Quinta-feira, 30 de Maio de 2013

 

Em vez de avançar para a autotransparência, a sociedade das ciências humanas e da comunicação generalizada avançou para aquela que, pelo menos em geral, se pode chamar a "fabulação do mundo". As imagens do mundo que nos são fornecidas pelos media e pelas ciências humanas, embora em planos diferentes, constituem a própria objectividade do mundo, e não apenas interpretações diferentes de uma "realidade" de algum modo dada. " Não nos fizeram, apenas interpretaram", segundo o dito de Nietzsche, que escreveu também que " o mundo verdadeiro tornou-se uma fábula".

 Não tem, decerto, sentido negar pura e simplesmente uma "realidade unitária" do mundo, numa espécie de recaída nas formas de idealismo empírico-ingénuas. Mas tem mais sentido reconhecer que aquilo que chamamos a "realidade do mundo" é alguma coisa que se constitui como "contexto" das múltiplas fabulações - e tematizar o mundo nestes termos é precisamente o dever e o significado das ciências humanas.


Gianni Vattimo, A Sociedade Transparente

(Em Diálogo, Manual 11º ano)



publicado por omeuinstante às 21:26 | link do post

Domingo, 26 de Maio de 2013

 

O efeito final de proteger os homens contra os efeitos da loucura é encher o mundo com os tolos.

 

Herbert Spencer



publicado por omeuinstante às 22:36 | link do post

Sábado, 18 de Maio de 2013

 

XXXIII

 

Devemos andar sempre bêbedos. Tudo se resume nisto: é a única solução. Para não sentires o tremendo fardo do Tempo que te despedaça os ombros e te verga para a terra, deves embriagar-te sem cessar.
Mas com quê? Com vinho, com poesia ou com a virtude, a teu gosto. Mas embriaga-te.
E se alguma vez, nos degraus de um palácio, sobre as verdes ervas duma vala, na solidão morna do teu quarto, tu acordares com a embriaguez já atenuada ou desaparecida, pergunta ao vento, à onda, à estrela, à ave, ao relógio, a tudo o que se passou, a tudo o que gemeu, a tudo o que gira, a tudo o que canta, a tudo o que fala, pergunta-lhes que horas são: " São horas de te embriagares! Para não seres como os escravos martirizados do Tempo, embriaga-te, embriaga-te sem cessar! Com vinho, com poesia, ou com a virtude, a teu gosto."

Charles Baudelaire, O Spleen de Paris ( Pequenos poemas em prosa), Relógio d`Água, p.105 



publicado por omeuinstante às 22:48 | link do post

Terça-feira, 14 de Maio de 2013


publicado por omeuinstante às 21:54 | link do post

Sexta-feira, 10 de Maio de 2013

 

Uma das frases mais famosas de todos os tempos foi pronunciada, há mais de 2000 anos, por Cícero ( 104-43 a.C.), orador e pensador político romano. Cícero discursa perante o Senado de Roma, visando destruir uma tentativa de golpe de estado contra a República. A conspiração contra o Senado era dirigida por Lúcio Sérgio Catilina, candidato vencido ao cargo de cônsul. Desde Cícero, o termo "catilinária" passou a designar uma acusação enérgica e eloquente.

Oh tempos, oh costumes!


Cícero, As Catilinárias (0 texto consta do Caderno de Actividades Percursos - Filosofia 11º Ano, Areal Editores)

 

 

 



publicado por omeuinstante às 00:02 | link do post

Terça-feira, 7 de Maio de 2013

 

                               I


- De quem gostas mais, diz lá, homem enigmático? de

teu pai, de tua mãe, de tua irmã, ou de teu irmão?

- Não tenho pai, nem mãe, nem irmão, nem irmã.

- Dos teus amigos?

- Eis uma expressão cujo sentido até hoje ignorei.

- Da tua pátria?

- Não sei a latitude em que está situada.

- Da beleza?

- Amá-la-ia de boa vontade, divina e imortal.

- Do oiro?

- Odeio-o tanto como vós a Deus.

- Então que amas tu, singular estrangeiro?

- Amo as nuvens...as nuvens que passam...lá longe...

as maravilhosas nuvens!

 

Charles Baudelaire, O Spleen de Paris (Pequenos poemas em prosa), Relógio dgua, p.11



publicado por omeuinstante às 11:48 | link do post

Segunda-feira, 6 de Maio de 2013

o dia cai

há infelizes que o fim de tarde não acalma

e nem os descontentes entram na dança.


um golpe de vista sobre a cidade

toda a miséria embuçada

e a criança sem paciência e alma.

 

antes da noite

há amores felizes no cheiro bizarro da rosa

e o mar é turíbulo desconhecido.

 


tags:

publicado por omeuinstante às 20:13 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Procida

A Sociedade do Cansaço

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO