Sábado, 4 de Setembro de 2010



publicado por omeuinstante às 23:35 | link do post

O físico inglês Stephen Hawking ultrapassa, consistentemente, as fronteiras da física - teoria de tudo - pela indagação permanente do princípio e do fim do cosmos.

Carlos Fiolhais diz que ele é um provocador autorizado cujo conhecimento lhe permite as maiores especulações.

Nesta encruzilhada matemática, Deus morre. Mais uma vez.

Stephen Hawking descarta Deus na equação do universo



publicado por omeuinstante às 13:16 | link do post

Enquanto falamos, não nos matamos.

O. Rebul


A argumentação, enquanto exercício de tolerância e de abertura ao outro, exclui sempre a violência. E se não for constrangedora nem arbitrária, torna-se um exercício de liberdade.



publicado por omeuinstante às 12:01 | link do post

Sexta-feira, 3 de Setembro de 2010



publicado por omeuinstante às 21:42 | link do post

A liberdade de pensar significa que a razão não se submete a nenhuma outra lei senão aquela que se dá a si mesma.

Kant

 

Afirmações desta natureza dão força para a construção de uma existência emancipada.




publicado por omeuinstante às 18:20 | link do post

Não escarneço nem refuto, testemunho e espero.

Walt Whitman, Canto de Mim Mesmo



publicado por omeuinstante às 14:52 | link do post

Quinta-feira, 2 de Setembro de 2010



publicado por omeuinstante às 22:00 | link do post

Só esses contam, os que se lançam ao encontro do desconhecido.

André Gide



publicado por omeuinstante às 21:03 | link do post

A imaginação dos homens recorre a formas múltiplas de se expressar. Uma delas foi a criação e a vivência de mitos.

Permitiram a superação de necessidades e desejos e responderam às grandes questões humanas.

Os mitos narram uma certa verdade que captamos, colectivamente, através dos ritos; corporificam as crenças dos povos e organizam o CaosSão factores de coesão social.

E por que fazem emergir irrupções de sagrado - hierofania - dão existência, por oposição, ao profano.

A saturação de ser - ontofania - que o homem primitivo imprime a todo o real, manifesta de forma absoluta o começo da sua humanização.

Pelos mitos interpretamos e agimos sobre o real; e construimos uma fenomenologia da imaginação.

Voltamos sempre aos mitos e à sua inteligibilidade para completar a realidade.


O mito é o nada que é tudo - Fernando Pessoa


Comecemos com Ícaro, Dédalo, e as famosas asas.



publicado por omeuinstante às 20:00 | link do post

Quarta-feira, 1 de Setembro de 2010

De uma maneira ou de outra, come-se sempre a divindade.

Mircea Eliade




publicado por omeuinstante às 22:41 | link do post



publicado por omeuinstante às 21:00 | link do post

A profissão de professor, também este um termo algo opaco, suporta todas as nuances possíveis entre, num extremo, na forma de vida rotineira e desencantada e, no outro, um elevado sentido de vocação. Compreende numerosas tipologias que vão desde a do pedagogo destruidor de espíritos à do Mestre carismático. Imersos como estamos em formas de ensino quase inumeráveis - elementar, técnico, científico, humanista, moral e filosófico - raramente nos distanciamos o suficiente para reflectir sobre as maravilhas da transmissão de conhecimentos, os recursos da falsidade e aquilo a que chamaria, à falta de um termo mais preciso e concreto, o mistério da função.

George Steiner, As Lições do Mestre, Gradiva, 2005, pp11

A análise, das relações entre mestre e discípulo, converte-se numa Lição.

Explicação simplificada - diz Steiner - do cruzamento dos eixos do tempo sobre a problemática do ensino e da aprendizagem.

Acentua a marca de transmissão de conhecimentos.

Recorda a etimologia da palavra transmissão (tradendere). Relaciona-a com a de traditio (o que foi transmitido) e com as de traição e tradução.

Salienta, de forma magistral, que a forma mais honesta de autoridade didáctica se faz através do exemplo.

E que o ensinamento é acção e silencioso; e oralidade.

Aqui o Mestre fala.

Não há ofício mais privilegiado. É trans-missão.

Re-comecemos a Lição.



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Noctua/Erik Satie

Maria Velho da Costa (193...

Procida

A Sociedade do Cansaço

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

Junho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26

28
29
30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2020

Maio 2020

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO