Domingo, 18 de Setembro de 2011

Apetece cantar, mas ninguém canta.
Apetece chorar, mas ninguém chora.
Um fantasma levanta
A mão do medo sobre a nossa hora.

Apetece gritar, mas ninguém grita.
Apetece fugir, mas ninguém foge.
Um fantasma limita
Todo o futuro a este dia de hoje.

Apetece morrer, mas ninguém morre.
Apetece matar, mas ninguém mata.
Um fantasma percorre
Os motins onde a alma se arrebata.

Oh! Maldição do tempo em que vivemos,
Sepultura de grades cinzeladas,
Que deixam ver a vida que não temos
E as angústias paradas! 

Miguel Torga, Cântico do Homem
 

Dies Irae -  Dias da Ira, título de um hino do século XIII escrito por Tomás de Celano.


 



publicado por omeuinstante às 12:30 | link do post

1 comentário:
De Lucas a 18 de Setembro de 2011 às 20:51
Dies Irae, título tb presente na música!


Comentar post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

As Noites Afluentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Dia Internacional da Mulh...

Noctua - Schubert

Do Risco Existencial

Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO