Terça-feira, 07.10.14

xiii

2
Recordar não tem conteúdo vivencial.

(...)
      


Seria possível pensar a seguinte situação:uma pessoa recorda-se, pela primeira vez na 

  sua vida, duma casa e diz "Agora já sei o que é recordar, o que é que recordar me faz".

  -  "Como é que ela sabe que este sentimento é"recordar"? Compara: "agora já sei o que é

  ser-se picado (acabava de receber pela primeira vez um choque eléctrico). 

 - Sabe ela que esta sensação é recordar, por ter sido provocada pelo passado? 

  E como é que ela sabe o que é o passado? O homem aprende o conceito de passado ao recordar.

(...)

 

L. Wittgenstein, Investigações Filosóficas, F. C. Gulbenkian, p. 609



publicado por omeuinstante às 00:51 | link do post

Sexta-feira, 12.11.10

Falar uma língua é uma forma de vida.

Wittgenstein



publicado por omeuinstante às 18:34 | link do post

Terça-feira, 22.06.10

A linguagem não exprime tudo. Tem limites como o entendimento humano.


Acerca daquilo de que se não pode falar, tem que se ficar em silêncio.

Wittgenstein, Ludwig. Tratado lógico - Filosófico / Investigações Filosóficas, Fundação Calouste Gulbenkian, Tradução e Prefácio de M.S. Lourenço, 2ª edição revista, 1995, pág 142.

 




publicado por omeuinstante às 16:28 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Jogos de Linguagem (2)

Fronteira

Wittgenstein

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

29
30
31


Visitas
conter12
tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO