Terça-feira, 12.03.13

 

O primeiro grande símbolo do romance A Montanha Mágica: o título, que Thomas Mann retira de O Nascimento da Tragédia.

"Agora a montanha mágica do Olimpo como que se nos abre e mostra as suas raízes. O grego conheceu e sentiu os pavores e horrores da existência: para poder não mais que viver, precisou conceber a resplandecente criatura onírica dos olímpicos.”

A montanha, símbolo da situação do homem perante a morte?


Interpretações... Mas q
uando Hans Castorp ouve A Tília, uma canção de Schubert, compreende que é a morte que se encontra por detrás de tão notável beleza.

 



publicado por omeuinstante às 20:08 | link do post

Domingo, 10.03.13


Acabei de ouvir a sentença proferida por Junker: " Os demónios de uma guerra europeia estão apenas a dormir"

Perante tal afirmação, e sob o céu chuvoso e turbulento, reservo a noite à leitura de A Montanha Mágica. Alguns críticos, curiosamente,  interpretam o romance como um momento de reflexão sobre o destino da cultura europeia (Europa pré-Segunda Guerra Mundial).



publicado por omeuinstante às 19:46 | link do post

Sexta-feira, 16.12.11

A Montanha Mágica, obra publicada em 1924, é uma narrativa extensa atravessada pelo Tempo e sempre de olhos postos na cultura europeia. A partir das altas montanhas, o Tempo é a figura central desta obra envolvente sobre o ser-se homem na sua totalidade; e a morte como aprendizagem definitiva.

Diz Thomas Mann:

 

...para a vida há dois caminhos: um é o usual, directo e ajuizado. O outro é mau, ele passa pela morte e este é o caminho genial.

 



publicado por omeuinstante às 13:50 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

A Tília

Da Guerra e da Paz

A Montanha Mágica

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO