Terça-feira, 30.01.18

Entrevista, Adrian Currie

 

2084 - Imagine é um ciclo de conversas sobre o tempo da próxima geração. Numa parceria entre o Centro Cultural de Belém e o PÚBLICO, a realizadora Graça Castanheira ouve pessoas que, a partir das suas áreas de estudo, pensam e idealizam a nossa existência comum, procurando debater especificamente o impacto das tecnologias emergentes na vida de todos os dias.

 


https://www.publico.pt/2018/01/28/ciencia/entrevista/a-inteligencia-artificial-tem-o-potencial-para-democratizar-o-mundo-1800651#&gid=1&pid=1



publicado por omeuinstante às 15:12 | link do post

Sábado, 14.10.17



" (...) a história humana, embora velha de milénios, quando comparada às enormes tarefas que estão diante de nós, talvez tenha apenas começado. Na verdade, aqueles que não partilham a sua riqueza arriscam-se a partilhar a miséria alheia."

 

Norberto Bobbio, A Era dos Direitos



publicado por omeuinstante às 12:01 | link do post

Segunda-feira, 22.05.17

 

A criação artística e a obra de arte

 



publicado por omeuinstante às 20:00 | link do post

 

 

Arte com arame, açúcar, chocolate...



publicado por omeuinstante às 19:46 | link do post

Segunda-feira, 08.05.17

Um contributo para a análise das sociedades actuais.

 

Comunicação e democracia.

 

 



publicado por omeuinstante às 21:00 | link do post

Terça-feira, 25.04.17

 

No dia 10 de Junho de 1974, um grupo de quarenta e oito artistas plásticos pintou, em Lisboa, um mural que viria a desaparecer, num incêndio, em 1981. Entre os pintores, muitas caras conhecidas : Júlio Pomar, João Abel Manta, Nikias Skapinakis, Menez, Vespeira, Costa Pinheiro, etc., etc.

 

https://caminhosdamemoria.wordpress.com/2009/06/29/1974-uma-pintura-colectiva/

 

 



publicado por omeuinstante às 12:00 | link do post

Sexta-feira, 21.04.17

 

Um filme sobre a dimensão ética do agir e as subtilezas que radicam na construção do Homem enquanto agente moral, isto é, enquanto pessoa. A construção  é delicada: na linguagem e no silêncio. É também um encontro com Camus, Nick Cave e Warren Ellis. 

 

 



publicado por omeuinstante às 21:39 | link do post

Sábado, 20.02.16

Influenciou gerações. Enquanto criador de linguagens, construiu mundo(s). Viveu a vida preparando-se para a morte. Sempre com muito humor. Um filósofo, portanto. 

"Há duas maneiras de passear num bosque. Uma é experimentar um ou vários caminhos (...); a segunda é caminhar de modo a descobrir como o bosque é e por que são acessíveis certas veredas, e outras não."

Seis passeios nos bosques da ficção

Umberto_Eco_1984.jpg



publicado por omeuinstante às 17:30 | link do post

Quinta-feira, 17.12.15

A procura de uma Nova Terra — um planeta rochoso noutro sistema solar, a uma distância da sua estrela que permita água líquida na superfície e, assim, de vida — teve esta quinta-feira um novo desenvolvimento. A agência espacial norte-americana NASA anunciou a descoberta de um exoplaneta a 1400 anos-luz de distância de nós, na constelação do Cisne, que anda à volta de uma estrela idêntica ao Sol e a uma distância aproximada à que separa a Terra do Sol.

 

Ler



publicado por omeuinstante às 18:36 | link do post

Sábado, 14.02.15

 

Sobre as relações entre a arte e a realidade. 

 

images-1.jpeg

 

René Magritte, O Império das Luzes, 1954.

 

 



publicado por omeuinstante às 15:51 | link do post

Quarta-feira, 11.02.15

" Ninguém espera da música ou da arquitectura que reproduzam a realidade sonora nem o mundo das formas que podemos ver na natureza. São linguagens, artes da combinação e da composição de signos e de formas. Pode acontecer que a música reproduza instrumentalmente o som de um fenómeno real, como uma tempestade ou o ruído de uma batalha. Assim, "O amor" ou "vento na planície" são o tema de composições de Claude Debussy. Mas não reproduzem esses fenómenos exactamente: transfiguram-nos, evocam-nos, não os imitam. Uma tempestade numa ópera não é uma tempestade, é música.

Por que razão o que é evidente numa arte como a música deixaria de o ser em pintura? Por que não chamamos ao pintor um "compositor" tal como o fazemos com o músico? Estará o pintor vocacionado para copiar o mais exactamente possível o que é dado ao seu olhar? A sucessão de notas músicais não é uma sucessão de ruídos naturais. Por que razão pensar que o que vemos sobre a tela deve ser o que vemos no mundo?"

 

Hervé Boillot, 50 modèles de dissertations philosophiques. (adaptado)



publicado por omeuinstante às 19:09 | link do post

Quinta-feira, 09.10.14

 

zsocrates.jpg

 

 

 



publicado por omeuinstante às 22:01 | link do post

Terça-feira, 07.10.14

 

A função da filosofia, escreve E. Morin, é a de alimentar o debate que permite fazer escolhas e dar um sentido à acção. E lutar contra um pensamento único, tecnocrático, que se imporia como evidência. Ora, a função do debate é essencial na Cidade, pois sem a crítica a tecnificação torna-se uma ameaça real à liberdade. 

 

"A especificidade das tecnologias de comunicação do século XX, com a transmissão de som e de imagem, reside na sua capacidade para chegar a todos os públicos, a todos os meios sociais e culturais. À partida, os meios de comunicação social do século XX são tributários da lógica do número. E se algo pode simbolizar a sociedade dos nossos dias, esse algo será o tríptico: sociedade de consumo, democracia de massas e meios de comunicação social de massas - três características que instalam no coração da sociedade contemporânea a questão, tão essencial, mas tão pouco estudada, do número e da massa."


Dominique Wolton, E Depois da Internet?



publicado por omeuinstante às 22:19 | link do post

xiii

2
Recordar não tem conteúdo vivencial.

(...)
      


Seria possível pensar a seguinte situação:uma pessoa recorda-se, pela primeira vez na 

  sua vida, duma casa e diz "Agora já sei o que é recordar, o que é que recordar me faz".

  -  "Como é que ela sabe que este sentimento é"recordar"? Compara: "agora já sei o que é

  ser-se picado (acabava de receber pela primeira vez um choque eléctrico). 

 - Sabe ela que esta sensação é recordar, por ter sido provocada pelo passado? 

  E como é que ela sabe o que é o passado? O homem aprende o conceito de passado ao recordar.

(...)

 

L. Wittgenstein, Investigações Filosóficas, F. C. Gulbenkian, p. 609



publicado por omeuinstante às 00:51 | link do post

Domingo, 31.08.14

 

 

Somos todos prisioneiros do labirinto do Tempo. Um sufoco, que urge viver. É este o paradoxo de que se alimentam os homens. É esta a aventura humana.

 

 

A nossa situação é a de Teseu caminhando às escuras num labirinto a que o fio de nenhum amor conduzirá ao lugar vazio de um Minotauro inexistente. O apocalipse não nos vem do exterior. Somos nós quem o transporta.

 

Eduardo Lourenço, O Espelho Imaginário



publicado por omeuinstante às 16:47 | link do post

Terça-feira, 17.06.14

 

Este número aborda as relações entre cinema e filosofia: "filosofia do cinema" versus "cinema como filosofia". 
Apetece rever (Ler e pensar) alguns dos artigos deste excelente conjunto de textos sobre filosofia da arte. 

 





publicado por omeuinstante às 21:49 | link do post

Quinta-feira, 20.03.14

 

Somos nós os responsáveis pela guarda de nossos irmãos? Deveríamos ser? Ou essa função apenas atrapalharia os propósitos pelos quais estamos aqui na Terra — para produzir e consumir, segundo os economistas; para sobreviver e nos reproduzir, segundo os biólogos? Que essas duas visões pareçam tão semelhantes não é uma simples coincidência, uma vez que surgiram aproximadamente na mesma época e no mesmo lugar, em meio à Revolução Industrial inglesa. As duas adotam como princípio a ideia de que a competição é saudável.

 

Pouco tempo antes, e ligeiramente mais ao norte, na Escócia, o pensamento era outro. Adam Smith, o pai da economia, compreendia melhor do que ninguém que a luta em defesa de nossos interesses pessoais necessita ser temperada pelo sentimento de solidariedade. Ele defendeu esse ponto de vista em "A teoria dos sentimentos morais", um livro muito menos conhecido do que "A riqueza das nações". Smith iniciou seu primeiro livro com uma frase memorável:

 

Por mais egoísta que se possa admitir que seja o homem, é evidente que existem certos princípios em sua natureza que o levam a interessar-se pela sorte dos outros e fazem com que a felicidade destes lhe seja necessária, embora disso ele nada obtenha que não o prazer de a testemunhar.(...)"




Correntes



publicado por omeuinstante às 21:36 | link do post

Sexta-feira, 14.03.14

 

De acuerdo con Chomsky, la educación, de cualquier nivel, debe hacer todo lo posible para que los estudiantes adquieran la capacidad de inquirir, crear, innovar y desafiar. “Queremos profesores y estudiantes comprometidos en actividades que resulten satisfactorias, disfrutables, desafiantes, apasionantes. Yo no creo que sea tan difícil”.

“En un seminario universitario razonable, no esperas que los estudiantes tomen apuntes literales y repitan todo lo que tú digas; lo que esperas es que te digan si te equivocas, o que vengan con nuevas ideas, que abran caminos que no habían sido pensados antes. Eso es lo que es la educación en todos los niveles”, concluyó.

 

 

 

 

Aqui



publicado por omeuinstante às 12:39 | link do post

Quarta-feira, 29.01.14

 

 



 
Palavra e Tentação - José Bragança de Miranda
Realização de Edmundo Cordeiro


publicado por omeuinstante às 21:10 | link do post

Sábado, 30.11.13

 

Acabei de ver "Hannah Arendt". Tendo como pretexto o julgamento de Adolf Eichmann, o filme expõe a radicalidade do acto de pensar e explica-nos, de forma clara, que a "banalidade do mal" resulta de um conjunto de actos rotineiros, acessíveis a qualquer ser, tão rotineiros que se torna impossível "cumprir as exigências da justiça". Quando os seres humanos se recusam a ser pessoas e se recusam a pensar, tornam-se incapazes de realizar juízos morais e as categorias éticas, que balizam a acção e o pensamento, desaparecem. De súbito, estamos perante " As origens do Totalitarismo", que Hannah avalia: "compreender não é perdoar". Deste modo, e quando Hannah afirma que "a manifestação do vento do pensamento não é pensar", mostra-nos a especificidade da problematização filosófica: a radicalidade, a universalidade, a autonomia e a historiciade. Uma lição, portanto.

O filme coloca ainda um vasto conjunto de questões, que atravessam a obra da filósofa, como as noções de aparência, realidade, culpa, perdão, justiça...permitindo-nos fazer uma comparação com o momento vivido pela sociedade portuguesa: o "mal" assola-nos, restará alguém para culpar, entre O Passado e o Futuro?

 



publicado por omeuinstante às 20:37 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Do Risco Existencial

Horizontes

ViK Muniz - Lixo Extraord...

VIK MUNIZ

Dominique Wolton

Da Memória: 1974 - Uma Pi...

Longe dos Homens

Umberto Eco (1932-2016)

Nova Terra

Paradoxos

Junho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO