Terça-feira, 31 de Janeiro de 2012

Tolerância deriva do latim tolerare e significa suportar. Tolerar é, assim, permitir comportamentos com os quais não estamos de acordo. Logo, a discordância é um requisito da tolerância.Tolerar é reconhecer ao Outro o direito de pensar e agir de modo diferente. Contudo, não significa que aceitemos o relativismo moral em toda a sua extensão. A universalidade da Carta dos Direitos Humanos continua a ser a referência balizadora duma sociedade justa. Há valores inegociáveis.



publicado por omeuinstante às 16:06 | link do post

Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2012



publicado por omeuinstante às 21:00 | link do post

É quando um espelho, no quarto,
se enfastia;
Quando a noite se destaca
da cortina;
Quando a carne tem o travo
da saliva,
e a saliva sabe a carne
dissolvida;
Quando a força de vontade
ressuscita;
Quando o pé sobre o sapato
se equilibra...
E quando às sete da tarde
morre o dia
- que dentro de nossas almas
se ilumina,
com luz lívida, a palavra
despedida.

David Mourão Ferreira



publicado por omeuinstante às 19:00 | link do post

Para Gaston Bachelard ( 1884-1962), a ciência e o senso comum diferem uma vez que fazem parte de esferas cognitivas diferentes. Estamos perante aquilo a que ele chama "corte epistemológico", momento que afasta a ciência dos ruídos exteriores, "os obstáculos epistemológicos".



publicado por omeuinstante às 12:42 | link do post

O amor é belo e bom; o resto é silêncio, mais o princípio da incerteza.


 Duvida da luz dos astros,

De que o sol tenha calor,

Duvida até da verdade,

Mas confia em meu amor.

 William Shakespeare



publicado por omeuinstante às 09:00 | link do post

Domingo, 29 de Janeiro de 2012


publicado por omeuinstante às 20:35 | link do post

Sábado, 28 de Janeiro de 2012

O dizer poético, expressionista, do austríaco Georg Trakl (1887-1914), lembra as fúrias de Orfeu. Um poeta da noite, da solidão e das imagens quase cinematográficas, que acompanho no crepúsculo deste inverno solarengo.

 

Pastores enterraram o sol na floresta nua.
Um pescador puxou a lua
Do lago gelado em áspera rede.

No cristal azul
Mora o pálido Homem, o rosto apoiado nas suas estrelas;
Ou curva a cabeça em sono purpúreo.

Mas sempre comove o vôo negro dos pássaros
Ao observador, santidade de flores azuis.
O silêncio próximo pensa no esquecido, anjos apagados.

De novo a fronte anoitece em pedra lunar;
Um rapaz irradiante
Surge a irmã em outono e negra decomposição.

 

 



publicado por omeuinstante às 18:32 | link do post

Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2012

O filósofo francês Blaise Pascal (1623-1662), salienta que a consciência é o melhor livro de moral e o que menos se consulta.



publicado por omeuinstante às 21:49 | link do post

Deito-me tarde
Espero por uma espécie de silêncio
Que nunca chega cedo
Espero a atenção a concentração da hora tardia
Ardente e nua
É então que os espelhos acendem o seu segundo brilho
É então que se vê o desenho do vazio
É então que se vê subitamente
A nossa própria mão poisada sobre a mesa

É então que se vê passar o silêncio

Navegação antiquíssima e solene


Sophia Mello Breyner Andresen




publicado por omeuinstante às 13:00 | link do post

A Revista Portuguesa de Filosofia, tomo 66-Fasc4, 2010, inclui um artigo Sobre a Mente Consciente na Natureza de Samuel Butler, apresentado por Manuel Curado. No resumo pode ler-se que Butler foi um dos primeiros autores a compreender que o evolucionismo de Darwin precisa de ser completado com uma reflexão sobre a evolução das máquinas. O estudo paralelo salienta a dificuldade da abordagem do campo de estudo da evolução da mente senciente. O artigo conjectura a favor de uma noção de mente alargada: se existe uma evolução paralela de autómatos e de seres orgânicos desde o inicío da vida na Terra e se os organismos biológicos evoluem lado a lado com próteses mecânicas e é previsível que existam no futuro formas de simbiose entre humanos e máquinas, segue-se que a mente humana deverá ser entendida num sentido mais alargado do que o habitual.
Darei conta por aqui da leitura deste artigo fascinante.



publicado por omeuinstante às 09:00 | link do post

Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2012


publicado por omeuinstante às 20:14 | link do post

Li um dia, não sei onde,
Que em todos os namorados
Uns amam muito, e os outros
Contentam-se em ser amados.

Fico a cismar pensativa
Neste mistério encantado...
Diga prá mim: de nós dois
Quem ama e quem é amado?...


Florbela Espanca



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2012

 Pelo lápis multipétalo de Natália, recebemos a sustentável leveza do sentir; do ar proibido que respiramos. 

 

 Este homem que entre a multidão 

enternece por vezes destacar 
é sempre o mesmo aqui ou no japão 
a diferença é ele ignorar. 

Muitos mortos foram necessários 
para formar seus dentes um cabelo 
vai movido por pés involuntários 
e endoidece ser eu a percebê-lo. 

Sentam-no à mesa de um café 
num andaime ou sob um pinheiro 
tanto faz desde que se esqueça 
que é homem à espera que cresça 
a árvore que dá dinheiro. 

Alimentam-no do ar proibido 
de um sonho que não é dele 
não tem mais que esse frasco de vidro 
para fechar a estrela do norte. 
E só o seu corpo abolido 
lhe pertence na hora da morte. 

Natália Correia, O Vinho e a Lira



publicado por omeuinstante às 12:29 | link do post

A crítica como atenção ao presente. Palavras que fotografam a alma. Saramago e Sebastião Salgado.


publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Terça-feira, 24 de Janeiro de 2012


publicado por omeuinstante às 21:01 | link do post


Se me vem tanta glória só de olhar-te,

Se pena desigual deixar de ver-te;

Se presumo com obras merecer-te,

Grão paga de um engano é desejar-te.

 

Se aspiro por quem és a celebrar-te,

Sei certo por quem sou que hei-de ofender-te;

Se mal me quero a mim por bem querer-te,

Que prémio querer posso mais que amar-te?

 

Porque um tão raro amor não me socorre?

Ó humano tesouro! Ó doce glória!

Ditoso quem à morte por ti corre!

 

Sempre escrita estarás nesta memória;

E esta alma viverá, pois por ti morre,

Porque ao fim da batalha é a vitória.

 

Luís de Camões

 


publicado por omeuinstante às 20:16 | link do post

Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2012

Guardo na minha pele esta viagem. Para sentir o lento movimento dos dias.

 

Uma coisa é habitar a pele, 

outra, ter a noite por fragata.


Eugénio de Andrade 



publicado por omeuinstante às 13:00 | link do post

Se a linguagem é a morada do Ser, compete usá-la de modo a não nos desfigurarmos. Depois de dita, perduram resíduos.

 Por isso (…) foi dado ao homem a língua, o mais perigoso dos bens (…) para que ele dê testemunho do que ele é (…).

 Hölderlin 



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Domingo, 22 de Janeiro de 2012

A propósito das declarações inscientes de Cavaco Silva:

 

Cabe a cada um assumir por sua conta e risco a sua linguagem, pela procura da palavra adequada. À ontologia objectiva ou sociológica da fala deve substituir-se uma ontologia pessoal. O discurso não é mais do que um testemunho do ser, pelo que cabe a cada um fazer com que esse testemunho seja autêntico.

(...) O sentido último da palavra é de ordem moral.
 
Georges Gusdorf, A Palavra, Ed 70, p. 43



publicado por omeuinstante às 22:59 | link do post

Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2012



publicado por omeuinstante às 20:00 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Procida

A Sociedade do Cansaço

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO