Domingo, 07.10.12

Quem Poderá Calcular a Órbita da sua Própria Alma?

As pessoas cujo desejo é unicamente a auto-realização, nunca sabem para onde se dirigem. Não podem saber. Numa das acepções da palavra, é obviamente necessário, como o oráculo grego afirmava, conhecermo-nos a nós próprios. É a primeira realização do conhecimento. Mas reconhecer que a alma de um homem é incognoscível é a maior proeza da sabedoria. O derradeiro mistério somos nós próprios. Depois de termos pesado o Sol e medido os passos da Lua e delineado minuciosamente os sete céus, estrela a estrela, restamos ainda nós próprios. Quem poderá calcular a órbita da sua própria alma?
 

Oscar Wilde, De Profundis



publicado por omeuinstante às 19:14 | link do post

Terça-feira, 17.08.10

Censuro-me por ter permitido que uma amizade não intelectual, uma amizade cujo fim primeiro não foi a criação e contemplação das coisas belas, dominasse inteiramente a minha vida.

Oscar Wilde, De profundis, Relógio D`Agua, Tradução Maria Célia Coutinho, 2001, pp 11



publicado por omeuinstante às 22:30 | link do post

Terça-feira, 06.07.10

 

De Profundis, de Óscar Wilde (1854 - 1900). Epístola escrita na prisão ao seu amante lord Alfred Douglas.

“Posso ser perfeitamente feliz sozinho. Com liberdade, flores, livros e a lua quem não poderia ser perfeitamente feliz?”.

 

De Profundis - Poesia II, de Tomaz de Figueiredo (1902 - 1970). Poema onde a escrita é de memórias e de interrogação radical sobre o Homem, o Mundo e Deus.


Punhal de instante a instante, de hora a hora,

Do mês e ano, o do galope frio,

Cruel, do Tempo, indomável, for a

Do Querer! Arrebatada pelo Rio

 

Do tempo a última Filha… Uma Senhora

A fazer-se, e ao longe, e arredio

De seu riso e luz consoladora,

Do seu amor; de a amar; do amado lio

 

Dos seus braços de Filha, ao mandado

nocturno e infernal do lobo hirsute

que se diz Homem! Para sempre adeus

 

à menina dos olhos, que a seu lado

vê sempre, sem a ter! O crime bruto

do roubo da Alma clama a Deus. Há Deus?


De Profundis, de José Cardoso Pires (1925 - 1998 ). Narrativa desconcertante onde a anarquia das palavras e a perda de si próprio marcam o ritmo.

Hoje não será citado. Reconfiguro o pensamento.

 



publicado por omeuinstante às 21:29 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Órbita da Alma

fragmentos 04

De Profundis - Compasso e...

Junho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO