Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2015

 

cadências, que são dobras solidárias.

 

até dentro da pele.

as aves migram

calmamente. eu

permaneço aqui.

 

Vasco Graça Moura, Poesia 1963/1995



publicado por omeuinstante às 21:46 | link do post

 

Ontem, na Academia das Ciências, Filipa Prudêncio recebeu o prémio Professor Abreu Faro (1º edição), atribuído pelo Instituto Superior Técnico. 

Parabéns!

18042271_kqKMv.jpeg

 

 

IMG_6729.JPG

 

 

IMG_6736.JPG 



publicado por omeuinstante às 18:54 | link do post

Sábado, 14 de Fevereiro de 2015

 

Sobre as relações entre a arte e a realidade. 

 

images-1.jpeg

 

René Magritte, O Império das Luzes, 1954.

 

 



publicado por omeuinstante às 15:51 | link do post

Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2015

 

Sim, há um país que  não esquece. Sim, há um país que quer Humberto Delgado.

 

 Chaves, Maio de 1958. Humberto Delgado em campanha eleitoral.

 

10928179_10153060014577365_1720867674459235814_n.j

 Imagem encontrada em "Grupo Cidade de Chaves", FB.

(Obrigada, pai, por estares ali tão perto...) 
 



publicado por omeuinstante às 20:55 | link do post

Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2015

" Ninguém espera da música ou da arquitectura que reproduzam a realidade sonora nem o mundo das formas que podemos ver na natureza. São linguagens, artes da combinação e da composição de signos e de formas. Pode acontecer que a música reproduza instrumentalmente o som de um fenómeno real, como uma tempestade ou o ruído de uma batalha. Assim, "O amor" ou "vento na planície" são o tema de composições de Claude Debussy. Mas não reproduzem esses fenómenos exactamente: transfiguram-nos, evocam-nos, não os imitam. Uma tempestade numa ópera não é uma tempestade, é música.

Por que razão o que é evidente numa arte como a música deixaria de o ser em pintura? Por que não chamamos ao pintor um "compositor" tal como o fazemos com o músico? Estará o pintor vocacionado para copiar o mais exactamente possível o que é dado ao seu olhar? A sucessão de notas músicais não é uma sucessão de ruídos naturais. Por que razão pensar que o que vemos sobre a tela deve ser o que vemos no mundo?"

 

Hervé Boillot, 50 modèles de dissertations philosophiques. (adaptado)



publicado por omeuinstante às 19:09 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Ficções do interlúdio

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Dia Internacional da Mulh...

Noctua - Schubert

Junho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO