Segunda-feira, 21.11.11

Sócrates - (...) Mas aquilo a que eu chamo retórica é a parte de um todo que não pertence ao número das coisas belas.

Górgias - Parte de quê,  Sócrates? fala, sem receio de me ofender.

Sócrates - Penso, Górgias, num género de ocupação que nada tem de científico e que exige um espírito intuitivo e empreendedor, por natureza apto para o convívio com as pessoas. Dou-lhe o nome geral de adulação.

 

Platão, Górgias, Ed 70 

 



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Segunda-feira, 24.10.11

Platão, escritor de fina ironia, apresenta, ao longo da sua vasta obra, o pensador como um artista. Não admira. Foi invulgarmente dotado para a representação dramática e para a comédia. Sem surpresa, portanto, o Diálogo, como forma de investigação racional; e de exposição das Ideias. Entretanto, pelo caminho, na República, conflitua com os poetas.
 



publicado por omeuinstante às 14:41 | link do post

Quinta-feira, 21.07.11

Sob a aparente simplicidade, a pergunta de Platão sobre "O que é?" esconde a complexa problemática acerca do Saber.
Ora, em Platão, o Saber é a finalidade única duma vida digna, só ele institui um projecto de educação dos cidadãos. 

 

A virtude é saber, diz Platão.

 


 



publicado por omeuinstante às 18:33 | link do post

Terça-feira, 10.05.11

A justiça existirá apenas onde aqueles não afectados pela injustiça se encherem da mesma indignação que os ofendidos.

 

 

Platão



publicado por omeuinstante às 21:07 | link do post

Terça-feira, 26.10.10

Um homem escravo das suas paixões não pode ser amado nem pelos outros nem pelos deuses. Ele é incapaz de ter interesses comuns com os demais e, sem interesses comuns, não pode haver amizade.

Platão, Górgias



publicado por omeuinstante às 19:21 | link do post

Sexta-feira, 08.10.10

O tempo é a imagem móvel da eternidade.

Platão



publicado por omeuinstante às 19:11 | link do post

Quarta-feira, 06.10.10

O vocábulo "música" designava para os gregos, não só a música propriamente dita, mas todas as belas-artes, assim como a cultura do espírito em geral.

Platão esclarece no Fédon (Prólogo), esta questão:

 

No curso da minha vida, tinha sido, com frequência, visitado por um sonho, hoje sob uma forma, amanhã sob outra, o qual me aconselhava constantemente a mesma coisa: Ó Sócrates, dizia ele, trata de cultivar a música e dedica-te a isso. Ora eu julgava que àquilo, que na vida passada tinha feito, me exortava e incitava o sonho. Semelhante aos que animam os corredores, assim ele, na minha opinião, me animava também a prosseguir o que tinha principiado - a dedicar-me à música, pois não existe música, pensava eu, mais excelente que a filosofia, à qual eu me dedico.



publicado por omeuinstante às 12:00 | link do post

Segunda-feira, 04.10.10

Sócrates (470/469-399 a. C), dialogava na praça pública, questionando os homens sobre o seus saberes. Por isso, representou uma forte ameaça ao governo ateniense, pelo qual foi julgado e condenado à morte: por adorar novos deuses e corromper a juventude da Cidade.

Alguns excertos- algo irónicos- da defesa de Sócrates, no tribunal:

 

Que mereço eu pagar ou sofrer, por não ter aprendido a ficar quieto na vida, descurando aquilo com que as gentes se preocupam: riqueza, propriedades, postos militares, honras públicas e outros lugares de chefia, além de grupos e facções políticas, que continuam a crescer na cidade. (...)

 

(...) o maior bem que pode haver para um homem é, todos os dias, discorrer sobre a excelência e sobre outros temas acerca dos quais me ouvíeis dialogar, investigando-me a mim e aos outros. (...) uma vida sem pensar não é digna de ser vivida por um homem(...).

 

(...) fui apanhado em dificuldades, não de palavras, decerto, mas de ousadia e desvergonha e falta de vontade de vos dizer aquelas coisas que mais vos agradaria ouvir. (...) Mas, por estar em perigo, não julguei necessário fazer algo indigno de um homem livre, nem agora me arrependo de me ter defendido assim, pois prefiro morrer com essa defesa a viver com a outra.

Platão, Apologia de Sócrates



publicado por omeuinstante às 19:40 | link do post

Quarta-feira, 29.09.10

A verdade, o mais belo nome da realidade, é uma vagabundagem divina.

Platão

 




publicado por omeuinstante às 18:12 | link do post

Terça-feira, 14.09.10

O mito de Orfeu exerce forte atracção no imaginário da cultura ocidental.

Encontramos vestígios deste mito na música -  Montiverdi, Offenbach, Liszt, Casella, Stravinsky - e no cinema.

Na pintura, o poeta Apollinaire criou o termo cubismo órfico influenciando pintores como Delaunay, Picabia e Duchamp.

Orfeu, ao que sabemos, foi um poeta de grande habilidade musical e um mestre do encantamento.

Mas é Platão que o eleva, ainda na época clássica, a figura principal.

Tantos trabalhos passou Orfeu para trazer Eurídice do Hades. Mas olhou para trás; para o corpo, para o sensível. Perdeu-se.

Começa aqui a compreensão da obra Fédon de Platão.



publicado por omeuinstante às 22:53 | link do post

Quinta-feira, 09.09.10

Como Platão nos diz no Teeteto, a recompensa dos homens que gostam de filosofar encontra-se na vida que levam.



publicado por omeuinstante às 14:49 | link do post

Segunda-feira, 23.08.10

Vale mais sofrer a injustiça do que cometê-la.

Sócrates



publicado por omeuinstante às 13:39 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Adulação

Do Estilo

O Que É?

Fragmentos

Autófago

Temporalidade

Belas-Artes

Apologia

Vagabundagem

Orfeu

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO