Terça-feira, 30 de Novembro de 2010

Para comemorar Pessoa, o poeta, filho do desassossego, através de Álvaro de Campos e Ricardo Reis.

 

No TEMPO em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu era feliz e ninguém estava morto.
Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,
E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religião qualquer.

No TEMPO em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma,
De ser inteligente para entre a família,
E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a olhar para a vida, perdera o sentido da vida.

Sim, o que fui de suposto a mim-mesmo,
O que fui de coração e parentesco.
O que fui de serões de meia-província,
O que fui de amarem-me e eu ser menino,
O que fui — ai, meu Deus!, o que só hoje sei que fui...
A que distância!...
(Nem o acho...)
O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!

(...)

Álvaro de Campos

 

Não sei se é amor que tens, ou amor que finges, 
O que me dás. Dás-mo. Tanto me basta. 
Já que o não sou por tempo, 
Seja eu jovem por erro. 
Pouco os deuses nos dão, e o pouco é falso. 
Porém, se o dão, falso que seja, a dádiva 
É verdadeira. Aceito, 
Cerro olhos: é bastante. 
Que mais quero?

Ricardo Reis



publicado por omeuinstante às 23:01 | link do post

Todo o nosso conhecimento se inicia com sentimentos.


(Leonardo da Vinci 1452 - 1519)



publicado por omeuinstante às 18:00 | link do post

A arte é a forma mais intensa de individualismo que o mundo conhece.


Oscar Wilde



publicado por omeuinstante às 12:00 | link do post

Certa palavra dorme

na sombra de um livro raro.

Como desencantá-la?

É a senha da vida

a senha do mundo.

Vou procurá-la.

 

Vou procurá-la a vida inteira

no mundo todo.

Se tarda o encontro, se não a encontro,

não desanimo,

procuro sempre.


Procuro sempre,

e minha procura ficará sendo minha palavra.


Carlos Drummond de Andrade, Discurso da Primavera



publicado por omeuinstante às 10:30 | link do post

Segunda-feira, 29 de Novembro de 2010



publicado por omeuinstante às 22:18 | link do post

Heráclito pintado por Rafael

 

Há sempre fascínio no exercício de clarear o pensamento dos filósofos pré-socráticos.

Em Heráclito - Éfeso, século VI a. C -, só rebuscando o sentido latente acedemos ao ser das coisas.

 

Tu não encontrarás os confins da alma, caminhes o quanto caminhares, tão profunda é ela.



publicado por omeuinstante às 15:58 | link do post


Áspero amor, violeta coroada de espinhos...
Arbusto entre tantas paixões erguidas,
Lança das dores, coroa da ira,
Por quais caminhos e como te dirigiu a minha alma?
Por que precipitaste o teu fogo doloroso,
Repentinamente, entre as folhas frias do meu caminho?
Quem te ensinou os passos que te levaram a mim?
Que flor, que pedra, que fumaça mostraram a minha casa?
A verdade é que tremeu a noite apavorante,
A aurora encheu todas as taças com seu vinho
E o sol estabeleceu a sua presença celeste,
Enquanto o amor cruel me cercava sem trégua,
Até que padecendo-me com espadas e espinhos,
Abriu meu coração um caminho ardente.

 

Pablo Neruda



publicado por omeuinstante às 12:00 | link do post

Barcarola é um termo musical que designa as canções originalmente cantadas pelos gondoleiros de Veneza.

A palavra vem do italiano e significa barco ou barcaça.

Na música clássica, as barcarolas de Chopin e de Offenbach são especialmente conhecidas.

A mais famosa é, certamente, Os contos de Hoffman, composta por Offenbach e foi interpretada pelo virtuoso Vianna da Motta.

Sabemos das relações entre a música e a poesia. As barcarolas não são excepção; exprimem-se em cantigas singelas.

 

 

Parti-me, trágico, ao meio
De mim mesmo, na paixão.
A amiga mostrou-me o seio
Como uma consolação.

Dormi-lhe no peito frio
De um sono sem sonhos, mas
A carne no desvario
Da manhã, roubou-me a paz.

Fugi, temeroso, ao gesto
Do seu receio modesto
E cálido; enfim, depois

Pensando a vida adiante
Vi o remorso distante
Desse crime de nós dois.

 

Barcarola, Vinícius de Moraes



publicado por omeuinstante às 10:01 | link do post

Domingo, 28 de Novembro de 2010


publicado por omeuinstante às 21:30 | link do post

Lisboa é o único sítio do país onde se pode encontrar a província em estado puro. Como é ela que dá o tom ao país, a província chega-me de lá depurada e aumentada. “Também é bonito”, dizia um excursionista lisboeta quando o carro eléctrico onde eles davam a volta à cidade para não a verem, passou em frente do Jardim Botânico. “Sim…- concordou outro – mas o nosso da Estrela…”. É muito pândego este alfacinha, para não passar por provinciano acha-se na obrigação de não admirar como, segundo ele, imagina faz o provinciano da província na sua Lisboa. Como sempre, os exteriores tocam-se mais ainda, assim prefiro de longe a admiração lorpa da pobre grande gente da minha aldeia. A admiração é o princípio da sabedoria.

Eduardo Lourenço



publicado por omeuinstante às 17:36 | link do post

 

A amizade é , acima de tudo, certeza – é isso que a distingue do amor.

Marguerite Yourcenar


publicado por omeuinstante às 10:10 | link do post

Sábado, 27 de Novembro de 2010

(Obrigada, Luís Pedro Ribeiro)



publicado por omeuinstante às 21:30 | link do post

A felicidade é provavelmente uma infelicidade que se suporta melhor.


Marguerite Yourcenar



publicado por omeuinstante às 18:54 | link do post



publicado por omeuinstante às 18:45 | link do post



publicado por omeuinstante às 00:29 | link do post

Sexta-feira, 26 de Novembro de 2010

Há uma raíz amarga em tudo o que termina. Lembrei-me de García Lorca.

 

O punhal,

como um raio de sol,

incendeia as terríveis

profundidades.



publicado por omeuinstante às 20:17 | link do post

A ética é estar à altura daquilo que nos acontece...

Gilles Deleuze



publicado por omeuinstante às 19:36 | link do post

Amigo

 

Mal nos conhecemos

Inaugurámos a palavra «amigo».

 

«Amigo» é um sorriso

De boca em boca,

Um olhar bem limpo,

Uma casa, mesmo modesta, que se oferece,

Um coração pronto a pulsar

Na nossa mão!

 

«Amigo» (recordam-se, vocês aí,

Escrupulosos detritos?)

«Amigo» é o contrário de inimigo!

 

«Amigo» é o erro corrigido,

Não o erro perseguido, explorado,

É a verdade partilhada, praticada.

 

«Amigo» é a solidão derrotada!

 

«Amigo» é uma grande tarefa,

Um trabalho sem fim,

Um espaço útil, um tempo fértil,

«Amigo» vai ser, é já uma grande festa!

 

Alexandre O'Neill, No Reino da Dinamarca

 



publicado por omeuinstante às 12:57 | link do post

A arte é feita para perturbar; a ciência tranquilizar.

Georges Braque



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Quinta-feira, 25 de Novembro de 2010

O homem é absurdo por aquilo que procura, grande por aquilo que encontra.

 

Paul Valéry



publicado por omeuinstante às 13:08 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Procida

A Sociedade do Cansaço

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO