Quarta-feira, 28.09.11

‎Os dias talvez sejam iguais para um relógio, mas não para um homem.

 

Marcel Proust



publicado por omeuinstante às 10:14 | link do post

Terça-feira, 20.09.11

 A verdade é insatisfeita, destrói-se ininterruptamente para dar lugar a outra verdade, tal os mitos, que duram só até outros nascerem.

 

Fernando Namora



publicado por omeuinstante às 22:19 | link do post

... assim é a voz do poeta: um fio de silêncio costurando o tempo.

 

Mia Couto



publicado por omeuinstante às 13:30 | link do post

Sábado, 17.09.11

Se há aqui excesso de nomes e referências, sejam eles tomados como montagem, concebida num apoio cultural estilisticamente irónico.

 

Herberto Helder



publicado por omeuinstante às 23:00 | link do post

Segunda-feira, 12.09.11

Na vida não há aulas para principiantes, exigem-nos logo o mais difícil.

Rainer Rilke 



publicado por omeuinstante às 14:12 | link do post

Sábado, 10.09.11

Vitorino Nemésio (1901-1978) ensaísta, escritor e poeta, vai ser homenageado no Centro Cultural de Belém, no dia 18 de Setembro, a partir das 15 horas.

Oportunidade para acordar a memória, ao sabor de re-leituras que o tempo guardou; através da obra poética, e, se bem me lembro, do romance Mau Tempo no Canal. 

 

Quando penso no mar

A linha do horizonte é um fio de asas

E o corpo das águas é luar;

 

De puro esforço, as velas são memória

E o porto e as casas

Uma ruga de areia transitória.

 

Sinto a terra na força dos meus pulsos:

O mais  mar, que o remo indica,

E o bombeado do céu cheio de astros avulsos.

 

Eu, ali, uma coisa imaginada

Que o eterno pica,

 Vou na onda, de tempo carregada,

 

E desenrolo:

Sou movimento e terra delineada,

Impulso e sal de pólo a pólo.

 

Quando penso no mar, o mar regressa

A certa forma que só teve em mim –

Que onde ele acaba, o coração começa.

 

Começa pelo aro das estrelas

A compasso retido em mente pura

E avivado nos vidros das janelas.

 

Começa pelo peito das baías

Ao rosar-se e crescer na madrugada

Que lhe passa ao de leve as orlas frias.

 

E, de assim começar, é abstracto e imenso:

Frio como a evidência ponderada,

Quente como uma lágrima num lenço.

 

Coração começado pelos peixes,

És o golfo de todo o esquecimento

Na mínima lembrança que me deixes,

 

E a Rosa dos Ventos baralhada:

Meu coração, lágrima inchada,

Mais de metade pensamento.


 



publicado por omeuinstante às 17:55 | link do post

Terça-feira, 06.09.11

O conto de Nikolai Gógol ( 1809-1852), o Retrato, narra a história de um quadro que desperta o desejo de agir de forma maléfica em todos os que entram em contacto com ele. A causa, uns olhos diabolicamente pintados que se revelam nocivamente vivos.
O jovem pintor, Tchartkov, adquire o quadro no Mercado Chiúkin, e, repentinamente, como se tivesse sido tocado por uma doença, troca o seu talento por uma vida supérflua e auto-destrutiva.
É, antes de tudo, um excelente exercício reflexivo sobre a arte e a vida; sobre os valores; sobre a duplicidade que existe em cada ser, mas que vive oculta nas profundezas da alma. 
Digo, uma narrativa apaixonante.

 



publicado por omeuinstante às 19:34 | link do post

Sábado, 03.09.11

Existe um grande número de pessoas na sala de leitura, mas uma há que não está ciente delas. As pessoas estão dentro dos livros. Movem-se, por vezes, dentro das páginas, como dormentes alternando-se entre dois sonhos. Ah, como é bom estar entre pessoas que lêem.

 

 Rilke



publicado por omeuinstante às 15:12 | link do post

Quarta-feira, 20.07.11

Encarar a vida pela frente... Sempre... Encarar a vida pela frente, e vê-la como ela é... Por fim, entendê-la e amá-la pelo que ela é... E depois deixá-la seguir... Sempre os anos entre nós, sempre os anos... Sempre o amor... Sempre a razão... Sempre o tempo... Sempre... As horas.

Virginia Woolf



publicado por omeuinstante às 17:22 | link do post

Terça-feira, 19.07.11

A Literatura não é teoria, é paixão.

 

 

Tzvetan Todorov



publicado por omeuinstante às 18:11 | link do post

Sexta-feira, 15.07.11

Gosto de olhar Em Busca do Tempo Perdido, como uma obra de retratos. Proust era dotado de um dom de observação agudo e através dele descreve primorosamente o ser das suas personagens, colocando-as no Tempo. Com a sua imaginação transfiguradora, preenche-as de cor e palavras, adensando os retratos que representam a sociedade do seu tempo.

Um pintor retratista que faz da literatura uma crónica do Tempo.

 

A face humana é igual à daqueles deuses orientais: várias faces sobrepostas em diferentes planos, e é impossível ver todas elas de uma só vez.

 


 



publicado por omeuinstante às 15:23 | link do post

Sexta-feira, 01.07.11

Falar é uma necessidade, escutar é uma arte.

 

Goethe



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Segunda-feira, 20.06.11

A linguagem, o mais perigoso dos bens.



Hölderlin



publicado por omeuinstante às 13:00 | link do post

Há sempre algo de ilimitado no desejo.

 

Simone Weil



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Sexta-feira, 17.06.11

A ignorância não é apenas um espaço em branco no mapa mental de uma pessoa. Tem contornos e coerência, e tanto quanto sei, também tem regras operacionais. Como corolário à recomendação para escrevermos sobre o que conhecemos, talvez seja útil adicionar a recomendação para nos familiarizarmos com a nossa ignorância.

 

 

Thomas Ruggles Pynchon, Jr. (Long Island, 8 de Maio de 1937) 



publicado por omeuinstante às 14:03 | link do post

Sábado, 11.06.11

Quando à tua frente se abrirem muitas estradas e não souberes a que hás-de escolher, não te metas por uma ao acaso, senta-te e espera. Respira com a mesma profundidade confiante com que respiraste no dia em que vieste ao mundo, e sem deixares que nada te distraia, espera e volta a esperar. Fica quieta, em silêncio, e ouve o teu coração. Quando ele te falar, levanta-te, e vai para onde ele te levar.

 


Susanna Tamaro



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Sexta-feira, 03.06.11

Ah, povo, povo, quanto te enganaram
sonhando os sonhos que desaprenderas!
e quanto te assustaram uns e outros,
com esses sonhos e com o medo deles!
E vós, políticos de ouro de lei ou borra,
guardai no bolso imagens de outras Franças,
ou de Germânias, Rússias, Cubas, outras Chinas,
ou de Estados unidos que não creem
que latinada hispânica mereça
mais que caudilhos com contas na Suiça (…)

Jorge de Sena – in: Não, não, não subscrevo.
Revista VISÃO Nº 950 – 19 a 25 de Maio de 2011 – Pág.60



publicado por omeuinstante às 10:00 | link do post

Quinta-feira, 02.06.11

 

Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso.


Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro.

 

 

Clarice Lispector (1920-1977)



publicado por omeuinstante às 14:19 | link do post

Domingo, 29.05.11

A liberdade é a possibilidade do isolamento. És livre se podes afastar-te dos homens, sem que te obrigue a procurá-los a necessidade do dinheiro, ou a necessidade gregária, ou o amor, ou a glória, ou a curiosidade, que no silêncio e na solidão não podem ter alimento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo. Podes ter todas as grandezas do espírito, todas da alma: és um escravo nobre, ou um servo inteligente: não és livre. E não está contigo a tragédia, porque a tragédia de nasceres assim não é contigo, mas do Destino para si somente. Ai de ti, porém, se a opressão da vida, ela própria, te força a seres escravo. Ai de ti, se, tendo nascido liberto, capaz de te bastares e de te separares, a penúria te força a conviveres. Essa, sim, é a tua tragédia, e a que trazes contigo. Nascer liberto é a maior grandeza do homem, o que faz o ermitão humilde superior aos reis, e aos deuses mesmo, que se bastam pela força, mas não pelo desprezo dela.

 

 

 Fernando Pessoa,  Livro do Desassossego



publicado por omeuinstante às 15:30 | link do post

Sexta-feira, 20.05.11

Quantas madrugadas tem a noite?



publicado por omeuinstante às 14:34 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Maria Velho da Costa (193...

Quimera

Umberto Eco (1932-2016)

Límpida

O Riso de Agustina

Botões de Rosa

Passos de um viajante

Incitações

Urbano Tavares Rodrigues

Ser Livre

Junho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26

28
29
30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2020

Maio 2020

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO