Sexta-feira, 30 de Setembro de 2011

Não aprendi a colher a flor
sem esfacelar as pétalas.
Falta-me o dedo menino
de quem costura desfiladeiros.

Criança, eu sabia
suspender o tempo,
soterrar abismos
e nomear as estrelas.
Cresci,
perdi pontes,
esqueci sortilégios.

Careço da habilidade da onda,
hei-de aprender a carícia da brisa.

Trémula, a haste
me pede
o adiar da noite.

Em véspera da dádiva,
a faca me recorda, no gume do beijo,
a aresta do adeus.

Não, não aprenderei
nunca a decepar flores.

Quem sabe, um dia,
eu, em mim, colha um jardim?

Mia Couto



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Quinta-feira, 29 de Setembro de 2011


publicado por omeuinstante às 20:24 | link do post

Amor é mais do que dizer. 
Por amor no teu corpo fui além 
e vi florir a rosa em todo o ser 
fui anjo e bicho e todos e ninguém. 

Como Bernard de Ventadour amei 
uma princesa ausente em Tripoli 
amada minha onde fui escravo e rei 
e vi que o longe estava todo em ti. 

Beatriz e Laura e todas e só tu 
rainha e puta no teu corpo nu 
o mar de Itália a Líbia o belvedere. 

E quanto mais te perco mais te encontro 
morrendo e renascendo e sempre pronto 
para em ti me encontrar e me perder. 

Manuel Alegre, Obra Poética



publicado por omeuinstante às 10:17 | link do post

Quarta-feira, 28 de Setembro de 2011


publicado por omeuinstante às 20:30 | link do post

No espaço de poucos minutos, éramos obrigados a bater em retirada e a abandonar a bacia de areia onde rolavam torvelinhos de espuma. O dançarino acompanhou-nos, e viemos a descobrir assim que não era nem louco nem mudo. (...) Estudara simultaneamente dança e escultura em Santiago, depois expatriara-se para os antípodas. O problema do tempo obcecava-o. A dança, arte do instante, efémera por natureza, não deixa vestígios e sofre de não poder enraizar-se em qualquer continuidade. A escultura, arte da eternidade, desafia o tempo e procura materiais indestrutíveis. Mas, com isso, é a morte que acaba por descobrir, porque o mármore possui uma evidente vocação funerária. Nas costas da Mancha e do Atlântico, Lagos (o dançarino) descobrira o fenómeno das marés governado pelas leis astronómicas. Ora a maré ritma os jogos do dançarino de praia, e ao mesmo tempo convida-o à prática de uma escultura efémera.

- As minhas esculturas de areia vivem, afirmava ele, e a prova é que morrem. É o contrário da estatuária dos cemitérios, eterna por não ter vida.

 

Michel Tournier, Uma Ceia de Amor

(Obrigada, Olga)



publicado por omeuinstante às 18:09 | link do post

‎Os dias talvez sejam iguais para um relógio, mas não para um homem.

 

Marcel Proust



publicado por omeuinstante às 10:14 | link do post

Terça-feira, 27 de Setembro de 2011


publicado por omeuinstante às 18:13 | link do post

Ver-te é como ter à minha frente todo o tempo

Ruy Belo 



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011



publicado por omeuinstante às 20:45 | link do post

Escuta, escuta: tenho ainda
uma coisa a dizer.
Não é importante, eu sei, não vai
salvar o mundo, não mudará
a vida de ninguém – mas quem
é hoje capaz de salvar o mundo
ou apenas mudar o sentido
da vida de alguém?
Escuta-me, não te demoro.
É coisa pouca, como a chuvinha
que vem vindo devagar.
São três, quatro palavras, pouco
mais. Palavras que te quero confiar.
Para que não se extinga o seu lume,
o seu lume breve.
Palavras que muito amei,
que talvez ame ainda.
Elas são a casa, o sal da língua.

Eugénio de Andrade



publicado por omeuinstante às 12:00 | link do post

Domingo, 25 de Setembro de 2011

Eternamente, somos Édipo.

 



publicado por omeuinstante às 20:00 | link do post

Sexta-feira, 23 de Setembro de 2011

 

Quando as palavras se tornam pouco claras, foco com fotografias. 

Quando as imagens se tornam inadequadas, contento-me com o silêncio.

 

Ansel Adams ( 1902-1984), fotógrafo americano. 

 




publicado por omeuinstante às 14:42 | link do post

Quinta-feira, 22 de Setembro de 2011



publicado por omeuinstante às 21:00 | link do post

Montaigne, fidalgo pensador do século XVI, oferece-nos no seu jeito irónico a seguinte passagem: 

Quando os Godos saquearam a Grécia, o que salvou as bibliotecas de serem incendiadas foi ter um deles espalhado a ideia de que era preciso deixar intacto aos inimigos o motivo que os afastava dos exercícios militares e os distraía com ocupações sedentárias e ociosas. 

 Montaigne, Três Ensaios, Passagens, p.29



publicado por omeuinstante às 17:54 | link do post

 Proposta de um modelo educativo. Sintomas de vida.


Curva-te apenas para amar.

 

 René Char



publicado por omeuinstante às 10:11 | link do post

Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011

Marcus Tullius Cícero (106 a.C-43 a.C) foi escritor, filósofo e orador romano. Deixou profunda matéria sobre Retórica, aproxima-a da Filosofia e, pela sua revalorização, contraria a tradição filosófica grega.
No Orador, Cícero define as três tarefas do orador: quid dicat, quid-que loco, quo modo- que dizer, com que ordem, de que forma.

Este homo nouus- acusação grave na época- explica de forma clara que todas as partes concorrem para a obtenção da vitória da acção de falar em público.
Assim definida, a Retórica é uma arte da oratória que submete as regras da linguagem à expressividade do corpo e à teatrealidade da palavra.
Com Cícero percebemos que qualquer discurso é para além de escutado, observado. Com Cícero, o corpo fala.

Assim como o rosto é a imagem da alma, assim os olhos são os intérpretes. 
Cícero, Orador 



publicado por omeuinstante às 19:30 | link do post

Júlio Resende (1917-2011). Um homem universal. Pintor.
Fica a obra. 

 

 Ribeira Negra (1984, Porto) 

 

 Voo das Aves (1995/96)



publicado por omeuinstante às 19:20 | link do post

Terça-feira, 20 de Setembro de 2011

 A verdade é insatisfeita, destrói-se ininterruptamente para dar lugar a outra verdade, tal os mitos, que duram só até outros nascerem.

 

Fernando Namora



publicado por omeuinstante às 22:19 | link do post

... assim é a voz do poeta: um fio de silêncio costurando o tempo.

 

Mia Couto



publicado por omeuinstante às 13:30 | link do post

Segunda-feira, 19 de Setembro de 2011



publicado por omeuinstante às 20:45 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Dia Internacional da Mulh...

Noctua - Schubert

Junho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO