Terça-feira, 30 de Abril de 2013


publicado por omeuinstante às 21:00 | link do post

Segunda-feira, 29 de Abril de 2013

 

Tudo está 

no som. Uma canção.

Raramente uma canção. Deveria

 

ser uma canção - com

pormenores, vespas,

uma genciana - algo

imediato, tesouras

 

abertas, olhos

de mulher - centrífuga

ao despertar, centrípeta

 

William Carlos Williams, Antologia Breve, Assírio & Alvim, pág. 73

( selecção e tradução - José Agostinho Baptista)



publicado por omeuinstante às 22:53 | link do post

Sábado, 27 de Abril de 2013

 

Ainda esta semana, na secretaria da escola, fui prontamente corrigida ao designar o grupo disciplinar em que lecciono: - Não professora, 410.

O fim das escolas

 

Um texto, oportuno, onde, através de um jogo de linguagem, se pensa a Escola e os seus desafios actuais.



publicado por omeuinstante às 18:01 | link do post

Sexta-feira, 26 de Abril de 2013

 


Em O Amigo, Agamben apresenta-nos o heteros autos como alteridade imanente na mesmidade e define a amizade nos limites da con-partilha. Não há na amizade nenhuma relação entre sujeitos: é o próprio ser que é dividido, que não é idêntico a si, e o eu e o amigo são as duas faces - ou antes os dois pólos - desta con-partilha. Tendo como pré-texto um trecho da Ética Nicomaqueia de Aristóteles e depois de termos sido convidados a fazer a leitura em conjunto, Agamben discursa sobre a relação humana da amizade e sobre as bases ontológicas e políticas em que se auto-sustenta.


A amizade é a instância desse con-sentimento da existência do amigo no sentimento da sua própria existência.





publicado por omeuinstante às 20:09 | link do post

Quinta-feira, 25 de Abril de 2013

 

Esta é a madrugada que eu esperava

0 dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo.


Sophia de Mello Breyner Andresen




publicado por omeuinstante às 00:09 | link do post

Terça-feira, 23 de Abril de 2013

 

Ontem, no Público

 

O sistema funciona como uma série de cavernas rochosas, em que já não sabemos se estamos a ouvir o grito ou o eco. A notícia é já somente a reverberação daquilo que disse fulano sobre o que comentou sicrano acerca do desafio lançado por beltrano.
(...)

A verdadeira tragédia anda soterrada debaixo de tanto falatório. Está nas pessoas desempregadas, na dificuldade em pagar as contas, nas dívidas que se acumulam, nos negócios que vêem aproximar-se a guilhotina das falências. Pior, a verdadeira tragédia vive exacerbada por este ambiente político e mediático: esperando por um ponto de viragem, mas só encontrando no discurso público inconsequências e mais-do-mesmo, as pessoas acabam por descrer.


 Rui Tavares



publicado por omeuinstante às 11:44 | link do post

Sexta-feira, 19 de Abril de 2013

 

 

 

Rio Vltava. Praga (2013)


tags: ,

publicado por omeuinstante às 12:32 | link do post

Quarta-feira, 17 de Abril de 2013


Pouco me importa.

Pouco me importa o quê? Não sei: pouco me importa.


Alberto Caeiro, Poemas Inconjuntos



publicado por omeuinstante às 22:53 | link do post


A arte é uma constante pergunta. É a busca do sentido.


Manuel Alegre, ontem, na TVI 24.




publicado por omeuinstante às 00:02 | link do post

Terça-feira, 16 de Abril de 2013


publicado por omeuinstante às 20:27 | link do post

Segunda-feira, 15 de Abril de 2013


Neste espaço a si próprio condenado
Dum movimento para o outro pode entrar

Um pássaro que levante o céu
E sustente o olhar

…………………………………………

Com a tristeza acender a alegria
Com a miséria atear a felicidade
E no céu inocente da visão 
Fazer pulsar um pássaro por vir
Fazer voar um novo coração


Alexandre O'Neill, epígrafe ao livro "No Reino da Dinamarca", 1958



publicado por omeuinstante às 00:05 | link do post

Domingo, 14 de Abril de 2013

O contrário da matéria

            não é o espírito.

O contrário da matéria

            não é a anti-matéria.

O contrário da matéria

                              é o olhar.

 

Pedro Mexia, Duplo Império



publicado por omeuinstante às 19:00 | link do post

Sábado, 13 de Abril de 2013

 

 

 Obras de Paula Rego deixam Casa das Histórias

 

 

 

A Companhia de teatro A Barraca fecha portas



publicado por omeuinstante às 15:36 | link do post

Quinta-feira, 11 de Abril de 2013


Exposição histórico-retrospectiva "Da Alemanha, 1800-1939: De Friedrich a Beckmann",


Ao todo, são duas centenas de obras distribuídas por três núcleos temáticos: Apolíneo e Dionisíaco; A Paisagem como História, de Caspar David Friedrich a George Grosz; Ecce-Homo, Humano-Desumano. Começa sob os auspícios de Goethe e Nietzsche, e de um lugar simultaneamente temporal e geográfico que tanto vai beber à estética Grécia clássica como ao desejo de um presente germânico-alemão. Gottlieb Schick, Moritz von Schwind, Friedrich Schinkel, Arnold Böcklin, Hans von Marées, Franz von Stuck e os já referidos Caspar David Friedrich e Max Beckmann são os artistas em cena.

O desejo de erigir a pintura da Paisagem em pintura da História, fazendo da natureza a protagonista maior desta arte, é o denominador comum do segundo núcleo, com obras de Jacob Philip Hackert, Joseph Anton Koch, Carl Gustav Carus, Philip Otto Runge, Paul Klee, Otto Dix, Franz Radziwill e George Grosz, além de uma grande sala dedicada a Friedrich.

Finalmente, Ecce Homo, na sua dupla dimensão humano-desumano, abre com a famosa tela de Adolf Friedrich Erdman von Menzel, A Forja (1872-75), elogio dos novos ciclopes, os heróis do trabalho, sobre cujo imaginário se erigiu a Prússia, e atravessa o traumatismo da Primeira Guerra Mundial até ao advento do nazismo e da barbárie. Lovis Corinth, Otto Dix, George Grosz, Christian Schad e Max Beckmann ajudam também a traçar este percurso, que, na história da pintura, desemboca na famosa exposição Arte degenerada, organizada pelos nazis em Munique, em 1937. Bastariam mais dois anos para que nem a Arte nem a História voltassem a ser as mesmas...





publicado por omeuinstante às 10:31 | link do post

Segunda-feira, 8 de Abril de 2013


Título Original - Le Pére de mes Enfants (2009)
Realização - Mia Hansen-Løve

Roteiro de leitura
O Homem, ser aberto à experiência
Experiênciar é sofrer
As condicionantes da acção humana (a questão da vontade)
O que é a Felicidade?


publicado por omeuinstante às 19:40 | link do post

 

 



publicado por omeuinstante às 12:14 | link do post

Sexta-feira, 5 de Abril de 2013

 

Mulheres e Mulherzinhas



publicado por omeuinstante às 12:06 | link do post

Quinta-feira, 4 de Abril de 2013

...

O vento está visivelmente cansado

...

 

 

Cruzeiro Seixas, Os Segredos do Vento, 2004.



publicado por omeuinstante às 21:11 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Procida

A Sociedade do Cansaço

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO