Quinta-feira, 30 de Setembro de 2010


publicado por omeuinstante às 19:48 | link do post

Quarta-feira, 29 de Setembro de 2010


publicado por omeuinstante às 22:43 | link do post

A verdade, o mais belo nome da realidade, é uma vagabundagem divina.

Platão

 




publicado por omeuinstante às 18:12 | link do post

Terça-feira, 28 de Setembro de 2010

Hoje, numa aula de Filosofia A, para explicar o porquê do trabalho a realizar, li um pequeno poema.

Gostaram. E perceberam.

 

Uma centopeia vivia feliz

Até que um dia um sapo lhe disse, a brincar:

Com tantos pés, nunca te enganas, meu petiz?

Cheia de dúvidas de tanto pensar

Caiu distraída numa vala

sem saber como marchar.

(retirado do livro, Uma tarde com o Sr Feynman)



publicado por omeuinstante às 21:34 | link do post

Xenófanes, filósofo e poeta do século VI a.C., fala-nos da fragilidade dos discursos convencionais sobre as coisas divinas.

Impressiona tanta lucidez.

 

Para os Etíopes, os deuses são negros, para os Trácios, loiros...

(Frag 16)

 

Mas, se bois, cavalos ou leões tivessem mãos

e com mãos desenhassem ou realizassem obras, como homens,

cavalos iguais a cavalos, bois iguais a bois,

as formas de deuses desenhavam fazendo corpo

tal qual cada um tem.

(Fra. 15)



publicado por omeuinstante às 21:22 | link do post

Segunda-feira, 27 de Setembro de 2010



publicado por omeuinstante às 22:00 | link do post

Narciso

 

Dentro de mim me quis eu ver. Tremia,

Dobrado em dois sobre o meu próprio poço...

Ah, que terrível face e que arcabouço

Este meu corpo lânguido escondia!

 

Ó boca tumular, cerrada e fria,

Cujo silêncio esfíngico bem ouço!

Ó lindos olhos sôfregos, de moço,

Numa fronte a suar melancolia:

 

Assim me desejei nestas imagens.

Meus poemas requintados e selvagens,

O meu Desejo os sulca de vermelho:

 

Que eu vivo à espera dessa noite estranha,

Noite de amor em que me goze e tenha,

...Lá no fundo do poço em que me espelho!

 

José Régio, Biografia

1901-1969 Vila do Conde



publicado por omeuinstante às 21:00 | link do post

As situações-limite, enquanto experiências da estranheza, da insatisfação e da finitude humana, levam o homem a filosofar.

 

Se a nossa vida fosse infinita ou isenta de dor, não aconteceria a ninguém perguntar-se por que existe o mundo; (...) todas as coisas se compreenderiam por si mesmas.”

Schopenhauer



publicado por omeuinstante às 19:02 | link do post



publicado por omeuinstante às 00:12 | link do post

Domingo, 26 de Setembro de 2010

Embora ateia, leio com gosto Frei Bento Domingues.

Retive a frase que citou hoje, no Público, arrancada aos ensinamentos da parábola de S. Lucas:

 

Quem é fiel nas coisas pequenas também é nas grandes; e quem é injusto nas coisas pequenas também é injusto nas grandes.



publicado por omeuinstante às 19:30 | link do post

A reafirmação do óbvio é, em qualquer tempo, fundamental.

Hoje, na Pública, a pintora Graça Morais, citada por Ana Sousa Dias, diz: Há cada vez mais mulheres a viver sozinhas, porque são exigentes, não aceitam um companheiro inculto, que lhes pese nas responsabilidades económicas.

Uma vez mais a grande questão: a emancipação da mulher aumenta na medida igual à da sua libertação económica.

Para repetir muitas vezes.



publicado por omeuinstante às 19:16 | link do post

Nada a fazer. Hoje apetece-me Pensar com Vergílio.

 

O intelectual. Que tipo. Será uma espécie em vias de extinção? Ele é o inútil, o complicado, o chato.

(...)

Sugeria alguém que se suprimisse a filosofia do curso dos liceus. Há lá coisa mais compreensível? O filósofo, imagine-se. O das minhoquices.(...)

Para quê um romance que nos chateia com a maçada de "pensar"? Pensar o quê, se a vida é já tão maçadora?(...) E os poetas, esses loucos mansos que não farão mal a ninguém mas nos atrapalham o trânsito?

(...)

Há todavia um pequeno pormenor maçador e é que a própria humanidade sofre com isso também uma baixa por tabela. É esquisito mas é assim.

Porque se não fossem esses chatos, a história dos humanos era apenas a pocilga com apenas talvez uma variedade de feitio.

Vergílio Ferreira, Pensar, Bertrand, 1992, p 94



publicado por omeuinstante às 18:15 | link do post

Título de uma Comédia de Molière onde satiriza a moral dos jesuítas. Por evolução, a palavra designa beato falso, hipócrita, mas aparentemente defensor de grandes princípios morais.

Pois. Os tartufos são como os cogumelos, emergem de forma brusca e espontânea da terra fértil.

Consumpção de todo o corpo e alma.



publicado por omeuinstante às 17:56 | link do post

Ser inteligente é ser um desgraçado. O imbecil é feliz.

Mas o animal também.

Vergílio Ferreira, Pensar, Bertrand, 1992, p23



publicado por omeuinstante às 16:49 | link do post

Sexta-feira, 24 de Setembro de 2010

O dramaturgo grego Sófocles escreveu grandes peças - Ajax, Antígona, Rei Édipo -  de dimensão e acção psicológicas. De muitas outras, conhecem-se apenas os títulos e  alguns fragmentos.

Introduziu profundas alterações na técnica teatral passando pelo número de coreutas e pelo terceiro actor.

Sófocles reflecte, insistentemente, sobre a condição humana e a busca da felicidade.

A Tragédia Antígona, estreada no século de Péricles, mantém-se actual: Antígona vive a contradição entre obedecer à Lei ou lutar pela Justiça.

O tempo não apaga o fascínio desta personagem.

 

Hémon - (...) Mas um homem prudente não se envergonha de colher ensinamentos, ou de não ser intransigente em demasia. Vê como, no Inverno, nas margens das torrentes, aumentadas pela chuva, as árvores cedem para salvar os ramos. Se resistissem, acabariam arrancadas pela raiz. Assim sucede ao que, seguro de si, mantém tensa a escota da nave, sem manobra, pois fará o resto da travessia de quilha para o ar. Portanto, não teimes no teu rigor, e admite a possibilidade de mudares de propósito.

Sófocles, Antígona, Editorial Verbo, p 30.



publicado por omeuinstante às 23:15 | link do post

Quinta-feira, 23 de Setembro de 2010

Mesmo que os tempos andem agitados, chega sempre a horas.

 

 

Num pálido desmaio a luz do dia afrouxa

E põe, na face triste, um véu de seda roxa...

Teixeira de Pascoaes



publicado por omeuinstante às 23:28 | link do post

Quarta-feira, 22 de Setembro de 2010



publicado por omeuinstante às 21:00 | link do post

Terça-feira, 21 de Setembro de 2010

Preparo e preparo as matérias que lecciono. Mas depois, na sala de aula, nunca vou a direito.

O caminho não se faz em ziguezague. São círculos abertos, coloridos de falas, que remetem para mais mundo.



publicado por omeuinstante às 21:00 | link do post

 

y detrás de los mitos y las máscaras el alma, que está sola.

Jorge Luís Borges, in El Oro de los Tigres



publicado por omeuinstante às 20:45 | link do post

Segunda-feira, 20 de Setembro de 2010

Mito: palavra de origem grega, mythos, que significa palavra, o que se diz.

Mito de Pandora

Dantes vivia sobre a terra a raça humana, a recato da desgraça e de penoso trabalho e das doenças terríveis, que trazem a morte aos homens.

Mas a mulher, com as suas mãos, ergueu a grande tampa da vasilha e dispersou-os, preparando para a humanidade funestos cuidados. Dentro da vasilha, na morada indestrutível, abaixo do rebordo, ficou apenas a Esperança. Essa não se evolou. Antes já ela tornara a colocar a tampa por desígnios de Zeus, detentor da Égide, que amontoa as nuvens. Mas tristezas aos centos erram entre os homens. Cheia está a terra de desgraças, cheios os mares.

As doenças, umas de dia, outras de noite, visitam à vontade os homens trazendo aos mortais, o mal, em silêncio, pois Zeus, prudente lhes tirou a voz.

E assim não há maneira de evitar os desígnios de Zeus.

Hesíodo, Os Trabalhos e os Dias

 

Há uma certa perversão, um certo desvio, nesta narrativa mítica. Se a sociedade grega vivia organizada sob as leis imutáveis das Moiras - destino - então que sentido atribuir à esperança?

Sem haver intenção em delimitar os sentidos deste mito - alguns impenetráveis - há, no entanto, a possibilidade de a sua compreensão remeter para a capacidade do homem em superar as suas condições concretas de vida.





publicado por omeuinstante às 17:56 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Procida

A Sociedade do Cansaço

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO