Domingo, 31 de Março de 2013

 

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego...

Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece...

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente...

Fernando Pessoa, Cancioneiro



publicado por omeuinstante às 19:03 | link do post

Sábado, 30 de Março de 2013

 

 

 

 

 

 

Museu do Comunismo. Praga (2013)



publicado por omeuinstante às 22:37 | link do post

O aforismo, síntese de experiências e de ideias recebidas, surge, na escrita de Agustina Bessa-Luís, como exercício da razão (e)vidente. E,  salienta Teresa Moura Guedes, obriga-nos a rever as nossas ignoradas convicções.

 

Não se deve falar profundamente do que é importante.



publicado por omeuinstante às 21:50 | link do post

 

 

Amanhecer em Praga (2013)



publicado por omeuinstante às 00:01 | link do post

Sexta-feira, 29 de Março de 2013

Frei Bento Domingues, comentando a situação do país e o papel da igreja perante a austeridade, declara: perante tanta injustiça, a insurreição acontecerá. 



publicado por omeuinstante às 21:13 | link do post

Entrevista com Giorgio Agamben

 

 

 Aqui



publicado por omeuinstante às 12:19 | link do post

Quarta-feira, 27 de Março de 2013

Depois de uma semana fora do país, regresso a casa por volta das 21h. A RTP1 tem no ar O Fim do Silêncio, um programa de humor negro acerca das grandes narrativas do passado recente e de algum presente. Em duas horas, José Sócrates transforma-se na Palavra.

 

Com a ajuda de Kafka, permaneço em Praga e memorizo as metamorfoses múltiplas por que passa a história dos homens.



publicado por omeuinstante às 22:12 | link do post

Quarta-feira, 20 de Março de 2013

 

 

 World Press Photo. Daniel Rodrigues.



publicado por omeuinstante às 21:34 | link do post

Quarta-feira, 13 de Março de 2013


                        Canto V - 60

Mas não sejamos pessimistas. Até os pintores

dizem estar a surgir, por estes tempos,

um cesto cheio de novas cores.

Certos tratamentos químicos contemporâneos têm sido

experimentados à luz do sol,

e esta parece finalmente perceber o progresso.

Em pleno século XXI já não fazem sentido astros teimosos

e autónomos.


Gonçalo M. Tavares, Uma Viagem À Índia, Caminho, pág 229.



publicado por omeuinstante às 00:05 | link do post

Terça-feira, 12 de Março de 2013

 

O primeiro grande símbolo do romance A Montanha Mágica: o título, que Thomas Mann retira de O Nascimento da Tragédia.

"Agora a montanha mágica do Olimpo como que se nos abre e mostra as suas raízes. O grego conheceu e sentiu os pavores e horrores da existência: para poder não mais que viver, precisou conceber a resplandecente criatura onírica dos olímpicos.”

A montanha, símbolo da situação do homem perante a morte?


Interpretações... Mas q
uando Hans Castorp ouve A Tília, uma canção de Schubert, compreende que é a morte que se encontra por detrás de tão notável beleza.

 



publicado por omeuinstante às 20:08 | link do post

Domingo, 10 de Março de 2013


Acabei de ouvir a sentença proferida por Junker: " Os demónios de uma guerra europeia estão apenas a dormir"

Perante tal afirmação, e sob o céu chuvoso e turbulento, reservo a noite à leitura de A Montanha Mágica. Alguns críticos, curiosamente,  interpretam o romance como um momento de reflexão sobre o destino da cultura europeia (Europa pré-Segunda Guerra Mundial).



publicado por omeuinstante às 19:46 | link do post


Lola é um filme belíssimo. Os planos narrativos edificam a história, quase documental, de duas avós unidas por uma tragédia, apesar de estarem em lados distintos. Uma é avó de um rapaz que matou um homem durante um assalto e a outra é avó da vítima. Lutam contra o esquecimento dos seus netos, numa cidade consumida por profundas injustiças sociais.

Um filme sobre a determinação da vontade, ainda que encarcerada em corpos frágeis e trespassados pelas tempestades da natureza e da vida.

Neste filme, são os olhos do espectador que dissolvem os dilemas morais mas cansam-se de tanta verdade...
Em Lola, o realizador filipino Brillante Mendoza liberta, pela força da lentidão, um fragmento de realidade.
 



publicado por omeuinstante às 01:00 | link do post

Quarta-feira, 6 de Março de 2013


Quem não me deu Amor, não me deu nada.

Encontro-me parado...

Olho em redor e vejo inacabado

O meu mundo melhor.

Tanto tempo perdido...

Com que saudade o lembro e o bendigo:

Campos de flores

E silvas...

Fonte da vida fui. Medito. Ordeno.

Penso o futuro a haver.

E sigo deslumbrado o pensamento

Que se descobre.

Quem não me deu Amor, não me deu nada.

Desterrado,

Desterrado prossigo.

E sonho-me sem Pátria e sem Amigos.

Adrede.

Ruy Cinatti, O Livro do Nómada meu Amigo

 



publicado por omeuinstante às 15:17 | link do post

Um facto aqui, outro ali, estamos outra vez na Europa de 1945, obrigados a partir do nada, forjando uma geração de contestatários, revendo princípios e valores, estupefactos com a insolência das tríades dominantes. Por enquanto, esse sentimento de estupefacção obnubila a visão de conjunto. Sabemos que algo terá de acontecer, mas não exactamente o quê, nem quando. Até lá, por cada mercearia que falir, um banco será resgatado com o dinheiro dos nossos impostos.

Da Literatura



publicado por omeuinstante às 13:50 | link do post

Terça-feira, 5 de Março de 2013

 

Estamos rodeados de ruído. Da imagem à palavra, é audível a deformidade em que nos afogamos no excesso de tudo; uma catadupa de impressões, que fere a inteligência de qualquer ser. Um aborrecimento, portanto. Vem a propósito lembrar Kierkegaard: o aborrecimento é a raiz de todo o mal. 

 

 

 

 


 


publicado por omeuinstante às 20:40 | link do post

Segunda-feira, 4 de Março de 2013


Cansa sentir quando se pensa.


Fernando Pessoa, Cancioneiro
(9-11-1932)
 



publicado por omeuinstante às 19:27 | link do post

Sábado, 2 de Março de 2013

Porque não há mandatos imperativos.
Caldas cumpriu!



Fotografia - Gazeta das Caldas


 
Fotografia - Blogue Correntes

 



publicado por omeuinstante às 23:50 | link do post



 



publicado por omeuinstante às 00:05 | link do post

Sexta-feira, 1 de Março de 2013



publicado por omeuinstante às 22:42 | link do post

Porque a democracia resta por vir, tal é a sua essência na medida em que ela resta: não apenas ela restará indefinidamente perfectível, logo sempre insuficiente e futura mas, pertencendo ao tempo da promessa, restará sempre, em cada um dos seus tempos futuros, por vir [à venir]: mesmo quando há democracia, esta não existe nunca, não está nunca presente, permanecendo o tema de um conceito não apresentável. Será possível abrir ao "vem" de uma certa democracia que não seja mais um insulto à amizade que tentámos pensar para além do esquema homo-fraternal e falologocêntrico? Quando estaremos nós prontos para uma experiência da liberdade e da igualdade que faça a prova respeitosa desta amizade, e que seja finalmente justa, justa para além do direito, quer dizer, à medida da sua desmesura? Ó meus amigos democratas…

 

Derrida, Políticas da Amizade



publicado por omeuinstante às 00:05 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Procida

A Sociedade do Cansaço

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO