Quarta-feira, 30 de Junho de 2010

 

Uma vez no Havai fui levado a ver um templo budista. Dentro do templo um homem disse-me: "Vou dizer-lhe uma coisa que nunca esquecerá: a cada homem são distribuídas as chaves dos portões do céu. Mas essas chaves abrem também os portões do inferno."


Richard P. Feynman (2005), O Significado de Tudo, Gradiva, pág 17.

 

Parece-me correcta esta unidade primordial. As chaves são o código de acesso ao bem e ao mal, aos valores.

A escolha está em nós; representa o desvio necessário para que cada ser se transforme em pessoa, em instante de liberdade.

Resta-nos agir, para não nos queimarmos nos nossos próprios medos; e não morrermos em vida.



publicado por omeuinstante às 18:37 | link do post

Segunda-feira, 28 de Junho de 2010

 

Tendo como pretexto A História de Khosrow e Shirin, poema clássico da literatura persa do século XII, o realizador iraniano Abbas Kiarostami envolve-nos nos amores de uma princesa arménia pelo rei da Pérsia e no triângulo amoroso que resulta da paixão de Shirin por Farhad.

A construção hermenêutica  da narrativa passa pelo olhar de 114 mulheres de várias gerações, e através duma banda sonora que partilha dos sentidos do discurso.

Uma vez que tudo está velado ao espectador, é pelas emoções que passam no rosto destas mulheres - choro, riso, contentamento, cumplicidades, prazer, sofrimento - que se dá o acesso ao entendimento. Em Shirin, o rosto é a porta das percepções.

Neste filme metafísico - o corpo é apenas som - nós somos observadores e observados, como se de um jogo de espelhos se tratasse.

É um filme onde se percebe que a chave da sabedoria anda perdida nos caminhos do Amor. Amor? "lágrimas de sete cores", ensina o poema.

Neste invisível presente, Shirin é cada um de nós.

 

Belíssimo. A não perder.



publicado por omeuinstante às 19:41 | link do post

Sábado, 26 de Junho de 2010


Vita Nuova é considerada uma "obra menor". Menos extensa ou menos relevante? Sabemos que ao longo século XIII só o Amor divino podia ser verbalizado, mas em Vita Nuova há uma porta aberta para o dizer do Amor humano e profundamente terreno. Um texto inovador, portanto.


Amor e coração são uma cousa,

ditar do sábio posto na canção,

nem ser assim um sem o outro ousa,

como alma racional sem a razão.

Fá-los natura em tempo de amorosa,

o Amor dono, e a casa o coração,

dentro da qual dormindo se repousa

às vezes curta ou longa a estação.

Em sábia dama surge a formusura

e tanto praz aos olhos que vem pôr

no coração desejo do que apraz;

e esse desejo nele tanto dura

que desperta o espírito do Amor.

E assim nobre varão em dama faz.


Vasco Graça Moura, A Vita Nuova de Dante Alighieri, Bertrand, pág 73.



publicado por omeuinstante às 22:10 | link do post

Terça-feira, 22 de Junho de 2010

 

Porque hoje é verão.

 

 



publicado por omeuinstante às 23:03 | link do post

A linguagem não exprime tudo. Tem limites como o entendimento humano.


Acerca daquilo de que se não pode falar, tem que se ficar em silêncio.

Wittgenstein, Ludwig. Tratado lógico - Filosófico / Investigações Filosóficas, Fundação Calouste Gulbenkian, Tradução e Prefácio de M.S. Lourenço, 2ª edição revista, 1995, pág 142.

 




publicado por omeuinstante às 16:28 | link do post

Como nos ensina Platão, a amizade é o cultivo do belo, da sabedoria e até do divino. É um dinamismo que nos aproxima e fixa em algumas pessoas. Em outras não. É um itinerário iniciático e dialéctico, conduzido pela mão de Diotima.

Os encontros com a minha amiga Olga Rocha desafiam-me e inquietam-me, mesmo que tenham a duração de um instante.

Esse lado breve mas imutável das relações representa, para mim, um tempo certo e uma escala de valoração, provando que nem tudo se dissolve no ar.

 

Foi então que apareceu a raposa.

- Olá, bom dia! - disse a raposa

- Olá bom dia! - respondeu delicadamente o principezinho que se voltou mas não viu ninguém.

- Estou aqui - disse a voz - debaixo da macieira.

- Quem és tu? - perguntou o principezinho. - És bem bonita...

- Sou uma raposa - disse a raposa.

- Anda brincar comigo - pediu - lhe o principezinho. - Estou tão triste...

- Não posso ir brincar contigo - disse a raposa. - Não estou presa...

- Ah! Então desculpa! - Disse o principezinho.

Mas pôs-se a pensar, a pensar, e acabou por perguntar:

- O que é que "estar preso" quer dizer?

- Vê-se logo que não és de cá - disse a raposa. - De que é que tu andas à procura?

- Ando à procura dos homens - disse o principezinho. - O que é que "estar preso" quer dizer?

- Os homens têm espingardas e passam o tempo a caçar - disse a raposa. - É uma grande maçada! E também fazem criação de galinhas! Aliás, na minha opinião, é a única coisa interessante que eles têm. Andas à procura de galinhas?

- Não - disse o principezinho. -  Ando à procura de amigos. O que é que "estar preso" quer dizer?

- É uma coisa que toda a gente se esqueceu - disse a raposa. - Quer dizer que se está ligado a alguém, que se criaram laços com alguém.

- Laços?

- Sim, laços - disse a raposa. - Ora vê: por enquanto, para mim, tu não és senão um rapazinho perfeitamente igual a outros cem mil rapazinhos. E eu não preciso de ti. E tu também não precisas de mim. Por enquanto, para ti, eu não sou senão uma raposa igual a outras cem mil raposas. Mas, se tu me prenderes a ti, passamos a precisar um do outro. Passas a ser único no mundo para mim. E, para ti, também passo a ser única no mundo...

- Parece que estou a começar a perceber - disse o principezinho.  - Sabes, há uma certa flor...tenho impressão que estou preso a ela...

(...).

 

Antoine de Saint - Exupéry, O Principezinho

 

Há laços que perduram.



publicado por omeuinstante às 13:57 | link do post

Domingo, 20 de Junho de 2010

Assisti, entre as 18h.00 e as 19h.00, a um grande concerto no CCC. O jovem pianista João Ferreira apresentou um programa com temas desde o clássico, passando pelo romântico, até ao início do séc. XX.

João Ferreira, que actualmente estuda na École Normale de Musique de Paris Alfred Cortot, na classe de piano do professor Marian Rybicki, apresentou na 1ª parte Quadros de uma Exposição - 30´ de Modest Mussorgsky. Foi perfeito.

A 2ª parte passou por Sarcasmos op. 17 - 12´ de Sergei Prokofieff e ainda Sonata Nº 1 Op. -15´de Alberto Ginastera. Devido à persistência do escasso público, fomos presenteados com um Nocturno de António Fragoso, compositor português do princípio do séc. XX.

Puro instante. Nietzsche tem razão.



publicado por omeuinstante às 20:17 | link do post

Sexta-feira, 18 de Junho de 2010

Ontem, por volta das 23 horas, lembrei-me de Saramago. 

 

As palavras são boas. As palavras são más. As palavras ofendem. As palavras pedem desculpas. As palavras queimam. As palavras acariciam. As palavras são dadas, trocadas, oferecidas, vendidas e inventadas. As palavras estão ausentes. (...) As palavras aconselham, sugerem, insinuam, ordenam, impõem, segregam, eliminam. São melífluas ou azedas. (...) Há muitas palavras.(...)

 

A morte faz-me sempre recuar no tempo. E lembrei-me de outro prémio Nobel da Literatura, Ernest Hemingway. Peguei na velha edição "livros do Brasil". Numa espécie de introdução à obra pode ler-se:

 

(...) A morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do género humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti.

 

Hoje é por ti, José Saramago.



publicado por omeuinstante às 20:46 | link do post

 

A obra de Saramago contribui para o combate da "cegueira" que atravessa a sociedade portuguesa.

 

Acho que na sociedade actual nos falta filosofia. Filosofia como espaço, lugar, método de refexão, que pode não ter um objectivo determinado, como a ciência, que avança para satisfazer objectivos.

Falta-nos reflexão, pensar, precisamos do trabalho de pensar, e parece-me que, sem ideias, não vamos a parte nenhuma.



publicado por omeuinstante às 18:14 | link do post

Quarta-feira, 16 de Junho de 2010

O desenvolvimento científico e tecnológico imprime um ritmo de mudança tão acelerado que nos desgasta e precipita no nada. Na era da hiperinformação tudo está coisificado e permanentemente desactualizado. Resta o Homem.

 

Dantes as horas eram lentas. Um encarcerado, ao cabo de trinta ou quarenta anos de cadeia, regressava actual à luz da liberdade.

Agora não. Agora, no prazo de uma semana, a história muda a face do mundo. E quem regressa das masmorras regressa desactualizado na técnica, na história, na moral, na humanidade. Regressa um homem das cavernas.

Miguel Torga, Diário VI, 70-71



publicado por omeuinstante às 19:39 | link do post

Terça-feira, 15 de Junho de 2010

 

Andar pelo bosque é como andar à procura da verdade. Perdemo-nos sempre.

 

Há duas maneiras de passear num bosque. Uma é experimentar um ou vários caminhos (...); a segunda é caminhar de modo a descobrir como o bosque é e por que são acessíveis certas veredas, e outras não.

 

Eco, Umberto, Seis Passeios nos Bosques da Ficção, Difel, p. 33.



publicado por omeuinstante às 13:35 | link do post

Segunda-feira, 14 de Junho de 2010

Há considerações que não podemos deixar de corroborar. Hoje persisti em agir de acordo com uma delas. Refiro-me à leveza, que lucidamente Italo Calvino nos dá em Seis propostas para o próximo milénio.

Na edição da Teorema e com tradução de José Colaço Barreiros (grande prémio de tradução 1993), o autor diz:

 

Existe uma leveza do pensamento, tal como todos sabemos que existe uma leveza da frivolidade; aliás, a leveza do pensamento pode fazer a frivolidade parecer pesada e opaca.

 

Reconheço a dificuldade em transformar esta consideração em hábito.



publicado por omeuinstante às 21:34 | link do post

Quinta-feira, 10 de Junho de 2010

"O segredo está no livro, no livro está o segredo."

Hannele Huovi (escritora finlandesa)

 

 

 



publicado por omeuinstante às 22:14 | link do post

 

Sobre os diferentes métodos de começar nem ouso falar. Quero apenas o instante. Ao minuto e ao segundo. Quero horas de uma perfeição vazia. E já passou. Oculto-me no Instante.

 

Passou.

E risco um perfil na consciência.

São lentas as horas do silêncio,

Aborreço-me.

Apetece-me a infância,

Chove?

Hoje.

 

 



publicado por omeuinstante às 18:24 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Procida

A Sociedade do Cansaço

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO