Terça-feira, 31 de Agosto de 2010



publicado por omeuinstante às 21:55 | link do post

Era uma vez ..."um Rei" - dirão logo os meus gentis ouvintes. Exactamente, desta vez adivinharam. Era uma vez o último rei de Itália, Vítor Manuel III, que partiu para o exílio quando a Segunda Guerra Mundial acabou. Tinha fama de possuir escassa cultura humanística e interessava-se principalmente pelos problemas económicos e militares, embora fosse coleccionador apaixonado de moedas antigas. Conta-se que um dia teve de inaugurar uma exposição de pintura. Ao chegar diante de um quadro com uma belíssima paisagem, que representava um vale com uma aldeia alcandorada na encosta de uma colina, contemplou-o demoradamente e depois, voltando-se para o director da exposição, perguntou: " Quantos habitantes tem a aldeia?"

Umberto Eco, Seis Passeios nos Bosques da Ficção, Difel, pp 81

 

Há pedaços de leituras que suspendem e esbatem fronteiras entre a ficção e a realidade.

Consequências do contrato - ficcional - que o leitor estabelece com o autor.

Aceitar a presença de personagens ficcionais e seguir o seu rasto, de texto para texto, liberta-as  da história que as criou. E permite que o leitor as re-invente aumentando-lhes realidade.

E servem de terapia contra o sono da razão.





publicado por omeuinstante às 20:26 | link do post

Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

Se é um poema fraterno que pedis,

Arrancai-o de mim, escavando-lhe a raiz,

E plantai-o no vosso coração.

 

Miguel Torga



publicado por omeuinstante às 22:09 | link do post



publicado por omeuinstante às 20:00 | link do post

Domingo, 29 de Agosto de 2010



publicado por omeuinstante às 22:00 | link do post

 

Filhos obesos devem ser separados de pais negligentes, dizem peritos

Desde Platão que a ideia de uma sociedade ideal, pela eliminação de seres considerados inferiores, vem fazendo caminho.

Em O Futuro da Natureza Humana, Habermas apresenta páginas de reflexão sobre o tema e alarga a discussão para terrenos menos comuns ao primeiro olhar.

Salienta que neste último século, o chamado eugenismo científico, com implicações políticas, foi ganhando terreno.

Em Portugal, a matriz católica disfarçou aquilo que se chamou eugenismo de estado.

A revolução genética interfere, definitivamente, na natureza humana.

E, hoje, a tendência é para um eugenismo liberal, individual.

O pêndulo da temporalidade dará sentido a esta notícia em termos institucionais e jurídicos; e éticos.

É urgente a discussão sobre "prevenção e eugenia".

 

(...) Os defensores da eugenia liberal estabelecem um paralelo entre a modificação genética de factores hereditários e a modificação de atitudes e expectativas operadas pelo processo de socialização. Pretendem deste modo demostrar que, do ponto de vista moral, não existe nenhuma diferença apreciável entre eugenia e educação.

J. Habermas, O Futuro da Natureza Humana, A Caminho de uma Eugenia Liberal?, Almedina, 2006, pp 92



publicado por omeuinstante às 19:40 | link do post

Tempo virá em que a investigação diligente, cobrindo longos períodos, esclarecerá coisas que hoje estão escondidas.

O tempo de uma vida, mesmo que totalmente dedicado ao estudo do céu, não seria suficiente para a investigação de tão vasto tema.(...)

O nosso universo seria uma coisa insignificante se não houvesse sempre nele algo a ser investigado por gerações que vão surgindo(...)

A natureza não revela os seus mistérios de uma só vez.

Séneca, Questões Naturais, livro 7, séculoI in Cosmos, Carl sagan

 

Na Antiguidade, os acontecimentos quotidianos eram relacionados com os fenómenos do Cosmos para adquirirem realidade.

A história humana pode ser analisada através da tomada de consciência do lugar do homem no universo infinito. E da sua pequenez.

Hoje o método simplifica o trabalho. Mas o mistério e o fascínio mantêm-se.

A linguagem científica interpreta, traduz e aproxima o homem do universo; de si mesmo. E exige uma atitude de humildade.

 

Sigamos o destino do Homem. Aqui



publicado por omeuinstante às 13:00 | link do post

Sábado, 28 de Agosto de 2010

 

Conceptualmente, podemos chamar verdade àquilo que não podemos mudar; metaforicamente, ela é o solo sobre o qual nos mantemos e o céu que se estende por cima de nós.

 

 

Hannah Arendt, Verdade e Política, Relógio D`Água, p. 59.



publicado por omeuinstante às 22:16 | link do post



publicado por omeuinstante às 19:52 | link do post

(...) Quero dormir um instante,

um instante, um minuto, um século;

porém que todos saibam que não morri;

que há um estábulo de ouro em meus lábios,

que sou o pequeno amigo do vento Oeste;

que sou a sombra imensa das minhas lágrimas. (...)

Federico García Lorca, Obras completas, Madrid, 1960, pp 492



publicado por omeuinstante às 01:01 | link do post

Sexta-feira, 27 de Agosto de 2010



publicado por omeuinstante às 21:00 | link do post

Quinta-feira, 26 de Agosto de 2010



publicado por omeuinstante às 22:30 | link do post

 

O mundo é xenófobo. O Homem também.

A indiferença instala-se. Aqui

 

Primeiro levaram os comunistas,
mas eu não me importei
porque não era nada comigo.

Em seguida levaram alguns operários,
mas a mim não me afectou
porque não sou operário.

Depois prenderam os sindicalistas,
mas eu não me incomodei
porque nunca fui sindicalista.

Logo a seguir chegou a vez
de alguns padres, mas como
não sou religioso, também não liguei.

Agora levaram-me a mim
e quando percebi,
já era tarde.


Bertolt Brecht



publicado por omeuinstante às 12:58 | link do post

Quarta-feira, 25 de Agosto de 2010



publicado por omeuinstante às 22:03 | link do post

 

Roubado de EcologicalMind



publicado por omeuinstante às 21:03 | link do post

Da antropologia à ontologia resvalamos para arquitecturas que definem e delimitam o emaranhado de questões  que o Homem coloca sobre si mesmo.

Há espaços, que percorremos, com trilhos para ilhas desconhecidas.

Desconcertantes. Mas abrem possibilidades.

Percorra-as. aqui.



publicado por omeuinstante às 20:31 | link do post

Terça-feira, 24 de Agosto de 2010


publicado por omeuinstante às 21:39 | link do post

As diferenças (entre culturas) não implicam necessariamente conflito e o conflito não implica necessariamente violência.

Samuel Huntington

 

Há sempre estranheza quando os indivíduos pertencentes a uma cultura contactam com outra diferente da sua.

Nos nossos dias continuam visíveis atitudes etnocêntricas, embora se reconheçam ilhas de interculturalidade.

Ultrapassemos regionalismos. Dialoguemos como cidadãos do mundo.

É urgente a prática diária da tolerância.

Este não é o caminho.




publicado por omeuinstante às 20:00 | link do post

Quando ninguém me coloca a questão, eu sei; mas quando alguém ma coloca e eu quero responder, já não sei.

Santo Agostinho, Confissões, XI,XIV


Há situações assim. Não procuramos a resposta e ela surge por si; queremos saber mais e, inesperadamente, a razão desorienta-se.



publicado por omeuinstante às 18:14 | link do post

As palavras são boas. As palavras são más.
As palavras ofendem. As palavras pedem desculpa. As palavras queimam.
As palavras acariciam. As palavras são dadas, trocadas, oferecidas, vendidas e inventadas.
As palavras estão ausentes. Algumas palavras sugam-nos, não nos largam: são como carraças: vêm nos livros, nos jornais, nos slogans publicitários, nas legendas dos filmes, nas cartas e nos cartazes. As palavras aconselham, sugerem, insinuam, ordenam, impõem, segregam, eliminam.
São melífluas ou azedas.
O mundo gira sobre palavras lubrificadas com óleo de paciência.
Os cérebros estão cheios de palavras que vivem em boa paz com as suas contrárias e inimigas.
Por isso as pessoas fazem o contrário do que pensam, julgando pensar o que fazem.

(...)

Há também o silêncio.

(...)

Saramago, Deste Mundo e do Outro



publicado por omeuinstante às 13:11 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Procida

A Sociedade do Cansaço

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO