e vive entre os ecos de mil textos-objecto do nosso imaginário de leitores. Como todos os grandes livros, e este é um deles." E "que todas as viagens são sempre um regresso ao passado de onde nunca saímos".


Gonçalo M. Tavares parte de um grande objecto ficcional e relata-nos a viagem existencial de um homem.

Todas as viagens são um regresso à Índia. À nossa infância.

A ler.



publicado por omeuinstante às 21:04 | link do post

Quinta-feira, 16.09.10

Conta os teus dedos,

quantos dedos?

cinco, responde Mylia

vês?, diz Witold, tens a mão toda.

falta a mão, insiste Mylia.

Gonçalo M. Tavares, Jerusalém



publicado por omeuinstante às 13:00 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Fragmentos

Límpida

Uma Viagem à Índia

Uma Viagem À Índia

A bondade salva cada vez ...

Uma Viagem À Índia

Uma Viagem à Índia

Canto IX

Razões de Um Mundo Menor

Sensatez

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO