Domingo, 07.10.12

Quem Poderá Calcular a Órbita da sua Própria Alma?

As pessoas cujo desejo é unicamente a auto-realização, nunca sabem para onde se dirigem. Não podem saber. Numa das acepções da palavra, é obviamente necessário, como o oráculo grego afirmava, conhecermo-nos a nós próprios. É a primeira realização do conhecimento. Mas reconhecer que a alma de um homem é incognoscível é a maior proeza da sabedoria. O derradeiro mistério somos nós próprios. Depois de termos pesado o Sol e medido os passos da Lua e delineado minuciosamente os sete céus, estrela a estrela, restamos ainda nós próprios. Quem poderá calcular a órbita da sua própria alma?
 

Oscar Wilde, De Profundis



publicado por omeuinstante às 19:14 | link do post

Sábado, 20.08.11

Escolho os meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. 

 

Oscar Wilde



publicado por omeuinstante às 17:13 | link do post

Terça-feira, 22.03.11

Por detrás da alegria e do riso, pode haver uma natureza vulgar, dura e insensível. Mas, por detrás do sofrimento, há sempre sofrimento. Ao contrário do prazer, a dor não tem máscara.

 

Oscar Wilde



publicado por omeuinstante às 15:00 | link do post

Segunda-feira, 07.02.11

Troquemos de país, e tudo fica no seu lugar.

 

Pensar é a actividade menos saudável do mundo, e as pessoas morrem disso como de qualquer outra doença. Afortunadamente, em Inglaterra o pensamento não é contagioso. Somos um povo são e de aparência esplêndida, e isso deve-se inteiramente à estupidez nacional.

 

Oscar Wilde, O declínio da Mentira, Passagens, p.17



publicado por omeuinstante às 11:00 | link do post

Domingo, 06.02.11

Como um  Elogio à Cidade

 

Se a natureza fosse confortável, a arquitectura nunca teria sido inventada (...).

Fora de Portas, tornamo-nos abstractos, impessoais, perdemos inteiramente a individualidade, e então não podemos contar com a natureza para nada: é tão indiferente, tão insensível.

 

Oscar Wilde, O declínio da Mentira, Passagens, p.17



publicado por omeuinstante às 11:00 | link do post

Sábado, 16.10.10

Adoro as coisas simples. Elas são o último refúgio de um espírito complexo.

Oscar Wilde



publicado por omeuinstante às 22:58 | link do post

Terça-feira, 17.08.10

Censuro-me por ter permitido que uma amizade não intelectual, uma amizade cujo fim primeiro não foi a criação e contemplação das coisas belas, dominasse inteiramente a minha vida.

Oscar Wilde, De profundis, Relógio D`Agua, Tradução Maria Célia Coutinho, 2001, pp 11



publicado por omeuinstante às 22:30 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Órbita da Alma

Tonalidades

Como Verdade

Da Aparência

Contra-Natura

Refúgio

fragmentos 04

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO