Sábado, 31 de Julho de 2010



publicado por omeuinstante às 22:00 | link do post

 

O amor do enamoramento – que é, na minha opinião, o protótipo e expoente

máximo de todos os erotismos – caracteriza-se por conter, ao mesmo tempo, estes

dois ingredientes: o sentimento de «encanto» por outro ser que provoca em nós

uma «ilusão» completa e o sentimento de se estar absorvido por ele até à raiz da

nossa pessoa, como se nos houvesse arrancado do nosso próprio fundo vital e

tivéssemos transplantado nele as nossas raízes vitais. (...) a entrega fundamental

não se efectua ao nível da vontade mas a um nível muito mais profundo e radical.

Não é um querer entregar-se: é um entregar-se sem querer.

Ortega y Gasset, Estudos sobre o Amor,Relógio D´Água, 2002



publicado por omeuinstante às 20:00 | link do post

Sexta-feira, 30 de Julho de 2010



publicado por omeuinstante às 22:49 | link do post

Agamben é um pensador instigante.

Obriga o pensamento a curvar-se até às raízes para encontrar os sentidos da palavra guardados em segredo.

Estica as palavras, por inclusão ou exclusão, mas sempre por excesso.

Nudez é um conjunto de ensaios sobre a contemporaneidade - nua - onde os conceitos de belo, festa, ócio, lúdico, vão sendo cerzidos por uma escrita que viaja entre a metafísica (pós-metafísica) e os costumes.

Aqui o homem é reduzido à sua autenticidade, à sua vida nua;  e o instante é soberano.

 

Por detrás da veste de graça pressuposta, nada há e a nudez é precisamente este nada ter por detrás de si, este ser pura visibilidade e presença.

Giorgio Agamben, Nudez, Relógio D´Água

 

 

 



publicado por omeuinstante às 20:00 | link do post

Quinta-feira, 29 de Julho de 2010



publicado por omeuinstante às 22:00 | link do post

Fala baixo. Não te estafes a falar alto.

Deixa que os outros se esfalfem até ficarem calados. Falar alto é compensar o que em ideias é baixo.

E essa é a compensação dos que escutam.

Não te esforces a falar alto. Serás ouvido quando os outros se esfalfarem e já não tiverem voz.

Como o que se ouve num recinto depois que o comício acabou.

Vergílio Ferreira, Pensar, Bertrand Editora, 1992, pp247



publicado por omeuinstante às 20:38 | link do post

Quarta-feira, 28 de Julho de 2010

Em toda a lamentação, o que se lamenta é a linguagem, assim como todo o louvor é, antes de mais, louvor do nome. Estes são os extremos que definem o âmbito e a vigência da língua humana, e o seu modo de se referir às coisas. Aí, onde a natureza se sente atraiçoada pela significação, começa a lamentação; onde o nome diz perfeitamente a coisa, a linguagem culmina no canto de louvor, na santificação do nome.

Giorgio Agamben, A Comunidade que Vem, Presença, 1993, tradução de António Guerreiro, pp 48.


Agamben convida-nos a fazer parte de uma comunidade sem pressupostos, sem reivindicações identitárias e formada por singularidades - um ser qualquer -  onde se escape à alienação da linguagem.

Aqui, as palavras não são levadas a um estado de esgotamento através da sua "declinação"; não morrem de fadiga.

Na comunidade que vem, resiste-se ao fascínio de proferir o que quer que seja de maneira absoluta; o ser é o ser-assim; perfeitamente comum.





publicado por omeuinstante às 18:40 | link do post

Terça-feira, 27 de Julho de 2010


publicado por omeuinstante às 21:31 | link do post

Os deuses haviam condenado Sisifo a rodar uma rocha até ao cimo de uma montanha, e uma vez atingido o cimo a rocha regressava pelo seu próprio peso ao sopé da montanha, obrigando Sisifo a recomeçar o seu trabalho, sem cessar. Haviam pensado (os deuses), com algum fundamento, que não há castigo mais terrível que o trabalho inútil e sem esperança. (...)

Se o mito é trágico é porque o homem, seu protagonista, tem consciência que a esperança de atingir o propósito do seu trabalho é frustada.

Muitos trabalhadores do nosso tempo trabalham nas mesmas condições e o seu destino não é menos absurdo.

Mas esta situação só é trágica nos momentos em que se tem consciência dela.

( texto adaptado)

Albert Camus, El mito de Sisifo, Losada, 1970, pp.93-95



publicado por omeuinstante às 18:39 | link do post

Segunda-feira, 26 de Julho de 2010

O que é um Clássico? Isto no que diz respeito aos clássicos antigos tanto quanto aos clássicos modernos.

Haverá distinção entre ler e reler uma obra?

Não, não há. Nem tem muita importância.

Só os episódios de cada vida - no espaço e no tempo - pormenorizam a distinção.

Rerrelamos.

 

1. Os clássicos são os livros de que se costuma ouvir dizer: " Estou a reler..." e nunca " Estou a ler ".

4. De um clássico toda a releitura é uma leitura de descoberta igual à primeira.

5. De um clássico toda a primeira leitura é na realidade uma releitura.

6. Um clássico é um livro que nunca acabou de dizer o que tem a dizer.

14. É um clássico o que persiste como ruído de fundo mesmo onde dominar a actualidade mais incompatível.

 

Italo Calvino, Porquê Ler os Clássicos?, Teorema (1994, pág 7, 9, 12), Tradução de José Colaço Barreiros


A única asserção verdadeira consiste em afirmar que ler os clássicos é melhor do que não ler os clássicos.



publicado por omeuinstante às 18:30 | link do post

Domingo, 25 de Julho de 2010



publicado por omeuinstante às 22:02 | link do post

Sábado, 24 de Julho de 2010


Se não se pode rir no céu, não quero ir para lá.


Martin Lutero

(Público, P2)




tags: ,

publicado por omeuinstante às 20:02 | link do post

Sexta-feira, 23 de Julho de 2010



publicado por omeuinstante às 20:42 | link do post

Se julgais que vou fazer a defesa do que para mim é a realidade, muito vos enganais. Sou um actor sem teatro, um fantoche sem cordelinhos, um poeta sem poemas, um amante sem amor. Os próprios piolhos de mim nada pretendem. Pois bem, senhor, eu lanço por terra a minha espada de madeira. Não tenciono defender-me.

Bergman, O Retábulo da Peste in Três Peças em um Acto ( pág 56), Paisagem

 

Há sempre peças várias em um só acto; com cenário único, facilitando a montagem.

A encenação tem dificuldades menores e subordina-se a um tema circular: a realidade, a própria vida.

Nota finalizante: assistamos, no zimbório, com um ar de circunstância, como convém.



publicado por omeuinstante às 16:00 | link do post

Quinta-feira, 22 de Julho de 2010



publicado por omeuinstante às 22:59 | link do post

Quarta-feira, 21 de Julho de 2010

Apenas um rumor


E no teu rosto aberto sobre o mar

cada palavra era apenas o rumor

de um bando de gaivotas a passar.

Eugénio de Andrade, Os Amantes Sem Dinheiro ( pág 95), Limiar

 

A presença do ar e da água emoldurando a euforia das vivências.

Palavras aladas que transportam a génese de quase nada.



publicado por omeuinstante às 18:37 | link do post

Terça-feira, 20 de Julho de 2010

O que é que legitimamente se deve fazer, em democracia, quando um qualquer governo não quer governar?

 

A ciência é, de algum modo, como a democracia. Não há nada de transcendental que assegure a sua existência: esta tem de ser mantida todos os dias pelos que participam nela.

Jorge Dias de Deus, Da Crítica da Ciência à Negação da Ciência, Gradiva, 2003, pág 12

 

Apliquemos, mesmo sendo por imitação, esta teimosia à contingência dos nossos lugares.

Simples. Sem crítica.



publicado por omeuinstante às 20:15 | link do post

 

A felicidade é uma obra-prima: o menor erro falseia-a, a menor hesitação altera-a, a menor falta de delicadeza desfeia-a.

Marguerite Yourcenar (1903-1987)

Escrito na pedra 20-07-10 (P2)

Há dias felizes.




publicado por omeuinstante às 16:17 | link do post



publicado por omeuinstante às 00:06 | link do post

Segunda-feira, 19 de Julho de 2010

(roubado casa das artes)

Sapateiro em Cabul, Afeganistão, espera: ler é ir ao encontro de si e do outro.

Experiência universalizável; desperta a necessidade de construção de um poema narrativo sem encenações dramáticas.

Ler; sem tempo, sem espaço. Ler.

Mesmo que seja um livro do deve-haver.

Fulguração do instante.



publicado por omeuinstante às 18:30 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Procida

A Sociedade do Cansaço

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO