Domingo, 15.01.12

Freud ensinou a escavar as ruínas da nossa história pessoal, prática que como método dá acesso a nós próprios e, sabemos, desperta o recalcamento.

 

Quando Norbert Hanold encontrou o baixo-relevo, não se lembrou de que, quando era pequeno, já tinha visto os pés da amiguinha numa posição semelhante, não se lembrou de nada, embora tudo o que a escultura causou nele derivasse desse elo.

 

 

Freud, Delírio e Sonhos na Gradiva de Jensen, Gradiva, p.66



publicado por omeuinstante às 16:29 | link do post

Domingo, 31.10.10

Um público comprometido com a leitura é crítico, rebelde, inquieto, pouco manipulável e não crê em lemas que alguns fazem passar por ideias.

 

Mário Vargas Llosa



publicado por omeuinstante às 11:25 | link do post

Segunda-feira, 26.07.10

O que é um Clássico? Isto no que diz respeito aos clássicos antigos tanto quanto aos clássicos modernos.

Haverá distinção entre ler e reler uma obra?

Não, não há. Nem tem muita importância.

Só os episódios de cada vida - no espaço e no tempo - pormenorizam a distinção.

Rerrelamos.

 

1. Os clássicos são os livros de que se costuma ouvir dizer: " Estou a reler..." e nunca " Estou a ler ".

4. De um clássico toda a releitura é uma leitura de descoberta igual à primeira.

5. De um clássico toda a primeira leitura é na realidade uma releitura.

6. Um clássico é um livro que nunca acabou de dizer o que tem a dizer.

14. É um clássico o que persiste como ruído de fundo mesmo onde dominar a actualidade mais incompatível.

 

Italo Calvino, Porquê Ler os Clássicos?, Teorema (1994, pág 7, 9, 12), Tradução de José Colaço Barreiros


A única asserção verdadeira consiste em afirmar que ler os clássicos é melhor do que não ler os clássicos.



publicado por omeuinstante às 18:30 | link do post

Segunda-feira, 19.07.10

(roubado casa das artes)

Sapateiro em Cabul, Afeganistão, espera: ler é ir ao encontro de si e do outro.

Experiência universalizável; desperta a necessidade de construção de um poema narrativo sem encenações dramáticas.

Ler; sem tempo, sem espaço. Ler.

Mesmo que seja um livro do deve-haver.

Fulguração do instante.



publicado por omeuinstante às 18:30 | link do post

443245.jpeg
Sem a música, a vida seria um erro. Nietzsche
links
posts recentes

Jardins Subterrâneos

Leitor Ideal

Sobre os clássicos

Cronotopia

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


tags

arte

cinema

david mourão-ferreira

educação

estética

eugénio de andrade

fernando pessoa

filosofia

fragmentos

leituras

literatura

livros

miguel torga

música

noctua

pintura

poesia

política

quotidiano

sophia de mello breyner andresen

todas as tags

arquivos

Junho 2019

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

blogs SAPO