Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2013

                               V

 

Esta linguagem é pura. No meio está uma fogueira

e a eternidade das mãos.

Esta linguagem é colocada e extrema e cobre, com suas

lâmpadas, todas as coisas.

As coisas que são uma só no plural dos nomes.

- E nós estamos dentro, subtis e tensos

na música.

 

(...)

Herberto Helder, Poesia Toda, pág. 77. 



publicado por omeuinstante às 21:02 | link do post

Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2013

 e cada dia que passa é demasiado tarde,

 

Esta narrativa e esta arquitectura de subalternização do estatuto dos cidadãos terá de ser contrariada no ano que agora começa. Não é tarefa fácil. Desde 2012 que os responsáveis pela austeridade, pela espiral recessiva e pelo desastre social perceberam que os cidadãos são uma maçada. Um «entrave» à governação, tal como a Constituição e a democracia. O aumento da contestação, nas suas múltiplas formas, fez regressar o povo como sujeito histórico e mostrou-lhes que era tempo de juntar algumas cenouras ao discurso do bastão dos «malandros culpados».

Sandra Monteiro 



publicado por omeuinstante às 18:11 | link do post

Domingo, 17 de Fevereiro de 2013


publicado por omeuinstante às 22:33 | link do post

Em poucas palavras, Vergílio Ferreira estica a corda até à fronteira do pensamento: por que razão filosofamos?

Porque nos assola o sentido da existência; porque a nossa inadaptação, essencial, desperta a tarefa de pensar. A morte, lugar de toda a filosofia.

Não, a morte não é um "acidente de percurso". Percurso para onde? Não há mais percurso nenhum. Ela é apenas, com o nascer, o enquadramento de uma vida, que é o intervalo solar de duas noites que a limitam. Mas se só houvesse luz, a luz não existia. Pensa a noite para conhecer a exaltação do dia. Que há de mais importante para a vida do que saber que há a morte? Filosofar é prepararmo-nos para ela. Disse-o Sócrates. Disse-o Cícero. Di-lo tu também, que também és gente.

 

Vergílio Ferreira, Pensar 

 



publicado por omeuinstante às 16:39 | link do post

Terça-feira, 12 de Fevereiro de 2013

O Homem vive simultaneamente como sujeito livre e objecto determinado...

Bem a propósito, aconselho a leitura do seguinte trecho de Karl Marx presente no artigo de Terry Eagleton "O Imaginário Kantiano" na Revista Crítica (Revista do Pensamento Contemporâneo), na edição de Novembro de 1991, pág. 70.

Nos nossos dias, tudo parece prenhe do seu contrário. Sendo nós uma maquinaria dotada do maravilhoso poder de reduzir e fazer frutificar o trabalho humano, contemplamos a fome e a morte por excesso de trabalho. As fontes de riqueza da moda são convertidas, por uma estranha magia, em fontes de penúria. As vitórias da arte parecem ser compradas com a perda do carácter. Na mesma medida em que a humanidade domina a natureza, parece ter sido o homem escravizado por outros homens e pela própria infâmia. Mesmo a luz pura da ciência parece incapaz de brilhar a não ser sobre o fundo escuro da ignorância. Toda a nossa invenção e todo o nosso progresso parecem ter como consequência dotar as forças materiais de vida intelectual e reduzir a vida humana a uma força material. Este antagonismo entre a indústria e a ciência modernas, por um lado, e miséria e dissolução, por outro; este antagonismo entre as forças produtivas e as relações sociais, na nossa época, é um facto pálpavel, esmagador, que não pode ser desmentido.

 

 



publicado por omeuinstante às 21:14 | link do post

Quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2013

Há dias, no i, li o artigo de José de Faria Costa sobre "infobesidade". Ontem, nas Caldas da Rainha, Manuel Maria Carrilho dissertou sobre o tema Pensar o Mundo. Dois momentos distintos, mas a mesma ânsia de procura de sentido e a necessidade de definir com rigor os conceitos com que exercemos o espaço comunicacional e público; político, portanto. Une-os o relevo que ambos colocam na necessidade de nos interrogarmos sobre o exercício de pensar; e de pensarmos efectivamente o mundo. 

Enquanto José de Faria Costa argumenta sobre o lado bom do acesso fácil e rápido à informação e sobre a necessidade de colocar a reflexão sobre o que é bom para termos pessoas a pensar, Manuel Maria Carrilho apresenta o tempo presente como lugar do mutante antropológico e de seres que sabem sem aprender, bastando-lhes para tanto clicar. 

Se a sociedade actual é repassada de pessoas multitarefas e de doses de informação em massa, então urge salientar o primado da interrogação reflexiva sobre tudo mas sem nunca perdermos a noção de que o infinito do pensar se não coaduna com o finito das nossas próprias capacidades intelectuais.

E não nos deixemos morrer de overdose de informação; e de cliques.



publicado por omeuinstante às 22:00 | link do post


 A mais poderosa inclinação, e o maior apetite do homem, é desejar ser. […] Não está o erro em desejarem os homens ser; mas está em não desejarem ser o que importa.

 

Sermão de Todos os Santos, no Convento de Odivelas, em 1643



Sabeis porque vos querem mal vossos inimigos? Ordinariamente é porque vêem em vós algum bem que eles quiseram ter, e lhes falta.

 

Sermão da Primeira Sexta-Feira da Quaresma, Lisboa, na Capela Real, 1649



publicado por omeuinstante às 17:36 | link do post

Sábado, 2 de Fevereiro de 2013

Caldas da Rainha: em defesa da escola pública

Aqui

 



publicado por omeuinstante às 18:01 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Procida

A Sociedade do Cansaço

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO