Terça-feira, 04.12.12

Sobre a lucidez de Saramago; e do riso (secreto e audível) que a envolve.

 

Penso que não cegamos, penso que estamos cegos. Cegos que vêem, cegos que, vendo, não vêem.



publicado por omeuinstante às 14:40 | link do post

Quarta-feira, 25.01.12
A crítica como atenção ao presente. Palavras que fotografam a alma. Saramago e Sebastião Salgado.


publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Quarta-feira, 31.08.11

É tão fundo o silêncio entre as estrelas.
Nem o som da palavra se propaga,
nem o canto das aves milagrosas.
Mas, lá, entre as estrelas, onde somos
um astro recriado, é que se ouve
o íntimo rubor que abre as rosas.

José Saramago



publicado por omeuinstante às 11:24 | link do post

Quarta-feira, 30.03.11

Na ilha por vezes habitada

Na ilha por vezes habitada do que somos, há noites,
manhãs e madrugadas em que não precisamos de
morrer.
Então sabemos tudo do que foi e será.
O mundo aparece explicado definitivamente e entra
em nós uma grande serenidade, e dizem-se as
palavras que a significam.
Levantamos um punhado de terra e apertamo-la nas
mãos.
Com doçura.
Aí se contém toda a verdade suportável: o contorno, a
vontade e os limites.
Podemos então dizer que somos livres, com a paz e o
sorriso de quem se reconhece e viajou à roda do
mundo infatigável, porque mordeu a alma até aos
ossos dela.
Libertemos devagar a terra onde acontecem milagres
como a água, a pedra e a raiz.
Cada um de nós é por enquanto a vida.
Isso nos baste.

José Saramago



publicado por omeuinstante às 12:44 | link do post

Domingo, 27.03.11

Olharei a tua sombra  se não quiseres que te olhe a ti, diz Maria Madalena, e Jesus Cristo responde: quero estar onde a minha sombra estiver, se lá é que estiverem os teus olhos.

 

Pública, 27.03.11, p. 26



publicado por omeuinstante às 14:37 | link do post

Quinta-feira, 24.02.11

Espaço curto e finito

Oculta consciência de não ser,
Ou de ser num estar que me transcende,
Numa rede de presenças
E ausências,
Numa fuga para o ponto de partida:
Um perto que é tão longe,
Um longe aqui.
Uma ânsia de estar e de temer
A semente que de ser se surpreende,
As pedras que repetem as cadências
Da onda sempre nova e repetida
Que neste espaço curvo vem de ti.

José Saramago



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Segunda-feira, 24.01.11

(Duomo de Florença)

 

Neste mundo de injustiça globalizada, sabe bem recordar as últimas palavras do texto lido por Saramago na cerimónia de encerramento do Fórum Social Mundial 2002. Saramago conta-nos a história do camponês de Florença que no século XVI tocou, melancolicamente, o sino da igreja pela justiça, porque, dizia ele, a Justiça está morta.

 

Não tenho mais que dizer. Ou sim, apenas uma palavra para pedir um instante de silêncio. O camponês de Florença acaba de subir uma vez mais à torre da igreja, o sino vai tocar. Ouçamo-lo, por favor.





publicado por omeuinstante às 17:27 | link do post

Quinta-feira, 02.12.10


Fotografia de Fernando Ribeiro (2010) Chaves

 

Há na memória um rio onde navegam 
Os barcos da infância, em arcadas 
De ramos inquietos que despregam 
Sobre as águas as folhas recurvadas. 

Há um bater de remos compassado 
No silêncio da lisa madrugada, 
Ondas brancas se afastam para o lado 
Com o rumor da seda amarrotada. 

Há um nascer do sol no sítio exacto, 
À hora que mais conta duma vida, 
Um acordar dos olhos e do tacto, 
Um ansiar de sede inextinguida. 

Há um retrato de água e de quebranto 
Que do fundo rompeu desta memória, 
E tudo quanto é rio abre no canto 
Que conta do retrato a velha história. 



 

Saramago, Retrato do Poeta quando Jovem, in Os Poemas Possíveis, Caminho, Lisboa, 1981, 3ª edição



publicado por omeuinstante às 14:06 | link do post

Quarta-feira, 25.08.10

Da antropologia à ontologia resvalamos para arquitecturas que definem e delimitam o emaranhado de questões  que o Homem coloca sobre si mesmo.

Há espaços, que percorremos, com trilhos para ilhas desconhecidas.

Desconcertantes. Mas abrem possibilidades.

Percorra-as. aqui.



publicado por omeuinstante às 20:31 | link do post

Terça-feira, 24.08.10

As palavras são boas. As palavras são más.
As palavras ofendem. As palavras pedem desculpa. As palavras queimam.
As palavras acariciam. As palavras são dadas, trocadas, oferecidas, vendidas e inventadas.
As palavras estão ausentes. Algumas palavras sugam-nos, não nos largam: são como carraças: vêm nos livros, nos jornais, nos slogans publicitários, nas legendas dos filmes, nas cartas e nos cartazes. As palavras aconselham, sugerem, insinuam, ordenam, impõem, segregam, eliminam.
São melífluas ou azedas.
O mundo gira sobre palavras lubrificadas com óleo de paciência.
Os cérebros estão cheios de palavras que vivem em boa paz com as suas contrárias e inimigas.
Por isso as pessoas fazem o contrário do que pensam, julgando pensar o que fazem.

(...)

Há também o silêncio.

(...)

Saramago, Deste Mundo e do Outro



publicado por omeuinstante às 13:11 | link do post

Quarta-feira, 14.07.10

Rui Rio recusa o nome de Saramago para uma rua do Porto.

Nada melhor do que um piscar de olhos a Einstein.

 

É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito.



publicado por omeuinstante às 19:09 | link do post

Sexta-feira, 18.06.10

Ontem, por volta das 23 horas, lembrei-me de Saramago. 

 

As palavras são boas. As palavras são más. As palavras ofendem. As palavras pedem desculpas. As palavras queimam. As palavras acariciam. As palavras são dadas, trocadas, oferecidas, vendidas e inventadas. As palavras estão ausentes. (...) As palavras aconselham, sugerem, insinuam, ordenam, impõem, segregam, eliminam. São melífluas ou azedas. (...) Há muitas palavras.(...)

 

A morte faz-me sempre recuar no tempo. E lembrei-me de outro prémio Nobel da Literatura, Ernest Hemingway. Peguei na velha edição "livros do Brasil". Numa espécie de introdução à obra pode ler-se:

 

(...) A morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do género humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti.

 

Hoje é por ti, José Saramago.



publicado por omeuinstante às 20:46 | link do post

 

A obra de Saramago contribui para o combate da "cegueira" que atravessa a sociedade portuguesa.

 

Acho que na sociedade actual nos falta filosofia. Filosofia como espaço, lugar, método de refexão, que pode não ter um objectivo determinado, como a ciência, que avança para satisfazer objectivos.

Falta-nos reflexão, pensar, precisamos do trabalho de pensar, e parece-me que, sem ideias, não vamos a parte nenhuma.



publicado por omeuinstante às 18:14 | link do post

Em pleno século XVIII, reinado de D. João V, e sob a opressão do Santo Ofício, é construído o Convento de Mafra.  E aqui nasce O Memorial do Convento.

Neste romance histórico, há personagens com uma densidade e riqueza inesquecíveis:

 Blimunda sete-luas: a que em jejum vê o íntimo ( a alma) das pessoas;

Bartolomeu Lourenço: o padre que queria voar;

Baltasar sete-sóis: aquele que constrói a passarola.

São personagens densas, repletas de possibilidades, que nos remetem para os vários níveis da literatura. Há neles poesia e ética; há estética; há política; há, portanto, filosofia.

Na obra saramaguiana, os anónimos e as mulheres fazem a História.

Cumpriste Saramago. Desassossegaste os teus leitores.



publicado por omeuinstante às 17:48 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

A sério e a brincar

Compreensão- Saramago

Íntimo Rubor

Como Uma Raiz

Do olhar

Um Longe Aqui

O Camponês de Florença

Recurvo

Insùla

Fragmentos 07

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO