Sexta-feira, 30 de Novembro de 2012


publicado por omeuinstante às 21:05 | link do post

Quarta-feira, 28 de Novembro de 2012

A liberdade abstracta é uma servidão real.



publicado por omeuinstante às 19:43 | link do post

Terça-feira, 27 de Novembro de 2012

Pela arte manifesta-se, também, a indignação com as desigualdades sociais e políticas. O quadro Guernica, pintado por Pablo Picasso, que retrata a Guerra Civil Espanhola, exemplifica significativamente a questão colocada.

Pablo Picasso foi perseguido e preso pelas tropas do general Franco. Ao prendê-lo, perguntaram a Picasso: Quem pintou guernica? e ele respondeu: Foram vocês!


E o mundo continua a pintar; desenfreadamente.

 



publicado por omeuinstante às 19:59 | link do post

Sábado, 24 de Novembro de 2012

(...) Neste preciso momento, há biliões de organismos neste planeta a jogar às escondidas. Mas para eles não se trata apenas de um jogo. É uma questão de vida ou de morte. Não se enganarem, não cometerem erros, tem sido de uma importância primordial para todos os seres vivos deste planeta desde há três biliões de anos; por isso, estes organismos desenvolveram milhares de formas diferentes de descobrir como é o mundo em que vivem, distinguindo os amigos dos inimigos, os alimentos dos companheiros e ignorando, em grande medida, o resto. É para eles importante não estarem mal informados acerca destas matérias – mas, regra geral, não se dão conta disto. Eles são os beneficiários de um equipamento delicadamente concebido para captar bem o que interessa, mas quando o seu equipamento funciona mal e capta as coisas mal, não têm, regra geral, recursos para se darem conta disto, quanto mais para o lamentarem. Eles limitam-se a prosseguir, inconscientemente. A diferença entre a aparência e a realidade das coisas é um hiato tão fatal para eles como o pode ser para nós, mas eles não se apercebem, em grande medida, disso. O reconhecimento da diferença entre a aparência e a realidade é uma descoberta humana. Algumas das outras espécies (alguns primatas, alguns cetáceos, talvez até algumas aves) reconhecem, aparentemente, o fenómeno da “crença falsa” – o engano. Mostram alguma sensibilidade aos erros dos outros e talvez até alguma sensibilidade aos seus próprios erros enquanto erros, mas não têm a capacidade de reflexão necessária para refletir nesta possibilidade, razão pela qual não podem usar esta sensibilidade para conceber deliberadamente correções ou aperfeiçoamentos nos seus próprios instrumentos de busca e dissimulação. Esse tipo de superação do hiato entre a aparência e a realidade é um ardil que só nós, os seres humanos, dominámos.

Somos a espécie que descobriu a dúvida. (…) As outras criaturas são muitas vezes visivelmente inquietadas pelas suas próprias incertezas acerca destas mesmas questões, mas, porque não podem, na verdade, colocar-se a si mesmas estas perguntas, não podem articular, para si próprias, os seus dilemas, nem tomar medidas para aperfeiçoar o seu controlo da verdade. Estão encurraladas num mundo de aparências, fazendo com elas o melhor que podem, raramente se preocupando (se é que alguma vez o fazem) com a questão de saber se a aparência corresponde à realidade. (...)

 

Daniel C. Dennett, Fé na Verdade – in Disputatio, n.º 3, novembro de 1997
(retirado do Manual Escolar 2.0)



publicado por omeuinstante às 19:04 | link do post

Sexta-feira, 23 de Novembro de 2012

Herberto Helder, 82 anos de vida. Homenagem ao Poeta. 
 

Um poema cresce inseguramente

na confusão da carne,
sobe ainda sem palavras, só ferocidade e gosto,
talvez como sangue
ou sombra de sangue pelos canais do ser.

 

Fora existe o mundo. Fora, a esplêndida violência
ou os bagos de uva de onde nascem
as raízes minúsculas do sol.
Fora, os corpos genuínos e inalteráveis
do nosso amor,
os rios, a grande paz exterior das coisas,
as folhas dormindo o silêncio,
as sementes à beira do vento,
- a hora teatral da posse.
E o poema cresce tomando tudo em seu regaço.

 

E já nenhum poder destrói o poema.
Insustentável, único,
invade as órbitas, a face amorfa das paredes,
a miséria dos minutos,
a força sustida das coisas,
a redonda e livre harmonia do mundo.

 

- Em baixo o instrumento perplexo ignora
a espinha do mistério.
- E o poema faz-se contra o tempo e a carne.




publicado por omeuinstante às 00:18 | link do post

Quinta-feira, 22 de Novembro de 2012

Depois do dia em verso, o inverso:

A criação dos chamados mega-agrupamentos. Mais uma etapa da gestão caótica que invade o sistema escolar.

Diz o Conselho Nacional de Educação: O reforço da centralização burocrática dentro dos agrupamentos, o aumento do fosso entre quem decide e os problemas concretos a reclamar decisão, a sobrevalorização da gestão administrativa face à gestão autónoma das vertentes pedagógicas, tem vindo a criar problemas novos onde eles não existiam.


Pois, sabíamos, sabemos: um modelo organizacional falho e pernicioso.
 



publicado por omeuinstante às 14:49 | link do post

dá-me a alegria, a sem razão nenhuma que se veja,

dou-te alegria, a sem caminhos na clareira,

a de nenhum sinal em terra nua.

dá-me a tristeza, a toda certa sem fronteiras.

dou-te tristeza, a cinza em cinza devastada,

a oiro no silêncio debruada.


por águas me verti, por rios, sementes.

de terra me vestes, a sombra do dia,

o sítio das flechas no corpo, na árvore.

no sossego das chuvas me reparto.

ficas no escuro, nos ramos nos frutos,

embrulho novelo a desajeito.

 

a porta quase aberta diz que me recebes,

quase fechada diz que me visitas.

assim te visite, assim te receba.

nenhuma palavra que o gesto não faça.

de águas me vista, em terra me vertas.

no corpo das flechas o sítio, nos rios.

António Franco Alexandre, Poemas, Assírio & Alvim, pág 290 



publicado por omeuinstante às 14:10 | link do post

Terça-feira, 20 de Novembro de 2012



publicado por omeuinstante às 18:30 | link do post



publicado por omeuinstante às 17:36 | link do post

Consequências decorrentes das leituras do dia:


1. C. Falzon

Pelo menos duas funções caracterizam o pensamento crítico. A primeira é tomar o peso às posições, crenças e argumentos para perguntar se as razões que as suportam são adequadas ou relevantes e se os argumentos apresentados são conformes a princípios de raciocínio consistente. A segunda função é a de questionar crenças e posições que se tornaram fechadas ou dogmáticas, para denunciar os limites de tal pensamento, as suas falhas  ou inaptidões para lidar com certos factos, considerações ou argumentos, e abrir o caminho para um modo diferente de pensar. 

 

2. A. Korzybskihospedagem de sites gratis php


Aqui. 



publicado por omeuinstante às 13:57 | link do post

Sábado, 17 de Novembro de 2012
Que faria eu sem este mundo sem rosto sem questões
Quando o ser só dura um instante onde cada instante
Se deita sobre o vazio dentro do esquecimento de ter sido
Sem esta onda onde por fim
Corpo e sombra juntos se dissipam
Que faria eu sem este silêncio abismo de murmúrios
Arquejando furiosos em direcção ao socorro em direcção ao amor
Sem este céu que se eleva
Sobre o pó dos seus lastros
Que faria eu eu faria como ontem como hoje
Olhando para a minha janela vendo se não serei o único
A errar e a mudar distante de toda a vida
preso num espaço marionete
Sem voz entre as vozes
Que se fecham comigo.

Samuel Beckett


publicado por omeuinstante às 11:30 | link do post

Quinta-feira, 15 de Novembro de 2012

como o livre e extraordinário criador e modelador de ti próprio, podes moldar-te na forma que preferires. Podes degenerar nas coisas baixas, que são brutas; podes regenerar, seguindo a decisão da tua alma, nas coisas elevadas, que são divinas.

 

Pico della Mirandola (1463-1494)



publicado por omeuinstante às 14:46 | link do post

Terça-feira, 13 de Novembro de 2012

Filhos dum deus selvagem e secreto 
E cobertos de lama, caminhamos 
Por cidades, 
Por nuvens 
E desertos. 
Ao vento semeamos 
O que os homens não querem. 
Ao vento arremessamos 
As verdades que doem 
E as palavras que ferem. 
Da noite que nos gera, e nós amamos, 
Só os astros trazemos. 
A treva ficou onde 
Todos guardamos a certeza oculta 
Do que nós não dizemos, 
Mas que somos.

José Carlos Ary dos Santos (1937 - 1984)



publicado por omeuinstante às 12:30 | link do post

Segunda-feira, 12 de Novembro de 2012

Em Portugal há um clima de nervosismo exponencial. Não é para menos, a União Europeia não é uma família de países democráticos. 

Os Estados- Nações conservam ainda alguma relevância política?



publicado por omeuinstante às 19:22 | link do post

Domingo, 11 de Novembro de 2012

Esta imagem vai muito bem com as cores da estação.
Narrativa que nos diz: quanto mais silêncio houver num dia, melhor ele é.revenda de hospedagem Inundação profunda; até à raiz. 

 


tags:

publicado por omeuinstante às 20:59 | link do post

Sábado, 10 de Novembro de 2012

Rei Lear, Terceiro Acto:


Quem está aí, além desta horrível tempestade?

 

 Shakespeare



publicado por omeuinstante às 21:01 | link do post

Sexta-feira, 9 de Novembro de 2012

A cosmologia é uma ciência fascinante. Há muitos anos que acompanho a evolução do objecto de estudo desta disciplina científica e com mais precisão o modelo do universo em expansão. 
Diz um comentador do Público: daqui a 1 trilião de anos, o universo vai extinguir-se devido à sua expansão e arrefecimento, devido ao efeito da energia negra que supera o efeito da gravidade.

Faltam estrelas no céu.  

 

 

Aqui 



publicado por omeuinstante às 21:25 | link do post

Poema de Ángel González ( 1925-2008). Lindo!

Si yo fuera Dios
y tuviese el secreto,
haría
un ser exacto a ti;
lo probaría
(a la manera de los panaderos
cuando prueban el pan, es decir:
con la boca),
y si ese sabor fuese
igual al tuyo, o sea
tu mismo olor, y tu manera
de sonreír,
y de guardar silencio,
y de estrechar mi mano estrictamente,
y de besarnos sin hacernos daño
-de esto sí estoy seguro: pongo
tanta atención cuando te beso;
entonces,
si yo fuese Dios,
podría repetirte y repetirte,
siempre la misma y siempre diferente,
sin cansarme jamás del juego idéntico,
sin desdeñar tampoco la que fuiste
por la que ibas a ser dentro de nada;
ya no sé si me explico, pero quiero
aclarar que si yo fuese
Dios, haría
lo posible por ser Ángel González
para quererte tal como te quiero,
para aguardar con calma
a que te crees tú misma cada día,
a que sorprendas todas las mañanas
la luz recién nacida con tu propia
luz, y corras
la cortina impalpable que separa
el sueño de la vida,
resucitándome con tu palabra,
Lázaro alegre,
yo,
mojado todavía
de sombras y pereza,
sorprendido y absorto
en la contemplación de todo aquello
que, en unión de mí mismo,
recuperas y salvas, mueves, dejas
abandonado cuando -luego- callas...
(Escucho tu silencio.
Oigo
constelaciones: existes.
Creo en ti.
Eres.
Me basta ).

 



publicado por omeuinstante às 00:02 | link do post

Quinta-feira, 8 de Novembro de 2012

Apeasar de Colucio salutati (1331-1406) não ter sido um grande teórico da política do seu tempo, o seu Tratado sobre o Tirano, escrito em 1400, aborda temas  de uma actualidade desesperante.

O contexto da obra é interessante. Surge da necessidade de responder ao quesito de um estudante de direito canónico sobre se Dante teria tido razão ao enviar os assassinos de César para o último grau do seu Inferno.

Estamos perante um relato acerca das disputas medievais sobre o fundamento jurídico do governo.

Fica um pequeno excerto sobre o direito de resistir:

 

Mas voltemos ao argumento. A propósito do qual me parece estar agora suficientemente demonstrado como por direito, não só uma parte do povo, mas também qualquer cidadão particular pode impunemente resistir a quem quiser fazer-se tirano, esmagando sem piedade um tal monstro com as armas e com o sangue. Não só no acto em que ele usurpe o governo, mas também depois de o haver, e mesmo se tiver passado algum tempo, durante o qual talvez se tenham colhido meios e ajuda para o repelir.

Adaptação a partir do livro de Umberto Cerroni O Pensamento Político, volume II



publicado por omeuinstante às 23:09 | link do post

Quarta-feira, 7 de Novembro de 2012

A velhice é a paródia da vida.


Simone de Beauvoir



Francisco de Goya, Dois velhos comendo sopa



publicado por omeuinstante às 20:00 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Dia Internacional da Mulh...

Noctua - Schubert

Junho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO