Sábado, 17 de Dezembro de 2011

Eu contarei a beleza das estátuas -

Seus gestos imóveis ordenados e frios -

E falarei do rosto dos navios

 

Sem que ninguém desvende outros segredos

Que nos meus braços correm como rios

E enchem de sangue a ponta dos meus dedos.

 

Sophia de Mello Breyner Andresen, No tempo divivido (1954)




publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

3 comentários:
De isabelxavierix@gmail.com a 17 de Dezembro de 2011 às 14:39
Curiosamente, e apesar deste texto soar primeiro que tudo a balanço do já feito, parece-me ler nele o anúncio de um recomeço.
É bom mudar; a mudança é em si mesma um valor. Talvez agora seja tempo de uma maior diversificação, é o que me parece ler aqui.
Sem dúvida.
Agradeço a edição das minhas citações de Deleuze. Tive grande gosto nisso.
Aquele abraço, Paulo.

- Isabel X -


De Isabel X a 17 de Dezembro de 2011 às 15:09
Mais uma vez, inadvertidamente, aqui veio parar este meu comentário antigo- Peço desculpa por isso. Espero que o problema esteja definitivamente resolvido.
- Isabel X -


De Cláudia S. Tomazi a 17 de Dezembro de 2011 às 15:47
São trajetórias
aspectos irregulares
de tantos pares que pares assim distintos
miram em cascatas
por sofrer antigo.



A defesa mora no castelo.


Comentar post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

A Árvore Dos Tamancos

Futuros Distópicos

Fragmento do Homem

No espaço vazio do tempo ...

A Nova Ignorância

Dia das Mulheres

Dia Internacional da Mulh...

Noctua - Schubert

Do Risco Existencial

Horizontes

Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos
blogs SAPO