Terça-feira, 01.09.15

 

3

 

um pensamento branco quase passa

na linha vertical do horizonte

 

a voz dos homens está

deitada no fogo, dormida

adormecida.

 

o chumbo muito lento escorre

na calçada.



publicado por omeuinstante às 22:45 | link do post

Segunda-feira, 13.10.14

 

algumas horas outras invadiram as sedas, os perfumes

ácidos da louça, não serão recordadas. ou quanto mais

as recordarmos, mais a ignorância deitará

os corpos no tapume de vidros, para que em torno

se conciliem as vontades singulares, as 

particularidades de um impetuoso alarme.

ou seja: deixarão as esplanadas baças, os garfos

encolhidos, para que um amplo destino os atravesse.

considerem, por exemplo o paquete que ao meio-dia

digere as minuciosas palmeiras sobre a

alta insensatez dos aquedutos. ou ainda

a ilusão dos alicates ao lado da água, e o seu reflexo

do outro lado das vidraças: azul, não é?

assim estas algumas outras horas: como esquecê-las?

 

António Franco Alexandre, Poemas, Assírio & Alvim, p.94



publicado por omeuinstante às 23:13 | link do post

Domingo, 02.02.14

 

1

 

estas cidades, grés animal, as garrafas de sangue nos passeios,

prenunciam devagarmente um acordar translúcido. o que

movimentam no espaço, e aos bandos

os pássaros decifram sobre o musgo e a hera,

é o mesmo ar que na traqueia queima; e o cimento,

translúcido, o mesmo que nos braços percorreu as veias,

que nos olhos foi lava, que nos brilhou na boca

dizendo:estas cidades, grés animal, um acordar sem boca.

 

António Franco Alexandre, Poemas, Assírio & Alvim, p. 97.



publicado por omeuinstante às 21:27 | link do post

Quinta-feira, 22.11.12

dá-me a alegria, a sem razão nenhuma que se veja,

dou-te alegria, a sem caminhos na clareira,

a de nenhum sinal em terra nua.

dá-me a tristeza, a toda certa sem fronteiras.

dou-te tristeza, a cinza em cinza devastada,

a oiro no silêncio debruada.


por águas me verti, por rios, sementes.

de terra me vestes, a sombra do dia,

o sítio das flechas no corpo, na árvore.

no sossego das chuvas me reparto.

ficas no escuro, nos ramos nos frutos,

embrulho novelo a desajeito.

 

a porta quase aberta diz que me recebes,

quase fechada diz que me visitas.

assim te visite, assim te receba.

nenhuma palavra que o gesto não faça.

de águas me vista, em terra me vertas.

no corpo das flechas o sítio, nos rios.

António Franco Alexandre, Poemas, Assírio & Alvim, pág 290 



publicado por omeuinstante às 14:10 | link do post

Sexta-feira, 15.07.11

fico aguardando telegramas, os azuis

recados. 

os poderes da manhã já pouco duram. 

à superfície o som move na boca 

um pouco sopro. 

não julgues que me importam as roldanas 

do tempo no teu 

corpo 

são certos os abismos de cartão 

e falsa a neve que nos cobre os passos. 

de graça a terra nos dispõe na foto 

e a idade inventa nomes que a dissipem 

descobre-me impacientes os recados o 

envelope da urgência o intervalo 

de A Pequena Face 


António Franco Alexandre, Poemas



publicado por omeuinstante às 10:10 | link do post

Quinta-feira, 14.07.11

esta esquisita prova me tentou

de tecer um rumor em muros de água

ossos de terra calcinada

o jugo


culpado me castigo com engenho

e da voz desenhada o artifício

restos de pele antiga

no laço da armadilha


em silêncio me muro e me demoro

no cálculo de rotas inexactas


em duro arbítrio quer que me desprenda

dos cinco ou mais sentidos

vou ser livre na terra desnudada

vou dizer o que sei como quem mente.

(...)


António Franco Alexandre, Poemas, Assírio & Alvim, p.175 



publicado por omeuinstante às 10:08 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Visitação

Algumas Horas Outras

A questão Urbana

Primeiras Moradas

Azuis Recados

Inexactidão

Junho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26

28
29
30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2020

Maio 2020

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO